Antonio Pedro prefere analisar melhor caso de desnivelamento do Sambódromo

Durante entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira, no Centro de Operações da Prefeitura, na Cidade Nova, o secretário de turismo da cidade do Rio de Janeiro, Antonio Pedro Figueira de Mello, afirmou que ainda não sabe se atenderá o pedido de nivelamento de um trecho da pista do Sambódromo, feito pelo carnavalesco Paulo Barros. O presidente da Riotur preferiu adotar a cautela, mas disse que irá analisar, em conjunto com pessoas capacitadas para isso, se de fato há desnivelamento em frente ao setor 2.

De acordo com matéria publicada no Jornal O Globo, a Unidos da Tijuca teria tomado conhecimento do desnivelamento e, através de seu carnavalesco, Paulo Barros, pediu uma reunião com Antonio Pedro. O secretário confirmou a reunião e revelou que foi informado de um desnivelamento de 45 centímetros em frente ao setor 2, erguido recentemente.
 
– O piso da Sapucaí teve somente um recapeamento asfáltico. Se existe algum desnível, esse desnível já existia antes. Nós não precisamos mexer em nenhuma tubulação embaixo da pista, então é óbvio que o recapeamento seguiu o padrão existente anteriormente. Estamos falando de um carnavalesco, não de vários. Ele terá um carro com água. O Paulo é um gênio. No ano passado ele já havia feito isso e este ano virá com muito mais água. Não descarto ter que mexer. Tive uma reunião com ele ontem, mas não sei se o problema é da pista ou do carro dele, que é muito grande. Ás vezes, se tem vontade de fazer coisas cada vez maiores, faz parte da função dele e está dentro da nossa função proporcionar o máximo de estrutura possível, mas vamos olhar primeiro com as pessoas capacitadas para isso – esclareceu Antonio Pedro, sem definir data para resolução da questão.

Outro problema que pode surgir no Carnaval 2012 é qual o caminho adotado pelas escolas para levarem suas alegorias para a Avenida. A Rua Camerino e a Avenida Venezuela, vias utilizadas pelas escolas para tal finalidade, encontram-se em obras do Projeto Porto Maravilha. Antonio Pedro disse que a responsabilidade pelo roteiro é das escolas e das entidades.
 
– A Liesa e todas as escolas de samba estão cientes de todas as ruas que estão fechadas. Tenho certeza que eles olharam e vão nos passar o melhor caminho – resumiu ele.

Durante a coletiva, além de apresentar todo o projeto operacional do pré-carnaval e do carnaval de rua em 2012, o secretário de turismo apresentou uma novidade no monitoramento da cidade por parte dos órgãos públicos. Trata-se de um dirigível equipado com câmera e guiado por controle remoto.
 
– É um dirigível de gás hélio. Então não há qualquer risco de explosão. Mesmo que perca o contato com o controle remoto, ele desce devagar, não oferece risco para as pessoas. Ele flutuará e pegará imagens de cima. Nos ajudará muito no trânsito, nos blocos e com os mijões. Ele deverá ser usado nos dez principais blocos da cidade.

A estimativa é que entre três e quatro milhões de turistas visitem o Rio de Janeiro durante o carnaval. A arrecadação esperada é de dois bilhões de dólares, de acordo com Antonio Pedro, que mais uma vez aproveitou para exaltar o sucesso do carnaval de rua carioca. Como fato negativo, o secretário apontou a persistente falta de educação de alguns foliões. Para se ter ideia, no ano passado, cerca de 30% dos banheiros químicos foram depredados. Para 2012, serão 15.000 banheiros e a fiscalização promete ser ainda maior.

Para facilitar o acessos dos foliões aos banheiros, foram criadas ilhas nos trajetos dos blocos. Nessas ilhas, vários banheiros estarão sinalizados e a entrada nas ilhas será organizada pelos agentes da Secretaria de Ordem Pública. Ao todo serão 576 blocos espalhados pela cidade do Rio de Janeiro. O primeiro grande desfile acontece no próximo sábado, quando a Banda de Ipanema desfila a partir das 14h.

Também participaram da coletiva representantes de diversos órgãos e secretarias responsáveis pela organização do carnaval de rua. Entre eles, a polícia militar e a guarda municipal. O secretário de turismo respondeu sobre a possível greve dos agentes de segurança pública, que deve ocorrer no dia 10 de fevereiro, data do primeiro desfile do Cordão da Bola Preta.
 
– Naturalmente impacta. Espero que as forças de segurança tenham a sensibilidade da percepção do evento que é o carnaval. O serviço de segurança pública não é um serviço que permita greves a qualquer momento. É um momento em que precisamos de todos os agentes. Óbvio que todas as questões dos policiais e bombeiros precisam ser revistas, mas o carnaval é o maior evento do nosso calendário.