“Bico Doce” é incorporado ao carro de som da Mangueira para o Carnaval 2016

A Mangueira fechou esta semana com mais uma contratação para seu carro de som visando o carnaval de 2016, ano em que a escola homenageará Maria Bethânia: A Menina dos Olhos de Oyá.  Cremilson Silva, carinhosamente chamado de “Bico Doce”, estará ao lado de Ciganerey e Cia, sob o comando do experiente e conhecido arranjador e produtor musical Jorge Cardoso, novo responsável pela direção musical da Verde e Rosa.

Bico Doce, como é carinhosamente chamado, exatamente pela doçura de seu canto, já tem uma identidade com o samba vencedor na Mangueira. Ao lado de Ciganerey, ele defendeu a parceria de Alemão do Cavaco, Almyr, Cadu, Lacyr D Mangueira, Paulinho Bandolim e Renan Brandão. Com a morte do intérprete Luizito e oficialização de Ciganerey como seu sucessor, Bico Doce ficou responsável em defender a obra e levá-la ao título de campeã.

Conheça um pouco mais sobre Bico Doce e Jorge Cardoso:

Bico Doce

Cantor, instrumentista e compositor, Cremilson aprendeu cavaquinho na antiga Funabem, levado por seu pai, funcionário da instituição. Aos 16 anos começou a ganhar o seu sustento em rodas de samba da Baixada Fluminense (cidade e campo) seu lugar de origem, para depois integrar o grupo acompanhante do cantor Jorginho do Império; e destacar-se na escola de samba Leão de Nova Iguaçu.
A partir de 2000, ano em que venceu a disputa de sambas-enredo em São Paulo, nos Acadêmicos do Tatuapé, Cremilson passou a atuar como cantor e cavaquinhista em algumas das mais tradicionais rodas-de-samba do eixo Rio-São Paulo, como a do Traço de União, lá, e a Candongueiro, aqui. Quem já viu e ouviu o “Bico Doce”, como o sambista que assina este texto, sabe que já não falta mais uma bela e máscula voz – ecoando raízes rurais sem deixar de ser urbana e moderna – no samba brasileiro. E tem certeza de que um novo “elo perdido” já está revelado: Cremilson Silva, o “Bico Doce”. (NEI LOPES)
Bico Doce fez parte do carro de som da Portela em 2015.

Jorge Cardoso

Um dos mais conhecidos produtores no mundo do pagode e do samba, foi produtor de artistas como Mestre Marçal, Alcione, João Nogueira, e dos grupos Só Pra Contrariar, Negritude Jr., Raça Negra, Molejo, Os Morenos, Sem Compromisso, entre outros. Foi responsável por um dos maiores sucessos do grupo Só Pra Contrariar ao indicar a música "Interfone" a Alexandre Pires. Foi responsável também por um dos grandes sucessos do Negritude Jr., ao indicar a música "Olhos vermelhos" ao vocalista Netinho. Como assistente de produção fez dois discos de Beth Carvalho e trabalhou com grupos brasileiros nos Estados Unidos.  (DICIONÁRIO CRAVO ALBIN)
Jorge também foi recentemente diretor musical na Viradouro e União da Ilha.