Bate-Papo com casal de mestre-sala e porta-bandeira da Beija-Flor, Claudinho e Selminha Sorriso

 

 

Eles são o casal que está a mais tempo na mesma agremiação. No carnaval 2014, Claudinho e Selminha Sorriso completam vinte e dois anos como defensores das cores azul e branca da Beija-Flor de Nilópolis. Sempre com um sorriso no rosto, um dos mais premiados e importantes casais do carnaval carioca, conversou com o site CARNAVALESCO para falar o que mudou nesses anos de Avenida e como anda a preparação da experiente dupla para mais um desfile defendendo o pavilhão da supercampeã do Sambódromo.

Qual é a importância de ensaiar no Sambódromo?

Selminha Sorriso: O ensaio técnico é a preparação para o grande desfile do dia oficial. Só não tem a fantasia, mas tem a mesma garra, o mesmo amor, a mesma responsabilidade, o mesmo empenho e principalmente o mesmo respeito ao publico que esta aqui. Temos que fazer para o público de hoje, o mesmo que faremos para aqueles que pagarem ingresso.

Como está o ritmo de ensaios durante a semana?

Claudinho: Ensaiamos, desde o início de maio, para colocar em prática esse desafio de integrar o casal de mestre-sala e porta-bandeira com a comissão de frente. Estamos treinando quatro vezes por semana aqui no Sambódromo e na Cidade do Samba. A rotina anda intensa por causa dessa mistura com a comissão de frente, mas tenho certeza que dará tudo certo.

Desfilar atrás da comissão de frente ou na frente da bateria?

Selminha Sorriso: Já tive momentos de desfile nas duas posições e digo, sem medo de errar, que é bem melhor desfilar na frente da escola. Desfilei na frente da bateria até o início dos anos 2000 e quando o Laíla disse que iríamos para frente da escola pensei que não teria a mesma emoção. Até 2010, fazíamos os três primeiros módulos na frente da escola, depois esperávamos no recuo para fazer o último módulo à frente da bateria. Como foi um ano que a Beija-Flor precisou acelerar o fim do desfile preferimos, em 2011, fazer todas as apresentações logo atrás da comissão de frente. Foi muito mais tranquilo. A gente pode esquecer o relógio e se preocupar só com a nossa dança.

O que é mais importante no quesito: a dança, a bandeira no alto ou a forma de cortejar do mestre-sala?

Claudinho: O mais difícil para nós, nos dias de hoje, é o condicionamento físico para manter o alto nível ao longo de todo o desfile. Estamos nos preparando, mas é difícil demais. Afinal, não somos mais jovens garotos e o condicionamento é fundamental em nosso trabalho. Com o corpo em dia, conseguimos executar bem nossa missão.

Selminha Sorriso: O mais importante é levar seu trabalho a serio. É ter compromisso com a escola, com o samba, com a comunidade, com o carnaval, com o publico e com a arte. A gente supera tudo quando se tem amor e gratidão pelo que se faz. Então, eu entro com amor, garra e vontade vencer sempre, não tenho medo. Sou muito grata ao que o carnaval faz por mim e pelo meu filho. Por isso me dedico muito naquilo que faço.

Comente: