Beija-Flor canta forte na abertura dos ensaios técnicos no Sambódromo

Pode fazer sol ou chuva que uma coisa não muda na Beija-Flor de Nilópolis: seus componentes vão cantar forte o samba-enredo como verdadeiros leões. Neste domingo, na abertura dos ensaios técnicos no Sambódromo para o Carnaval 2012, o canto foi o ponto principal do treino da azul e branco da Baixada. Na frente da escola veio uma faixa em homenagem ao carnavalesco Joãosinho Trinta, que morreu no ano passado. "Joãosinho Trinta – A família Beija-Flor se orgulha de ter feito parte de sua história", era o que estava escrito.

 

* Clique aqui e veja fotos do ensaio da Beija-Flor


Mesmo debaixo de chuva, que em alguns momentos foi forte, vinte mil pessoas estiveram presentes nas arquibancadas antigas da Marquês de Sapucaí, já que o lado novo ainda está em obras. Em ritmo lento, a obra não parou nem para o ensaio técnico. Já é possível ver os novos setores das arquibancadas, se emocionar e sonhar com a inauguração no dia 12 de fevereiro, quando será o teste de som e luz.

 

* Clique aqui e ouça o samba e a bateria ao vivo do ensaio técnico no Sambódromo

 

Antes de começar oficialmente o ensaio, o cantor Neguinho da Beija-Flor esquentou a escola e o público com os sambas de 2009, que é do enredo "No chuveiro da alegria, quem banha o corpo lava a alma na folia", e a obra que homenageia o patrono Anísio Abraão David. Faltou algum samba que lembrasse os carnavais feitos por Joãosinho Trinta. Laíla, diretor de carnaval, aproveitou para fazer um discurso duro e cheio de gana. – A Beija-Flor é o rolo compressor do carnaval – disse Laíla, que ainda atacou jurados que participam das pesquisas de samba na imprensa.

 

Comissão de frente apenas passa pela Avenida

 

O ponto fraco foi a ausência de alguma atração por parte da comissão de frente. O grupo comandado pelo coreógrafo Fábio de Mello, que estreia na escola, estava presente, mas não realizou nada para brindar o público presente. Eles simplesmente passaram pela Avenida. Em entrevista ao CARNAVALESCO, Fábio de Mello explicou os motivos de não ter feito nenhuma apresentação no Sambódromo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

– As pessoas hoje em dia fazem interpretações que eu discordo. O público precisa entender que estamos num espetáculo competitivo, então não posso parar alguns dias para ensaiar uma outra coreografia, a do desfile já é bem complicada e precisa de treinos. Infelizmente não tenho tempo e nem as pessoas da comissão, porque elas trabalham e ensaiam a noite. Para fazer uma coreografia, onde o público vai olhar e se sentir enganado, eu iria me sentir hipócrita. O público é inteligente. Eu pedi para todos virem devidamente uniformizados e disciplinados. Estamos há duas horas lá dentro da Avenida ensaiando, isso sim para nós é o ensaio técnico. Vamos vir com a escola representando o que nos cabe, a frente da escola. Fazer uma coreografia pobre eu não faço – afirmou o coreógrafo.

 

Componentes ainda erram trechos da letra do samba

 

Apesar do excelente canto dos nilopolitanos, a Beija-Flor ainda precisa acertar detalhes. Durante boa parte do ensaio foi possível ouvir integrantes cantando errado trechos do samba. Os erros aconteciam na segunda parte do samba. Em um verso o certo é "Ê rainha o bumbá meu boi vem de lá" e os componentes cantavam "Ê Bahia o bumbá meu boi vem de lá". No outro verso "Na Terra da Encantaria a arte do gênio João", os componentes diziam "Na Terra da Infantaria a arte do gênio João". São poucos erros, mas que ainda podem ser corrigidos até o carnaval. O samba-enredo, que é criticado pela junção feita entre as parcerias e a qualidade não ter atingido o nível de excelência da Beija-Flor, funcionou muito bem na voz de Neguinho da Beija-Flor, que sustentou a obra durante todo o ensaio.

