CARNAVALESCO e as rainhas de bateria: Juliana Alves, da Unidos da Tijuca

 

 

Juliana Alves, rainha de bateria da Unidos da Tijuca, conversou com a equipe do site CARNAVALESCO. Confira o papo.

CARNAVALESCO – O que representa ser rainha de bateria?
Juliana Alves: Representa ser mais uma representante da Tijuca, fazer parte dessa comunidade e ser uma pessoa que tenta fazer jus a esse posto, com muita dedicação, carinho e samba no pé. É um compromisso muito grande ser uma Tijucana autêntica. E eu como Tijucana me sinto muito a vontade e estou fazendo de tudo para poder corresponder o carinho que eu recebi, desde que eu voltei à Tijuca.

CARNAVALESCO – O que é mais importante sambar, sorrir ou ter o corpo bonito?
Juliana Alves: Sambar. Mas o conjunto faz muita diferença. Além do samba no pé, a performance a frente da bateria tem que ser a altura desse som tão poderoso que reverbera pelo nosso corpo e merece ter uma apresentação de sua rainha, espetacular. É por isso que eu frequento os ensaios pra ir melhorando a minha performance. Eu acho que a rainha de bateria hoje em dia de certa forma acaba se tornando uma porta voz da escola e é a pessoa que tem que respeitar todo trabalho feito pelos integrantes da escola. Ela não é a grande estrela da escola, a escola é a grande estrela.

CARNAVALESCO – Em um desfile, o que mais fascina nela: o samba, a bateria, os carros alegóricos, o casal ou comissão de frente?
Juliana Alves: Eu sou apaixonada pelo casal de mestre-sala e porta-bandeira. Na Unidos da Tijuca eu não poderia deixar de citar a comissão de frente, que é arrebatadora e o meu grande amigo e irmão, Marcelo Sandrini, que faz um trabalho junto com a Roberta, nas alegorias humanas da escola. Eu me sinto muito privilegiada em estar em uma escola que é uma das grandes sensações do carnaval.

CARNAVALESCO – A rainha perfeita deve ser toda trabalha em academia, ter silicone ou a mais natural possível?
Juliana Alves: Eu sou a favor da diversidade. Cada escola tem sua rainha e agente vive muitos ciclos. Eu gosto de ser mais natural, é como eu me sinto melhor. A minha preocupação maior é com a minha performance a frente da bateria. Acho que temos que ter humildade de saber que somos apenas mais uma na escola, porém com um holofote maior em cima da gente. Então temos que ter respeito com o todo.

CARNAVALESCO – O que muda na vida pessoal ser rainha de bateria? E na vida profissional após passar na Avenida o que você espera?
Juliana Alves: Hoje eu tenho a oportunidade de compartilhar com as pessoas que torcem por mim, a alegria de celebrar o samba. E eu como sambista tenho a oportunidade de celebrar isso e ter uma troca ainda maior. 

Comente: