Alegria da Zona Sul quer usar força dos Malês para ter sucesso no Carnaval 2018

A Alegria da Zona Sul apresentou na noite de quinta-feira sua sinopse para o enredo “Bravos Malês! A Saga de Luiza Mahin” que será apresentado no Carnaval 2018. O presidente Marcus Vinícius acredita que o enredo veio num bom momento e retrata bastante como a escola está se sentindo.

alegria_equipe1– Na quarta-feira de cinzas nós ficamos magoados, não acuso ninguém. Nem Déo (presidente da Lierj) e nem Thor (vice-presidente da Lierj). Só acho que a questão do jurado tem que ser revista. Não se deve julgar pela bandeira e/ou posição que a escola desfila e a Alegria sentiu na pele isso. Amargamos um 13º lugar com um investimento alto, não foi brincadeira. Gastamos muito nesse carnaval, fazemos fantasias com um dos melhores atelier do Rio de Janeiro, casal, alas e etc. Temos o direito de colocar aquilo que acho que é melhor para minha escola, tenho uma comunidade inteira por trás. Havia uma vontade de fazer os Malês há algum tempo, após analisarmos outros enredos, vimos que esse vai de encontro ao que a escola precisa. Enredo de pessoas bravas, que lutaram pelos seus direitos naquela época. Os Malês não baixaram a cabeça e a Alegria está assim. Não é porque é um enredo afro que significa que é barato, muito pelo contrário, é caro. É sempre bom olhar para si mesmo e poder fazer carnaval – disse.

Sobre a permanência dos profissionais, o presidente da Alegria confirmou a equipe de 2017 apenas com alguns ajustes para corrigir erros cometidos.

alegria_equipe2– Eu estaria sendo incoerente se eu mudasse a minha equipe se acho que ela foi bem. Logicamente vamos fazer ajustes com alguns reforços como Samir Trindade e Neyzinho na comissão de carnaval. O Leandro Azevedo vem pra comissão de frente, estamos lançando ele assim como lançamos o Patrick Carvalho. Ele fará um grande trabalho como coreógrafo – frisou.

O historiador Daniel Araújo, que é o autor do texto ao lado do carnavalesco Marco Antonio, explicou como o enredo será desenvolvido e qual rumo os compositores devem tomar.

– Estou acostumado a fazer pesquisa, dei uma olhada no histórico da revolta em alguns artigos, porque queria algo verdadeiro que não escondesse nada. Assim como não escondi no texto. A revolta dos Malês não buscava pacificação, queria através da luta africanizar Salvador. Uma monarquia negra. Queriam a paz e liberdade com os negros, lutando pela liberdade com os irmãos. Acho isso muito bacana porque não fizeram questão de esconder e nessa monarquia Luiza seria rainha. É um momento de luta que não é disseminado, e assim como coloquei no texto, nós como escola de samba, temos que disseminar essa cultura que é nossa. Mas não só o que estamos acostumados, tem que visitar os pontos fortes. Essa é considerada a maior revolta negra da história do país. Considerei a mais verdadeira, que não deu certo. Até naquela época já havia os casos de delação, assim como hoje em dia, eles foram delatados por uma pessoa que estava com eles e acabou caindo. Mesmo assim os ideais não se perderam no tempo.

alegria_equipe3Uma das poucas exigências para o samba é que ele esteja na primeira pessoa, assim como a sinopse. Pois, segundo Daniel Araújo, o desfile será a própria Luisa contando a história. Além disso, a emoção tem que ser transmitida.

– Não pode faltar verdade. Essa é a palavra. Tem que ter emoção verdadeira e raça. É isso que a alegria quer. Porque a Luisa é verdadeira. Essa é a grande mensagem. Luta, garra e emoção. Queremos isso pra abrir o sábado de carnaval – finalizou Daniel.

A Alegria da Zona Sul será a primeira escola a desfilar no sábado de carnaval pela Série A.