Assessor de Crivella diz que prefeito foi informado sobre a parceria com Índio da Costa em samba para Mangueira

A disputa de samba da Mangueira para o Carnaval 2018 começou com uma novidade entre os compositores. O secretário municipal de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, Índio da Costa, e o assessor de imprensa do prefeito Marcelo Crivella, o jornalista Daniel Pereira, estão juntos em uma parceria para o concurso que vai escolher a obra para o enredo “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”, do carnavalesco Leandro Vieira.

manga_parceria_danielEm entrevista ao site CARNAVALESCO, Daniel Pereira revelou que o prefeito do Rio de Janeiro foi informado da decisão dele e de Índio da Costa de disputarem o concurso.

– Eu falei com o prefeito, claro. Ele é uma pessoa que sempre defendeu a democracia. Sabe que nossa intenção não é criticá-lo, não é pessoalizar, nem direcionar nada. A crítica é muito além, a prefeitura é só uma parte do sistema. E mais, essa questão vem de outras gestões. A readequação da verba foi só o ponto de partida para o carnavalesco desenvolver a sinopse. É fundamental que o povo seja o protagonista dessa festa, essa é a mensagem. “Quem manda é o povo!”. Isso não é uma frase minha nem do carnavalesco, tá lá na Constituição Federal, quem disse foi Rousseau. Crivella entende isso, tanto que foi eleito democraticamente. Qualquer tentativa de associar as decisões do prefeito à religião que ele professa não passa de preconceito barato – afirmou.

indio_costaO assessor do prefeito Crivella contou ainda que fez o convite para Índio da Costa.

– Eu convidei o Índio da Costa. Trabalhamos juntos na prefeitura. O olho dele brilhou quando eu sugeri fazer o samba da Mangueira. Na mesma hora disse que seria uma honra, que é mangueirense. Sei que tem um monte de gente especulando bobagens, mas a verdade é que essa parceria se formou sozinha, espontaneamente… não dava pra ser diferente. Essa parceria surgiu como um bloco de Carnaval: por ocasião. Nosso time é a cara do enredo. Gente do Rio, de São Paulo, da Zona Sul, do Morro de Mangueira. Todo mundo com um único objetivo: brincar. Estamos na humildade, torcendo muito para que a escola abrace nosso samba, “nosso filhote”. A gente só quer fazer o mundo cantar e levar a vida à sorrir. A sensação é de que não fomos nós que escolhemos, mas sim os “deuses do Carnaval”.

Daniel Pereira frisa que a relação entre o jornalista e o apaixonado por carnaval estão bem separadas em sua vida.

– Sou jornalista e compositor, mas não misturo os trabalhos. O assessor de imprensa trabalha mais de 12 horas por dia todo dia, inclusive, fins de semana e feriados. A meta é ajudar o prefeito Marcelo Crivella a superar a grave crise financeira que estamos vivendo. A prefeitura está se esforçando muito para ajudar as escolas de samba. Sou testemunha disso. Mas a prioridade nesse momento é saúde e educação. Deixo claro que sou a favor da decisão do prefeito. Agora, a proposta da Mangueira é muito boa. Brincar com dinheiro ou sem dinheiro. Eu não podia deixar de aceitar um “convite” como esse. Sou um cara de carnaval de rua, já venci mais de 30 disputas, sou o atual campeão do Concurso Nacional de Marchinhas… esse enredo é simplesmente sensacional. Era a chance de levar essa pegada do que fiz “na rua” para dentro da Sapucaí – disse o jornalista

daniel_wanderPerguntado sobre sua parte preferida no samba, ele diz que a parceria pensou em referências sutis de mangueirenses.

– Eu gosto do samba todo. Tem um pouco de Cartola ali (levando a vida à sorrir); de Chico Buarque (A lei é ser feliz); de Beth Carvalho (com a chamada do Cacique de Ramos); de Tom Jobim (na melodia no grito de Mangueira. É a mesma intenção do que ele fez em Piano na Mangueira). Não existe nada solto nessa letra, foi tudo pensado no detalhe. Mas a parte mais alta é o refrão… é muito linda essa alegoria do “descendo o morro eu vou… de verde e rosa… com dinheiro ou sem dinheiro eu vou brincar”. Conseguimos colocar o tema do enredo no refrão, com citação das cores da escola. E a melodia parece passear, te faz descer o morro junto com o eu-lírico da canção – comentou.