2010: Devoção e reverência do mundo do samba pelo prêmio Estrela do Carnaval

A entrega da terceira edição do prêmio Estrela do Carnaval, oferecido pelo site Carnavalesco em parceria com o SRZD, aconteceu na tarde deste domingo, no Hotel Intercontinental, em São Conrado, Zona Sul do Rio, com apoio da Capemisa, e contou com a presença de homenageados e convidados. O cardápio da festa, mais uma vez, foi a tradicional feijoada completa.

O início do evento, que nesta edição homenageou Noel Rosa, começou com Ronaldinho do Cavaquinho tocando músicas do poeta que completaria este ano o seu centenário. Logo após, Jorge Castanheira, presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, Liesa, subiu ao palco e discursou sobre a premiação: – Quero hoje agradecer ao Sidney Rezende por ser mentor de um novo conceito de cobertura jornalística séria do carnaval. O crescimento do site e da equipe em tão pouco tempo se dá justamente pelo talento, postura e principalmente pela credibilidade que o veículo possui. Parabéns a toda equipe, pelas matérias corretas e rápidas e obrigado por promover um grande momento de confraternização entre as escolas de samba. O nosso carnaval precisa disso – declarou.

A entrega do prêmio iniciou com a Estácio de Sá, que de acordo com o júri do Estrela do Carnaval, teve a melhor bateria e melhor casal de mestre-sala e porta-bandeira do Grupo de Acesso A. A bateria Medalha de Ouro comandada por Mestre Chuvisco e sua rainha de bateria Alessandra Mattos sacudiu os presentes e embalou os demais premiados do Grupo de Acesso. Em seguida, o Império da Tijuca levou os prêmios de melhor samba-enredo, melhor comissão de frente e melhor intérprete. Ao som de Pixulé, a comissão de frente comandada por Junior Schapin mostrou ao público presente por que foi escolhida pelo juri como a melhor do Grupo A.
 
O prêmio de Revelação do Carnaval 2010 ficou para o jovem Thiago Britto, intérprete da Caprichosos de Pilares, que teve a missão de cantar um samba-enredo mais antigo do que ele. Com o reeditado "E por falar em saudade", o intérprete agitou ainda mais os convidados presentes no evento.
 
Campeã do Carnaval 2010 do Acesso, a São Clemente recebeu o prêmio de Melhor Desfile do Ano e fez um verdadeiro carnaval no Salão Esmeralda do Hotel Intercontinental com o seu primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, o intérprete Igor Sorriso e componentes de alas devidamente fantasiados. No ritmo do enredo "Choque de Ordem na Folia", o presidente Renatinho subiu ao palco para receber o troféu "escoltado" por um guarda. – Este é o site mais visto do carnaval e este prêmio sim é o verdadeiro Estandarte de Ouro. Como o resultado da premiação foi antes da apuração, ganhei o Carnaval 2010 antes da hora! Essa "estrela" com certeza irá me iluminar em 2011, quando novamente estaremos desfilando na elite do carnaval – discursou o presidente da amarela e preta de Botafogo.
 
Após a entrega do troféu aos ganhadores do Acesso A, a agremiação de São Paulo Mocidade Alegre brindou o público presente com uma "canja" de Clovis Pê, intérprete da escola, que emocionado declarou seu eterno amor à Mangueira e discursou sobre o carnaval da outra cidade: – Me identifiquei e acabei casando com a estrutura e organização que possui no carnaval de São Paulo. Se cortar minha veia com certeza sairá sangue verde e rosa, mas hoje também sou Mocidade Alegre de coração – disse.
 
O início da entrega da premiação do Grupo Especial começou pelos passistas feminino e masculino, Geórgia da Vila Isabel e Hudson da Mocidade que sambaram ao som de "Noel: a presença do poeta da Vila" e "Do Paraíso de Deus, ao Paraíso da Loucura cada um sabe o que procura", respectivamente. Em seguida, Cahê Rodrigues levou o prêmio de Melhor Conjunto de Alegorias pela Grande Rio e Paulo Menezes o de Melhor Conjunto de Fantasias pela Porto da Pedra.
 
