80%??? É isso mesmo???

Estou perplexo com a decisão das escolas de samba do Grupo de Acesso de aumentar em 80% o preço dos ingressos para as frisas. Nenhum preço subiu tanto em um ano como este. O IPCA
(Índice de Preços ao Consumidor – Amplo) registrou alta de 4,18% em todo o ano de 2009. O que pode explicar este aumento abusivo?

O argumento de que os preços eram baixos demais não procede. Muito menos o de que os ingressos não eram reajustados há muitos anos. Eles vêm sofrendo aumentos sim, menores, mas constantes. Acredito até que os preços pudessem ser majorados, mas nunca nestes termos. Não conheço do assunto, mas suponho que possa ser feita uma consulta aos órgãos de defesa do consumidor sobre a legitimidade deste aumento.

O Grupo de Acesso não tinha público até o início desta década. Os desfiles eram melancólicos pois eram realizados para frisas e arquibancadas vazias. Aos poucos, devido a uma série de
fatores, a família carioca foi descobrindo ali uma boa alternativa ao Grupo Especial. Um carnaval mais barato e mais simples, sem deixar de lado a essência do samba. O desfile de sábado virou um ponto de encontro dos sambistas e de suas famílias. Quase todo mundo se
conhecia, pelo menos de vista. O clima era dos melhores, uma grande confraternização. E a casa começou a encher.

Isso tende a acabar. Mais uma vez o "olho grande" dos dirigentes não se preocupa com nada a não ser com seu caixa. Esta medida não só afasta o carioca e o sambista da avenida como também quebra uma corrente positiva que ajudava este grupo a crescer. Talvez a intenção
seja esta – trocar este público pelos turistas, o que seria uma covardia e uma tremenda falta de inteligência.

A ganância pode se transformar num tiro no próprio pé. Ninguém sabe como os compradores reagirão a estes preços. Nem se haverá outro tipo de consumidor interessado (turistas). A tendência inicial é uma corrida atrás das arquibancadas (ainda baratinhas) e o esvaziamento das frisas. Se isso ocorrer a arrecadação cairá.

Torço para que este não seja o ponto de partida para a derrocada do desfile de sábado, que vinha crescendo e ganhando credibilidade lentamente, até o carnaval de 2008.

Cabem aqui algumas perguntas que cada de um de nós – principalmente os dirigentes – devia se fazer regularmente: para que serve o carnaval? o que estamos fazendo? onde queremos chegar?

Luxo nunca foi um quesito esperado neste grupo. Ele nunca rivalizará com o Especial pois sempre será a "segunda divisão". Precisa encontrar seu próprio caminho para ser mais organizado e rentável. E não é impondo aumentos abusivos que isso irá acontecer.