André Diniz ‘persegue’ Paulo Brazão na galeria de campeões da Vila mas outro finalista pode fazer história

andre_diniz_estrela_061016

O compositor e professor André Diniz escreveu em pouco tempo o seu nome na história da Unidos de Vila Isabel. Compôs seu primeiro samba somente em 1992 e após a sua primeira vitória, em 1994, já foram 13 conquistas nestes 25 anos ao lado dos mais variados parceiros na escola. André ainda não é numericamente o maior vencedor dentro da escola. Este posto é de um dos fundadores da agremiação, Paulo Brazão, que entre 1947 e 1976 compôs 16 sambas que embalaram desfiles da azul e branca. André, que homenageou o próprio Brazão em sua primeira conquista em 1994, pode chegar ao 14º samba de sua autoria na escola, aproximando-se Brazão, se sua parceria chegar à vitória mais uma vez na grande final desta sexta.

Poucas escolas de samba possuem uma galeria de compositores campeões como a Vila Isabel. Se Brazão e Diniz lideram o ranking, não se pode esquecer que o terceiro lugar neste posto pertence a ninguém menos que Matinho José Ferreira, que leva a Vila em seu sobrenome artístico. São dele 12 obras da história da agremiação, algumas delas inesquecíveis. O ‘duelo’de Martinho com André é um épico na escola. Quando André venceu pela primeira vez na Vila, Martinho possuia 9 conquistas. E de lá pra cá apenas em 2010 Martinho emplacou um samba sem ter André Diniz na parceria. Foi em 2012, com o antológico ‘Angola’ que André Diniz superou seu maior ídolo.

Uma utópica parceria puro-sangue com os três maiores nomes da história da escola não foi possível, embora, Martinho e André tenham estado juntos em 2013 e 2016. E nos últimos anos nomes consagrados no cenário do samba e da MPB têm deixado sua marca na escola. Casos de Arlindo Cruz, que ao lado de André, já é tetracampeão e Mart’nália, que assim como Tonico da Vila, são os filhos do Zé Ferreira que já chegaram à vitória na escola. Tonico pode este ano pela primeira vez ser campeão sem o pai na parceria.

Diante de tantos nomes de peso um recém-filiado à ala pode ‘estragar’ a festa dos gigantes caso saia da quadra campeão já na manhã deste sábado. Arthr das Ferragens pode alcançar o pentacampeonato na escola e de quebra impedir a aproximação de André Diniz em Paulo Brazão. Arthur venceu em 2009, 2011, 2012 e 2014 ao lado de André, mas optou por seguir seu próprio caminho desta vez. Além dos componentes emocionais já presentes na final da Vila Isabel ainda há esse, com um duelo de grandes poetas na tradicional galeria de campeões da Unidos de Vila Isabel.

Compositores campeões na Vila Isabel

16 vezes

Paulo Brazão – 1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1954, 1956, 1957, 1958, 1959, 1961, 1963, 1964, 1965, 1973, 1976

13 vezes

André Diniz – 1994, 1995, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2012, 2013, 2014, 2016

12 vezes

Martinho da Vila – 1967, 1968, 1969, 1970, 1972, 1980, 1984, 1987, 1993, 2010, 2013, 2016

10 vezes

Rodolfo de Souza – 1962, 1965, 1969, 1974, 1976, 1977, 1979, 1980, 1983, 1987
Leonel – 2000, 2002, 2004, 2005, 2009, 2011, 2012, 2013, 2014, 2016

9 vezes

Serginho 20 – 1999, 2000, 2002, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009, 2015

8 vezes

Evandro Bocão – 1994, 1995, 1999, 2000, 2007, 2008, 2012, 2014

7 vezes

Tião Graúna – 1975, 1979, 1980, 1981, 1985, 1986, 1996

5 vezes

Djalma da Silveira – 1951, 1959, 1964, 1965, 1971
Jonas – 1971, 1979, 1981, 1983, 1987

4 vezes

Gemeu – 1966, 1967, 1968, 1977
Carlinhos Petisco – 2006, 2007, 2008, 2015
Arthur das Ferragens – 2009, 2011, 2012, 2014
Arlindo Cruz – 2012, 2013, 2014, 2016

3 vezes

Prof. Wladimir – 2007, 2011, 2014

2 vezes

Jarbas da Silveira – 1964, 1978
Irany Silva – 1973, 1976
Arroz – 1971, 1975
Luiz Carlos da Vila – 1979, 1988
David da Vila – 1983, 1998
Jorge King – 1983, 1989
David Correa – 1985, 1986
Jorge Macedo – 1985, 1986
JC Couto – 1989, 1997
Vila Silva Bombril – 1990, 1994
Helinho – 1991, 1998
Tito – 1990, 2000
Ivan da Wanda – 2000, 2002
Prof. Newtão – 2004, 2005
Sidney Sã – 2004, 2005
Claudinho do Orvalho – 1992, 2000
Pinguim – 2008, 2011

1 vez

Severo Gomes – 1951
Geraldo Babão – 1960
Simplício – 1966
Zé Branco – 1966
Paulinho da Vila – 1974
Dida – 1977
Garganta de Ferro – 1978
Boanezio – 1978
Augusto Messias – 1978
Lino Roberto – 1981
J Albertinho – 1982
Azo – 1987
Ovídio Bessa – 1987
Serginho Tonelada – 1989
Fernando Partideiro – 1989
Zé Antonio – 1989
Anninha Guedes – 1990
Antonio Grande – 1990
Adil – 1991
Celsinho – 1991
Jorge Secretário – 1991
Sidney Sã – 1992
Miro Jr – 1992
Carlinhos da Vila – 1992
Arturzinho Só – 1992
Cafu Ouro Preto – 1996
Sergio Freitas – 1998
Mascote – 1998
Miguel Bedê – 2001
Jejê do Caminho – 2001
Haroldo Filho – 2001
Leno Dias – 2002
Si – 2002
Jorge Tropical – 2003
Carlinho do Peixe – 2006
Dedé – 2008
Dinny – 2008
Eduardo Miro – 2008
Tunico da Vila – 2013
Machadinho – 2015
Paulinho Valença – 2015
Henrique Hoffman – 2015
Martnalia – 2016