– Esse prêmio pra mim foi uma grande surpresa, pois desde o início o nosso enredo foi o mais criticado por todos do carnaval e acabei ganhando um prêmio como esse. Dedico esse troféu a toda minha equipe de decoração. Tivemos graves problemas nas alegorias na concentração e graças a eles deu tudo completamente certo. Fico feliz pelo reconhecimento do meu trabalho e de toda minha equipe – emocionou-se Cahê Rodrigues.
 
A Estação Primeira de Mangueira levou os prêmios de melhor bateria, melhor casal de mestre-sala e porta-bandeira, melhor samba-enredo e originalidade. A bateria de Mestre Jaguará Filho e sua rainha de bateria Renata Santos entraram no salão e explodiram os convidados com o ritmo "Surdo Um" da verde e rosa. Em seguida entraram os guardas da repressão de Carlinhos de Jesus que com cacetetes, sirenes e grades prenderam os "censurados" ritmistas, refazendo para os presentes a performance campeã do prêmio Originalidade. O presidente da escola, Ivo Meirrelles, subiu ao palco juntamente com Elmo José dos Santos, Carlinhos de Jesus e com os tenores Zé Paulo e Richahs.
 
–  Quando se tem uma equipe que é apaixonada pelo que está fazendo tudo flui bem. Os carnavalescos fizeram oito figurinos para a bateria e eu recusei até que um dia vi um figurino de uma composição de carro e disse que era a fantasia que eu estava procurando. Todos me contestaram, disseram que era muito pobre, mas quando mostrei para a minha bateria rapidamente recebi o apoio dela. A bateria da Mangueira há muito tempo merecia esse reconhecimento, pois é uma bateria que mantém a sua tradição e emociona a Sapucaí. Foi necessário prendermos os ritmistas para que a censura fosse quebrada. Obrigado ao site, esse prêmio é de vocês bateria – declarou emocionado o presidente Ivo Meirelles.

A porta-bandeira Marcella Alves e o mestre-sala Raphael bailaram ao som de "Mangueira é Música do Brasil". Marcella Alves que ganhou pela 2ª vez o troféu de melhor porta-bandeira também discursou: – Agradeço o Estrela do Carnaval pelo segundo prêmio que eu ganho. São pessoas que nos acompanham não apenas no dia do desfile e sim o ano inteiro. Esse ano, por exemplo, alguns colunistas do site acompanharam os nossos ensaios de madrugada lá na Marquês de Sapucaí. Isso prova que o trabalho é muito sério – declarou.
 
A campeã do carnaval, Unidos da Tijuca, subiu ao palco para receber as seguintes premiações: melhor ala das baianas, melhor intérprete, melhor carnavalesco e melhor desfile do ano. Ao som da voz do premiado Bruno Ribbas e no ritmo da bateria da Mangueira, as baianas e componentes de alas evoluiram fantasiados no salão fazendo com que o público recebesse mais um pouquinho do que a campeã mostrou na avenida.
 
Com a ausência do carnavalesco Paulo Barros que ganhou o prêmio de Melhor Carnavalesco do Grupo Especial, o diretor de carnaval da Unidos da Tijuca, Ricardo Fernandes, e o vice-presidente da agremiação receberam em seu lugar o troféu. – Tínhamos a obrigação de fazer um bom desfile. Valeu a pena cada segundo não dormido, cada pedaço de sonho que interrompemos. Tínhamos que fazer isso pelo nosso presidente Fernando Horta, que sempre nos deu todas as condições necessárias, tínhamos que fazer pela comunidade que estava com o grito de campeã preso na garganta e tínhamos que fazer isso pelo nosso carnavalesco Paulo Barros e suas ideias geniais – declarou Ricardo Fernandes.
 
Fechando o evento com chave de ouro, a aguardada comissão de frente que explodiu a Marquês de Sapucaí com seus efeitos de ilusionismo apresentou-se no Salão do Hotel para o delírio dos presentes na festa. Com as trocas de roupas rápidas que ficarão registradas na memória do carnaval e com o samba-enredo "É Segredo", a comisão de frente, que também ganhou todas as demais premiações por unanimidade, encerrou a terceira edição do prêmio Estrela do Carnaval.