Rodrigo Coutinho analisa a bateria da Beija-Flor no desfile

Por Rodrigo Coutinho

beija-flor_desfile_2018_072Comandada pelos mestre Rodney e Plínio, a bateria da Beija-Flor fez um ótimo desfile ao encerrar o Grupo Especial de 2018. A ala de Nilópolis possui um vasto histórico de ótimas apresentações recentes e mais uma vez alcançou o nível que lhe possibilita obter todas as notas máximas mais uma vez.

Como sempre, o grande destaque foi afinação dos surdos. Impressionante a tonalidade única alcançada por mestre Rodney e sua equipe. Cada um dos três surdos no ”lugar certo”, proporcionando um suingue todo peculiar à escola de Nilópolis.

A única ressalva vai para o rendimento do naipe de caixas no primeiro módulo. Houve desatenção de alguns ritmistas que estavam do lado direito da bateria no momento da sequência de convenções e duas delas não saíram com a precisão que foi realidade no restante do desfile.

Tirando este ponto, mais um desfile tranquilo da bateria nilopolitana. Andamento inicial a 144 BPM e chegando a 142 na reta final da apresentação. Rendimento dentro do padrão Beija-Flor. Terceiras conduzindo o ritmo, marcadores com extrema educação musical, apenas tirando som do instrumento. Tamborins e chocalhos se comportando de forma mais conservadora e extremamente funcional para o papel que têm dentro da bateria.

Um comentário em “Rodrigo Coutinho analisa a bateria da Beija-Flor no desfile

Os comentários estão desativados.