Colunista Jorge Mendes analisa os ensaios técnicos do fim de semana

IMPÉRIO SERRANO
A escola abriu o ensaio de sexta-feira com propriedade, cantando o samba com vigor na maioria das alas. Comissão de frente apenas passou saudando a plateia, sem nada a apresentar. Faltou atenção da harmonia no instante da apresentação do casal de mestre-sala e porta-bandeira ao posicionar os guardiões do casal de forma que atrapalhou sua exibição; e também ao armar algumas alas que continham mais de 20 pessoas por fila, atrapalhando sua evolução, como na ala que vinha à frente das alas das crianças. O canto foi forte mesmo nas baianas e velhas-guardas.

UNIÃO DA ILHA
A comissão de frente da escola já apresentou desenhos, mesmo não sendo do desfile oficial. O casal de mestre-sala e porta-bandeira fez uma apresentação oficial, com um excesso de seriedade da porta-bandeira, sem emitir um sorriso frente à 1ª cabine do jurado. Infelizmente a escola foi prejudicada por um defeito do carro de som, que, talvez tenha causado uma certa incerteza de fazer ou não evolução/coreografia frente à 1ª cabine, ficando parada por um longo tempo. Mesmo não sendo um samba “explosão”, do 2º setor em diante os componentes cantaram com bastante vigor, principalmente a ala coreografada dos punks e com flores na cabeça.

PARAÍSO DO TUIUTI
Foi a 1ª agremiação da temporada de ensaios de 2012 a trazer elementos alegóricos, com busto de Clara Nunes no abre-alas e araras separando os setores. A ágil comissão de frente também apresentou vários desenhos coreográficos já do desfile oficial. O casal de mestre-sala e porta-bandeira apresentou-se muito bem com passos precisos. A maioria dos componentes cantou o samba, inclusive as baianas. Atenção necessária da harmonia para alas com mais de 20 componentes por fila, como a de camisa azul à frente da 2ª arara.

ROCINHA
Belas apresentações, tanto da comissão de frente de mendigos quanto do casal de mestre-sala e porta-bandeira. O canto da escola foi num crescente de força e alegria, principalmente do meio para o final do desfile, após o magnífico carro de som, não acompanhado pelas alas 2, 3 e 4 que não cantavam o samba, em contraste com a ala 7 e ala de passistas que deram show.

PORTELA
Comissão de frente e casal de mestre-sala e porta-bandeira brindaram o público fazendo uma roda de samba/capoeira e divertida coreografia, respectivamente. Ensaio majestoso e emocionante com canto potente permeando todo o desfile, tudo impulsionado pelo samba muito bem puxado por seu intérprete. Mais um show da bateria e das passistas mirins com roupas africanas.

Falha apenas no momento que a ala de camisa branca sai de trás e ultrapassa o carro de som e, de novo esse ano, a última ala das pipas, com adolescentes insistindo em não cantar o maravilhoso samba. O mais extraordinário do ensaio da Portela foi a energia e o clima de cumplicidade e alegria que pairava desde a concentração até a apoteose. Parabéns, Portela!

RENASCER
Tornou-se uma grata surpresa a alegria e o despojamento da forma em que a escola desfilou. Excetuando as primeiras alas do desfile, com canto tímido, todo o restante da escola fez um contagiante desfile, assim como o casal de mestre-sala e porta-bandeira e a magnífica ala de passistas que, mesmo coreografada, não parava de cantar o samba nem um só momento, no ritmo da excelente bateria. Uma pena a comissão de frente só fazer evolução após a 1ª cabine.

MOCIDADE
Não sei se no roteiro de desfile a posição de entrada da bateria é exatamente no local de onde ela saiu do 1º box. O fato é que essa entrada precoce acabou por deixar o terço final da escola sem ouvir seu ritmo, atravessando o samba. Uma pena, pois exatamente neste terço final os componentes cantavam com bastante energia o samba que, a meu ver, passou muito bem. Destaco também as alas Milenium e os Maiorais que deram tudo de si, como também o garbo com que o casal de mestre-sala e porta-bandeira se exibiu.

UNIDOS DA TIJUCA
Com esse ensaio que a Tijuca fez (e vem fazendo), tenho que me policiar ao máximo para não me tornar mais exigente com ela do que com as outras escolas. O fato é que me pego procurando, catando, ala e/ou componentes sem cantar ou sem compromisso com o ensaio… trabalho em vão. É inegável a força e o envolvimento com que cada componente se deixa imbuir com o samba-enredo e apresentar aquele ensaio. Cada segmento cumpriu seu papel, buscando um único objetivo: ensaio perfeito. Estou ciente de que trata-se apenas de um ensaio, e que, no desfile oficial, aumenta bastante o número de elementos determinantes; no entanto, proporcionalmente, diminui a possibilidade de erros com um ensaio desta categoria. Parabéns, Tijuca!
 

Comente: