Após tentar fusão, Inocentes de Belford Roxo escolhe samba de Cláudio Russo

As vitórias são tantas que nem ele próprio sabe dizer ao certo quantas conquistou ao longo de sua carreira, mas números à parte, Cláudio Russo venceu mais uma disputa de samba-enredo para o Carnaval 2012, a terceira desta temporada (Beija-Flor, Renascer e Inocentes). Ao lado dele, desta vez, Zé Glória, Fábio Costa, André Felix, Diego Tavares, Ellen Cristina e Rodrigo Leal assinam a obra que a Inocentes de Belford Roxo levará para a Avenida em 2012, é a segunda vitória de Cláudio Russo na Tricolor (ganhou em 2008). O resultado só saiu às 5h20 e o presidente Reginaldo Gomes admitiu que a hipótese de uma fusão foi cogitada.

* Clique aqui para ouvir o samba da Inocentes de Belford Roxo

– Pensamos sim em uma fusão. Dois sambas se destacaram e eu até chamei o carro de som da escola para resolvermos juntos, mas era inviável essa fusão, impossível. Então, democraticamente, escolhemos o nosso samba. Ele agradou a todas as pessoas que votaram e acredito que seja o melhor para a escola. Estou tranquilo. A Inocentes tem um grande samba para buscar o título em 2012 – afirmou Reginaldo, que brincou ao dizer que pela primeira vez não bebeu sequer uma gota de cerveja durante a final, e que por isso a escolha foi mais difícil.

Logo depois do término das apresentações dos quatro finalistas da noite já era possível prever a vitória da parceria campeã, vide a superioridade do samba perante os demais concorrentes. Cláudio Russo falou sobre a vitória.

– Acho que o refrão principal agradou demais a escola. Esse samba tem uma característica bem interessante, uma melodia envolvente, bem trabalhada, isso foi determinante. Estou muito feliz com a minha segunda vitória na escola, já venci muitas vezes, mas bem menos do que as pessoas costumam dizer por aí. Me apontam como responsável por vários sambas que eu não fiz não.

Já Zé Glória, oriundo da Mocidade Independente de Padre Miguel, onde já venceu duas vezes, revelou ter se apaixonado pela escola da cidade do amor.

– É a primeira vez que concorro aqui e espero ficar por muito tempo. Fui convidado por essa parceria maravilhosa e vencemos. Essa vitória apaga a frustração que eu tive na Mocidade, ao ver o meu samba ser cortado prematuramente. O meu coração é Verde e Branco, mas agora tem um pedaço Vermelho, Azul e Branco. Viva a Inocentes! Rumo ao título em 2012.

O carnavalesco Wagner Gonçalves, que será o responsável por desenvolver o enredo sobre a cidade de Corumbá, aprovou a escolha e mostrou toda a sua empolgação após a escola: era um dos mais animados no palco. Ele falou sobre o andamento do barracão da Inocentes.

– O barracão ainda tem muita coisa para fazer. Avaliando o processo da Inocentes, eles estão achando que tudo está no andamento correto, mas pra mim está um pouco atrasado. Até porque estamos aumentando o volume de carnaval da escola. Imagino que em uma semana terminaremos toda a projeção do carnaval, mas o trabalho será intenso até o dia do desfile.

Muito elogiado por Reginaldo Gomes durante o anúncio oficial, o jovem Thiago Britto, intérprete da escola, terá a missão de conduzir o belo samba escolhido pela agremiação de Belford Roxo. Ele revelou que algumas mudanças serão feitas na melodia e garantiu estar completamente adaptado, antes mesmo de sua estreia oficial.

– A letra e a melodia desse samba foram primordiais para a vitória. Era o samba mais completo e quem diz isso é alguém que entende mais do enredo do que eu, o Wagner. Vamos fazer alguns pequenos ajustes na melodia. Tinham grandes sambas, mas a diretoria optou por esse e vamos em busca do título. Não quero ficar só um ano aqui não. Pretendo fazer um trabalho a longo prazo e ser a voz da escola.

E quem pensa que após a escolha de samba a Inocentes vai dar relaxada está muito enganado. A escola precisa gravar a base de sua gravação do CD oficial no próximo domingo, na quadra do Salgueiro, e já ensaiará na manhã do domingo. Pelo menos é o que garante o diretor de carnaval Marcelo Varanda.

– Não tem trégua, além dos ensaios para a gravação da base e do coro, vamos emendar quarta e domingo ensaiando até o carnaval. Tudo isso para fazer o melhor desfile da história da escola. Queremos o Grupo Especial e vamos buscar isso. Era quatro gigantes nessa final e viemos para essa final com muitas dúvidas. A nossa audição de hoje foi determinante para a escolha.

A Noite

Mesmo com a quadra já tendo poucas pessoas na hora do anúncio, durante toda a noite o local recebeu um ótimo público, que pôde conferir um show de pagode, apresentação das passistas do Salgueiro, da própria Inocentes e da União da Ilha, além de conferir o intérprete Ito Melodia, bicampeão do Estandarte de Ouro, cantar clássicos da Tricolor Insulana. Pouco antes do início das apresentações, foi a vez do talentoso Thiago Britto pegar o microfone e interpretar alguns sambas antigos da Inocentes.

