Alegria da Zona Sul apresenta samba encomendado para o Carnaval 2018 em nova casa


A Alegria da Zona Sul precisou mudar os rumos de seu planejamento para o Carnaval 2018 nos últimos dias. Inicialmente, a escola teria disputa de samba para o desfile do ano que vem. Porém, a diretoria decidiu encomendar a obra que irá embalar o desfile sobre o enredo “Bravos Malês – A Saga de Luiza Mahin”, desenvolvido pelo carnavalesco Marco Antônio Falleiros, para os compositores Samir Trindade, Telmo Augusto, Fernando Girão, Marco Moreno, Marcelão da Ilha e Thiago Meiners. O samba foi apresentado na noite desta quinta na nova quadra da agremiação, localizada na Rua Frei Caneca, embaixo do viaduto 31 de Março, a poucos metros da Apoteose.

igor_vianna_alegria2018

A nova casa ainda não está totalmente pronta, mas recebeu bem o público que pode conferir pela primeira vez ao vivo na voz do intérprete Igor Vianna a obra para o Carnaval 2018. A alegação oficial da escola foi de que a disputa foi abolida por conta de cortes de gastos em um ano de forte crise econômica, como explica ao CARNAVALESCO o presidente da Alegria, Marcus Vinícius de Almeida.

alegria_equipe2018

– Unimos o útil ao agradável. Não vou dizer que é o que eu gosto de fazer, mas o momento me forçou. Nossa quadra ainda precisa passar por melhorias e estamos em busca de apoio com a iniciativa privada, já que do poder público nós não podemos mesmo contar. Vamos em busca de uma melhor colocação, mas o nosso resultado desse ano não condiz com o desfile apresentado. Não aceitamos esse resultado, mas não adianta ficar só reclamando. Vamos para um grande desfile mesmo com tantas dificuldades. Já possuímos um grande samba – afirma o presidente.

Carnavalesco pede fim de preconceito com a escola

marco_antonio_alegriaA vermelha e branca do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho em seu próximo carnaval mostrará uma história forjada na coragem e valentia da negritude que almejou um Brasil livre da escravidão e das desigualdades sociais. Será exaltada a luta do povo malês, que sonhou “africanizar” Salvador, e faria ascender ao trono da sonhada “monarquia islâmica” uma mulher guerreira vinda do Daomé, símbolo da resistência e da fé. Marco Antônio Faleiros será novamente o responsável pelo desenvolvimento do enredo. O artista fala ao CARNAVALESCO sobre mais um ano à frente do carnaval da escola e da expectativa para esse enredo.

– Estou criando uma identificação gostosa com a escola. Isso é bom para o profissional. Eu espero que os julgadores finalmente compreendam meu trabalho. Será meu segundo trabalho com uma temática afro e eu acho que isso me possibilita uma exploração maior em termos de imagem. Acho que o desfile da escola vai trazer à tona uma história que muito pouca gente conhece. Esse é o papel fundamental do carnaval – esclarece.

Igor Viana se readapta ao carnaval carioca

igor_vianna

De patente alta no mundo do carnaval, Igor Vianna carrega em seu DNA o sangue de um dos maiores ícones da história dos desfiles. Filho de Nei Vianna, lendário intérprete da Mocidade, ele engatará seu segundo carnaval consecutivo como principal voz do carro de som da Alegria da Zona Sul. Igor considera diferencial poder trabalhar o samba-enredo com mais tempo junto da comunidade e declara ao CARNAVALESCO sua opinião sobre a obra bem como mais um ano à frente do carro de som da Alegria da Zona Sul.

– É curioso pois apesar de ter praticamente nascido dentro de uma quadra de escola de samba tive que me readaptar nesse retorno para o Rio de Janeiro. Vivi grandes momentos cantando em São Paulo e no Rio Grande do Sul. Estou bastante otimista com nosso samba e acho que será uma das grandes obras desse próximo carnaval – define.

Mestre Claudinho investe na batida de caixa da Alegria

alegria_apresentacaosamba_20072017dsc00024-copy

Mestre Claudinho poderá desenvolver o seu trabalho de maneira mais completa para o ano que vem. Isto porque assumiu a bateria quando da saída de mestre Capoeira, logo depois da escolha do samba para o Carnaval 2017. Claudinho pretende desfilar no ano que vem com 230 ritmistas e conta ao CARNAVALESCO o que esperar de novo no trabalho da bateria.

bateria_alegria2018

– Acho que o aspecto fundamental é o aprimoramento da nossa batida de caixa, que estava deficiente quando assumi a bateria. Iniciar um trabalho no começo do planejamento me dá uma maior possibilidade de implementação das minhas características de trabalho. A gente tem um samba que permite muitas nuances na avenida – ressalta o mestre de bateria da Alegria da Zona Sul.

Alegria estreará casal inédito no desfile de 2018

casal_alegriaA porta-bandeira Bárbara Falcão terá a companhia de Paulo Roberto na condução do pavilhão da vermelha e branca do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho. Paulo Roberto esteve fora dos desfiles em 2017, mas defendeu o pavilhão da Caprichosos de Pilares em 2016. Ao CARNAVALESCO, ele revela uma grande amizade com Bárbara e promete muita dedicação da dupla para buscar as tão sonhadas notas 10.

– Conheço a Bárbara há bastante tempo e fico feliz em poder desenvolver essa parceria ao seu lado. Tenho muita admiração pelo seu jeito de dançar. Temos uma amizade fora do carnaval. Penso que esse seja o momento e hora exata para a gente. É uma honra e felicidade receber o convite da Alegria da Zona Sul para defender suas cores e seu pavilhão. Podem esperar de mim juntamente com a minha porta-bandeira bastante dedicação. Ensaiaremos muito para que façamos um excelente desfile.

A pressão por boas notas deve ser grande nos ombros da dupla, uma vez que o desempenho da Alegria da Zona Sul no quesito mestre-sala e porta-bandeira deixou a desejar em 2017. Apenas uma nota 10, acompanhada de dois 9,8 e uma 9,9. Bárbara revela o segredo para se melhorar o resultado na avenida.

casal_alegria2018

– Não vejo como temerário a formação de uma nova dupla. Como em qualquer setor da vida profissional os resultados só são alcançados mediante muito trabalho e dedicação. Temos de focar em cima das justificativas de 2017 e a partir daí intensificar nossos ensaios. Já podemos, inclusive, trabalhar a coreografia com mais tempo que os demais casais, já que conhecemos o nosso samba com maior antecedência – finaliza Bárbara.