 

Um dos fatos importantes do ensaio foi a escola ter optado por usar o evento para testar realmente o canto. Em quase todas alas, os diretores de harmonia orientavam os componentes, pediam para cantar mais (se isso ainda fosse possível) e acertavam detalhes que podem decidir um campeonato. A Beija-Flor soube usar o seu ensaio técnico como um grande ensaio e ainda terá o teste de som e luz, no dia 12 de fevereiro, para voltar e mostrar que corrigiu os problemas e está pronta para o desfile.

 

Neste domingo, a evolução ficou embolada em algumas alas e a ausência das alas coreografadas, que vão estar no desfile oficial, deixou o ensaio sem o brilho tradicional da Deusa da Passarela. A ala à frente da Velha Guarda estava um pouco confusa, algumas componentes da fileira próxima às frisas estavam discutindo sobre o enfileiramento. Uma diretora de harmonia se intrometeu e deu bronca em uma das meninas. A escola também poderia dividir suas alas nos ensaios com camisas de cores diferentes. As tradicionais "palminhas" usadas para chamar o público nas arquibancadas foram usadas no início do ensaio, mas acabaram vetadas cinco minutos depois, quando os diretores de harmonia pediam para ninguém usar a "estratégia das palminhas".

 

Bateria segura e com paradinhas

 

Durante o ensaio técnico, a bateria da Beija-Flor, mesmo debaixo de chuva, sustentou o ritmo. Pelo metrônomo, a marcação foi de 144 BPM (batidas por minuto). Na primeira fileira, mestre Rodney levou grandes pandeiros. Sem medo de arriscar, os ritmistas fizeram paradinhas e coreografias. – Pelo nosso ritmo, vamos ter sim. Na parte nagô, o pessoal dá um giro. Bem tranquilo, nada de exorbitante. Isso é um trabalho em conjunto da comissão de carnaval e o Laíla, mas eu acho que vai rolar também no desfile oficial, porque a bateria está bem ensaiada. O Laíla quis ver tudo funcionando hoje. Não temos um número específico de paradinhas, falamos que não temos o costume de quebrar o andamento da escola e a melodia do samba – explicou mestre Rodney, que revelou a presença de 280 ritmistas no ensaio e instrumentos originais e tradicionais do Maranhão.

Vídeo da bateria da Beija-Flor no segundo recuo

Claudinho e Selminha Sorriso fazem coreografia


O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Claudinho e Selminha Sorriso, como é costume, veio na frente da escola. Os dois não se preocuparam, em nenhum momento com o chão molhado, e dançaram sem parar. Seguros do trabalho, eles ainda arriscavam coreografia de acordo com trechos do samba-enredo. – A expectativa é a melhor possível. A Beija-Flor é uma escola que se prepara muito, que trabalha sempre para fazer um grande desfile. E o ensaio técnico, mesmo não sendo o desfile oficial, exige a mesma garra, a mesma dedicação, só não tem a fantasia completa. Mas tem o amor pela arte, o respeito pelo público e a gratidão de pisar neste solo mais uma vez – comentou Selminha. Claudinho falou sobre a chuva: – O ensaio com chuva pede um pouco mais de cautela. Com o piso molhado, a aderência do sapato muda completamente. Claro que não se compara à mistura da água com óleo, mas a gente procura tomar cuidado. A gente tem ensaiado bastante, além dos ensaios das quintas-feiras, ensaiamos às terças e quartas. A cada três horas de ensaio, a gente vai colocando os elementos da coreografia da melhor maneira possível para as coisas se encaixarem com o samba. Tudo isso com a intenção de chegar no dia do desfile e fazer uma excelente apresentação.

 

O próximo ensaio técnico da Beija-Flor no Sambódromo acontece no dia 12 de fevereiro, quando será o teste de som e luz da Avenida. O enredo da escola para 2012 é "São Luís – O Poema Encantado do Maranhão" e a agremiação é a sexta a desfilar no domingo de carnaval.

 

O que você achou do ensaio da Beija-Flor?