Colunista faz análise dos ensaios do fim de semana

Sapucaí, terra de contrastes

Oh terra de contraste infinito e inigualável! Esse final de semana se provou por mais do que nunca o quando a Marques de Sapucaí é uma terra onde os contrastes são constantes e gritantes. Tivemos 8 grandes escolas, e por incrível que pareça, 8 apresentações diferentes, cada uma com sua particularidade infinita.

Esse final de semana eu consegui me divertir, me decepcionar e me surpreender.

Incorporou outra vez?

A Vila por diversos fatores que não ajudaram, não manteve o mesmo nível do ensaio anterior. As arquibancadas ainda estavam se enchendo, componentes ainda entrando no clima da sexta-feira. Fez um ensaio digno, mas penso que inferior ao primeiro. Destaque sempre, para a beleza, simpatia e porte da Porta Bandeira Rute e do Mestre Sala Julinho. De 5 a 0, eu daria 4 estrelas à Vila nesse ensaio.

Superou?

Sim, bem diferente do ensaio anterior a Grande Rio me surpreendeu positivamente. Consertou as coisas que errou no último ensaio e deu uma melhorada significativa. O samba tem levantes interessantes e também melhorou o rendimento nesse ensaio. Destaque também para o primeiro casal que ensaiou com a roupa do ano passado.

Eu acho deveras importante os casais ensaiarem com as roupas que imitem o peso da roupa que vão usar. Chega na hora o peso aumenta e todo aquele bailado lindo feito com vestido de cetim fica comprometido.

Acreditar Romero Brito?

Sim, dá pra acreditar sim. Não assisti o primeiro ensaio, mas esse segundo foi bem legal. Salvo alguns pontos como o desenho coreográfico apresentado pela comissão de frente. Confuso demais, sem algo que impactasse, porém usaram fantasias  e adereços que também simulam o calor e o provável peso que elas podem conter no desfile. Interessante. Destaque pra bateria Explosiva. Mandou muito bem.

Teve Bububu no Bobobó?

Teve sim, bastante até. Animado pra cima, o ensaio da São Clemente foi pra mim o melhor da noite, porém muitas coisas à consertar. A comissão de frente muito interessante, com movimentos precisos, em certos momentos congelava e a arquibancada aplaudia ao voltar ao normal. Muito legal. Em certo momento de onde assisti o ensaio, a comissão de frente estava praticamente dentro do primeiro casal de MS e PB, quase em frente a cabine de jurados. A escola precisa se encontrar no quesito Harmonia. A primeira ala da escola alguns componentes faziam um passo simulando – quem sabe – uma valsa e outros componentes não faziam. Ficou meio confuso. Destaque para as alas finais que muito animadas não deixaram o rendimento cair.

Alimentaram seu povo apaixonado?

O ensaio da Porto, se comparado ao ensaio anterior podemos dizer que se manteve no mesmo nível. O canto mais fortalecido, porém ainda não está 100%, componentes mais animados e a comissão de frente – anotem aí, será o achado do carnaval – mais uma vez mostrando coreografia bem desenhada. Destaque para a bateria da Porto que deixou o nível do ensaio bem no alto. A escola só precisa melhorar o canto.

E o progresso chegou?

Chegou sim, no clima a Cubango fez as honras de abrir a grande noite de Domingo com um contingente bem significativo para o Grupo de Acesso. O canto precisa ser melhorado, mas a escola se mostrou valente e bem animada. A homenagem ao Lula ao final foi muito bem feita, já me valeu a noite!

Um adendo: Dos ensaios do grupo de Acesso, tirando Rocinha e Império – pois eu ensaiei – o melhor ensaio do Acesso foi o da Estácio de Sá, com destaque à Comissão de Frente do Junior Scapim.

Respeitem quem pode chegar onde eles chegaram

Não tem jeito, chegou Mangueira, tem povo, tem festa, tem alegria. Ô escola gostosa de ver. Foi longe de ser um dos melhores ensaios na Sapucaí, mas sem dúvida foi um ensaio que mais emocionou o publico que lotou as arquibancadas. Comissão de Frente e MS e PB com coreografias simples, que acredito eu não seja a oficial. Uma coisa que me incomodou foi o número de pessoas que não estavam ensaiando por todo o desfile. Destaque para a belíssima ala das baianas da Mangueira, muito charme, muito canto e empolgação. Isso é samba! Bacana o entrosamento entre os interpretes da escola na execução do ensaio.

E a Asa Branca? Vai encontrar o Pavão?

Bom, se a Asa Branca vai encontrar o Pavão no desfile eu não sei. Mas que a Tijuca encontrou a fórmula do bolo de fazer ensaios, isso ela encontrou. Melhorou ainda o que já foi ótimo no último ensaio. Componentes cantando e interpretando de forma emotiva o belíssimo samba. Podemos dizer que foi um ensaio quente. O maior destaque sem dúvidas foram os componentes. A comissão de frente apostou nos truques antigos de 2010 e 2011 para levantar a Sapucaí. Conseguiram.

Comente