Casal de mestre-sala e porta-bandeira quer fazer história na Inocentes de Belford Roxo

Apresentados no domingo como novo casal de mestre-sala e porta-bandeira da Inocentes de Belford Roxo, Peixinho e Jaçanã, terão a responsabilidade de conduzir o pavilhão da tricolor da Baixada.Para a porta-bandeira Jaçanã, que ficou por oito carnavais no Império da Tijuca, o rompimento foi mais difícil. 

– Estou vivendo um recomeço e isto está sendo ótimo. Logo após o anúncio do meu desligamento eu pensei: ‘acho que vou dar uma parada e não vou dançar em 2016’, mas fui surpreendida com uma ligação 15 minutos depois. Era o primeiro convite e o início de um namoro com a Inocentes, disse ela.

Para Peixinho, que já defendeu as cores da agremiação, o desafio agora é ajudar a escola levando os 40 pontos no quesito. – Estou muito ansioso porque volto à Inocentes em um momento em que a escola amadureceu, cresceu e se organizou. Prova disto é essa festa que está acontecendo hoje. Quadra lotada, uma superprodução para receber a equipe de 2016 e acho que chegamos no momento certo. Queremos fazer parte de uma história vitoriosa – disse o mestre-sala.

Com energias renovadas, Jaçanã confessa que a mudança de casa a fez sentir-se como uma estreante. – Estou sentindo como se estivesse recém-saído da escolinha do Manoel Dionísio indo me apresentar pela primeira vez. Ainda que eu tenha toda a experiência, que o Peixinho seja um parceiro fabuloso, estou trêmula, ansiosa e com as mãos geladas imaginando como será dançar para esta quadra pela primeira vez. Já deu tudo certo, agora é manter a rotina de sempre, com muitos ensaios, atividades físicas e preparação para defender o pavilhão da Inocentes com toda honra – comentou Jaçanã.

Sobre o tão falado “peso” do pavilhão, o casal foi enfático ao dizer como pretende conquistar a comunidade e os 40 pontos na Avenida. – Um trabalho feito com amor, carinho, dedicação tende sempre a render bons resultados. O pavilhão ganha força quando a escola trabalha em prol de um único objetivo e nós estamos conectados com isso. O pavilhão é uma escola inteira, e nós somos a Inocentes – finalizou a porta-bandeira.