Quem também esteve presente para prestigiar a final da agremiação de Belford Roxo, foi o secretário de turismo de Corumbá, Rodolfo Vieira. Ele conversou com o site CARNAVALESCO sobre a homenagem que a cidade sulmatogrossense receberá.

– Ficamos muito emocionados e honrados com essa homenagem. Corumbá e Belford Roxo são unidas pelo samba. O samba é identidade cultural da nossa cidade e somos referência nesse assunto no Mato Grosso do Sul. Esse momento marca o início de um intercâmbio entre a Inocentes e o carnaval de Corumbá. A nossa relação começou através de uma ponte feita por um conhecido nosso que levou alguns intérpretes do Rio para o carnaval de lá. Ele levou a ideia até o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá, o Zezinho ( José Martinez ), e tocamos pra frente. É muito interessante pra nós ter a cidade no maior espetáculo da terra. Estamos viabilizando recursos para a escola sim. Não dá para deixar de apoiar a escola numa empreitada como essa. Estamos na fase de captação e ainda não posso te revelar números concretos – afirmou ele, que estava esperançoso com o samba de Corumbá na final da Inocentes.

Infelizmente a esperança do secretário não se transformou em chances de vitória para o compositor Pedro Castro, vencedor da etapa de Corumbá da disputa. Cantado pelo próprio Pedro, o samba apresentou erro de concordância nos dois primeiros versos do refrão do meio, além de letra pobre poeticamente e com poucas menções ao enredo da escola. A melodia, cansativa e sem soluções interessantes, foi outro ponto negativo. Destaque para a pequena, mas animada torcida, que viajou 28 horas de ônibus até o Rio de Janeiro e cantou forte a obra concorrente.

O segundo samba da noite a subir no palco foi o composto Jorge PQD, Celinha, Morena, Billy Conty, Kinho Gomes, Carlinhos do Cavaco e Ricardinho. Durante os 25 minutos que a obra esteve no palco, destacaram-se o refrão principal e a segunda parte do samba, que mostraram riqueza tanto em letra quanto em melodia. O restante do samba, porém, não acompanhou a qualidade das partes citadas. A torcida cantou bastante e os segmentos reagiram bem, impulsionados pela bela interpretação do palco. Um fato a lamentar foi o acidente ocorrido com um dos intérpretes do samba, que se feriu levemente ao despencar de cima do plataforma de continuação do palco. O local tinha uma armação de ferro por baixo e tábuas de madeira por cima. Com o excesso de gente pulando em cima do tablado, o mesmo não aguentou e o acidente acabou acontecendo. Após parar de cantar por alguns minutos, o intérprete se recuperou, após bater com a região das costelas no ferro de sustentação do palco. Apesar do ocorrido, a apresentação não foi prejudicada.

O terceiro a subir no palco foi o campeão da noite. Muito bem interpretado por Luizinho Andanças, Hugo Junior, Ronaldo Ylê e Braguinha, o samba mostrou a melodia característica dos sambas de Cláudio Russo, muito bem dividida e com nuances que valorizam os refrões. A letra, totalmente dentro do contexto do enredo, foi outro destaque. Durante a apresentação, destaque para os seis últimos versos da segunda samba, possibilitam uma preparação para o refrão principal. Apesar da pequena torcida, o samba foi crescendo ainda mais de rendimento durante a sua passagem pelo palco e, mesmo com a pouca reação dos segmentos, foi possível ouvir tímidos gritos de campeão ao término da apresentação. Vale ressaltar que, mais uma vez, pessoas se acidentaram no tablado de continuação do palco. Desta vez, porém, quem caiu acabou pagando pela insistência e imperícia, já que os diretores de harmonia presentes no palco pediram para que os integrantes do palco da parceria não transitassem pela área de risco.

Finalizando a noite, uma bela apresentação da parceria de Wander Timbalada, Mariano Araújo, Zé Carlos, Nívea Frutuoso e Sheila Fortes, que empolgou a quadra, ao levar a maior torcida da noite e colocar no palco alguns personagens da cultura corumbaense, como índios e sertanejos. Destaque para a interpretação aguerrida de Wander Timbalada também. Apesar da vontade mostrada pelos parceiros, a obra tinha algumas falhas, como repetição excessiva da palavra 'sou' no refrão principal e irregularidade na letra e na melodia, em algumas passagens havia poesia e desenhos melódicos interessantes, em outras nem tanto. Apesar disso, a letra adequava-se bem ao enredo. A bateria teve certa dificuldade para manter o andamento neste samba, devido ao longo tempo que os ritmistas tocaram durante a noite, já que a apresentação acabou por volta das 04h40.

Quarenta minutos depois do término das apresentações, Reginaldo Gomes, ao lado de sua diretoria e após alguns pedidos impacientes do público, anunciou a parceria campeã e a festa terminou com a bateria tocando na rua, em frente a quadra da Inocentes. A agremiação de Belford Roxo será a quarta a desfilar no sábado de carnaval com o enredo 'Corumbá – Ópera Tupi Guaikuru'.

Comente: qual é sua opinião?