Apesar do Carandiru, Renascer busca se destacar no Grupo Especial

Pela primeira vez no Grupo Especial, a Renascer de Jacarepaguá continua trabalhando a todo vapor para colocar o carnaval 2012 na rua. Ainda instalada no Carandiru (local onde ficam os barracões de várias escolas dos grupos de acessos), a agremiação não tem outro pensamento a não ser mostrar força e união, apesar das precárias condições do lugar.

Desde o carnaval de 2005 como presidente da escola, Antônio Carlos Salomão contou sobre esse momento que a escola está passando para a construção do carnaval e outros assuntos:
 
– Fazer o carnaval aqui no Carandiru está sendo muito fácil, até porque já faço há pelo menos nove anos (risos), porém estamos encontrando dificuldades. O que precisei fazer foi expandir meu espaço aqui dentro. Não tenho nem como comparar à Cidade do Samba porque ainda não pude ir para lá. Claro que, estruturalmente, a Cidade do Samba é muito melhor. Estamos trabalhando aqui com muita tranquilidade.

Quem também falou sobre o assunto foi Édson Pereira, carnavalesco da agremiação da Zona Oeste. Ele foi um pouco mais incisivo que o dirigente.
 
– A diferença é muito grotesca! Aqui nós não temos proporção do tamanho das alegorias, como acontece na Cidade do Samba. Esse é um dos problemas. Fora o problema de locomover as alegorias daqui para a Marquês de Sapucaí. A dimensão dos carros não pode ser a mesma daqueles que são construídos na Cidade do Samba. Já começamos perdendo por aí. A plástica fica muito prejudicada. Aqui no Carandiru não temos segurança, saneamento, nada que favoreça fazer um carnaval de nível Marquês de Sapucaí.

A previsão oficial de entrega do barracão da Renascer de Jacarepaguá na Cidade do Samba, é de 90 dias, contados a partir da data de início da obra de reconstrução do galpão. O tempo talvez não seja suficiente para que a escola de Jacarepaguá possa entrar na competição em igualdade de condições com as outras agremiações, mas Salomão confia numa solução.
 
– O diretor de carnaval da Liesa (Elmo José dos Santos) já veio aqui nos visitar e me tranquilizou, falando que vão entregar o barracão esse ano ainda. Agora tem que lembrar que vou perder um tempo para me instalar e adequar tudo. Ele disse para começar o carnaval aqui e terminar lá. Eu tô levando muita fé nisso, estou acreditando, até porque ninguém quer remar contra a maré. A própria Liesa quer um carnaval bonito sempre, e estou tentando colaborar com isso também – afirmou.

Édson Pereira fez questão de lembrar que, apesar dos percalços iniciais, a Renascer de Jacarepaguá não se sente no papel de ''coitadinha'', muito pelo contrário. O carnavalesco sabe dos problemas naturais do maior espetáculo da Terra, mas quer um olhar diferenciado para resolvê-los.
 
– O Carnaval é feito da superação desses obstáculos. A história do carnaval nos mostra isso. Escolas pegam fogo, têm problemas com a chuva, com alegorias que não funcionam. Parece que não, mas um simples acidente acaba com o trabalho de um ano inteiro. Aqui nós não temos Brigada de Incêndio. Estamos abertos a qualquer um que queira entrar e causar algum problema à escola. É preciso olhar de outra maneira para a falta de estrutura que a Renascer tem hoje no Carandiru – finalizou.

Com enredo sobre o artista plástico Romero Britto, a Renascer de Jacarepaguá será a primeira escola a entrar na Avenida no domingo de carnaval.