Batalha de Passinho será atração no desfile da Beija-Flor de Nilópolis

Por Matheus Emanuel

O Brasil é um país que possui uma vasta cultura popular. A interação da arte com o povo é justamente o que faz com que o país seja tão rico em termos de manifestações populares. O samba e o funk se encaixam perfeitamente neste perfil, são duas vertentes da nossa cultura popular, oriundas da classe mais humilde do país, e que possuem o poder de unir qualquer perfil de pessoa em prol da cultura e do entretenimento.

passinho_beijaflorA Beija-Flor reunirá essas duas culturas de massa no seu desfile oficial do Carnaval de 2018. A escola de Nilópolis vai promover uma verdadeira batalha de dança no alto do seu segundo carro alegórico. O encontro contará com a presença dos representantes do funk e dos já tradicionais passistas do samba. Cássio Dias, primeiro passista da Azul e Branca nilopolitana, contou ao site CARNAVALESCO como ocorreu esse convite para participar deste ato inovador.

– O convite veio através do patrono e conselheiro da Beija-Flor de Nilópolis, Gabriel David, do autor do nosso enredo e coreógrafo da comissão de frente, Marcelo Missalidis, e do nosso vice presidente, Almir Reis. Para que eu e a Charlene Costa viéssemos representando o autêntico samba da nossa comunidade nilopolitana. Já estamos ensaiando desde dezembro para que tudo fique perfeito na hora do desfile – comentou.

Cássio disse que já dançou passinho em uma oportunidade e também ressaltou a importância do funk para a manutenção das tradições do povo brasileiro e afirmou que a escola quer passar uma mensagem sobre a importância destes movimentos populares para a cultura nacional.

– Já dancei o passinho em um espetáculo coreografado pelo Renato Vieira, hoje coreógrafo da comissão frente da Unidos da Tijuca. O passinho é uma vertente do funk. Ritmo popular, oriundo de comunidade, fruto da vivência popular ambos vindos da raça negra. Assim como o samba. O passinho e o funk devem ser perpetuados e caracterizados como símbolo cultural de um povo. Do povo, brasileiro! E é essa mensagem que iremos retratar – disse.

Além da presença marcante dos passistas de Nilópolis. A batalha contará com a presença do Dream Team do Passinho e da atriz Isabela Santoni, que interpretará uma funkeira no desfile. Cássio também explicou que além de serem culturas populares, o funk e o samba tem diversas semelhanças no que diz respeito a dança.

– O Dream Team do Passinho composto por Diogo Breguete, Pablinho, Hiltinho e Rafael Mike também ganhará a companhia da  atriz Isabella Santoni. Que representará uma funkeira na nossa apresentação. Existem mais semelhanças do que diferenças, como já falei ambos são oriundos de comunidade, são feito em cima da batida: seja manual ou eletrônica e ambos vêm da raça negra. Tentaremos fazer algo jamais visto! Uma batalha entre os dois ritmos mais populares da nossa cultura – concluiu.

A Beija-Flor de Nilópolis encerrará os desfiles de segunda na Marquês de Sapucaí, com o enredo ‘Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu’, desenvolvido pela comissão de carnaval.