Cirque du Soleil vive uma aventura circense no barracão da São Clemente

Uma grande festa tomou conta do barracão da São Clemente na manhã desta terça-feira. Bailarinos do Cirque du Soleil conheceram todo o barracão da agremiação e ainda foram presenteados com camisas e uma grande aula com as passistas da escola e um casal de dança de salão que fará parte do desfile.

O evento começou depois do horário devido ao trânsito que os integrantes do Cirque encontraram pela cidade. Quando entraram no barracão, o grupo de cerca de 50 pessoas ficou hipnotizado com a grandeza de tudo que viu. Alguns tentavam arriscar um “portunhol”, outros nem tentavam e sussurravam “My God, it's beautiful”. E olha que eles não terão a oportunidade de ver todo o espetáculo na Avenida devido ao grande volume de apresentações do espetáculo Varekai, que vai incluir os dias da folia de Momo em outra cidade brasileira.

O grupo ficou por 1h30 no barracão, viu as alegorias (uma em movimento), subu para o ateliê no quarto andar, e lá eles tiveram aula de samba e também uma explicação sobre o carnaval, dirigida pelo carnavalesco Milton Cunha.

Um dos mais impressionados com tudo que via era o músico da companhia circense. Luhann, que trabalha há três anos e meio no Cirque, conversou com o CARNAVALESCO e falou sobre suas impressões e lamentou não poder desfilar:

– Nunca desfilei. É a minha primeira vez no Rio de Janeiro. Eu adoro (o carnaval), é claro, é maravilhoso.  Como sou músico, gosto das divisões daqui. Adorei as fantasias, o clima, as cores e a energia, são muito legais! Cara, é inacreditável! Eu nunca tirei tantas fotos em uma hora. Tenho o sonho de desfilar no carnaval, mas é impossível agora pra mim e eu fico muito desapontado por isso (risos).

A relações-públicas da companhia, Cintia Clemente, também falou ao CARNAVALESCO sobre esse encontro com a escola de Botafogo:

– Foi devido a uma ligação da São Clemente para virmos aqui. Como companhia de entretenimento é muito importante vir para cá pela possibilidade de ver esse detalhe, esse figurino de vocês brasileiros e para os artistas sentirem a diferença do que eles fazem com o samba daqui.

Cíntia aproveitou para falar também sobre possíveis convites aos artistas circenses para desfilar:

– Todos querem, mas nunca foram convidados. Essa é a primeira experiência deles com o samba. Muitos deles, depois do show, foram sambar. Eles querem desfilar, mas durante o carnaval estaremos nos apresentando em Brasília, e não terão como vir para o Rio.

O carnavalesco da agremiação, Fábio Ricardo, conversou com o CARNAVALESCO e falou da inspiração que a visita trouxe e sobre a relação da escola com o Cirque:

– Hoje foi um primeiro momento, para a troca de informação e intercâmbio cultural, o que é muito importante, como já faziam os antigos para levar conhecimento. Como o carnaval está evoluindo, acho que é isso foi muito positivo para a São Clemente e para o crescimento da escola.

Ao ser questionado se a visita tem alguma relação com o que ele deseja levar para a Avenida, Fábio foi taxativo: – Surpresa, aguardem (risos).

 

 

Deixe seu comentário abaixo: