Arranco brilha com a força da bateria, mas esquece a leitura do enredo

Com o enredo "Brotando a vida nasce a arte de dançar", o Arranco do Engenho de Dentro pisou no Sambódromo, na noite de terça-feira de carnaval, pelo Grupo de Acesso B e não parecia ser a escola favorita ao título. O desfile teve como ponto a bateria, que passou muito bem na pista, aliando ritmo, coreografia e paradinhas. Destaque também para o intérprete Nino do Milênio, que foi muito bem.

O ponto fraco ficou na leitura do enredo, que sobre a dança, apresentou soluções plásticas complicadas e carentes em um melhor acabamento. O abre-alas estava do jeito de um escola que aposta na vitória, mas os demais carros eram pequenos e sem um cuidado maior com o visual.

O canto da escola oscilou por diversos momentos. Em alguns momentos, os componentes vibravam e cantavam e em outros lugares da pista, eles passavam apenas andando.

Com uma fantasia bonita, o casal de mestre-sala e porta-bandeira passou bem por todos os módulos. A comissão de frente passou bem a ideia, mas o figurino usado era muito simples.

Falando da dança, o Arraco podia ter explorado outros pontos e usar uma leitura de fácil entendimento do seu enredo, pois o que foi apresentado poderia estar em qualquer outro enredo.