Compositores da Portela emocionados com a vitória na enquete do CARNAVALESCO

Os dias não poderiam estar melhores para Wanderley Monteiro, Luiz Carlos Máximo, Toninho Nascimento e Naldo. Os compositores do samba-enredo da Portela para o Carnaval de 2012 não escondem o sorriso e agora toda emoção pela vitória na enquete do site CARNAVALESCO, que apontou a obra deles como a melhor do Grupo Especial.

– Hoje a internet ganhou uma importância muito grande dentro de uma disputa de samba-enredo. O que a gente ganhou de torcida depois das pessoas ouvirem o samba pela internet é impressionante. Antigamente havia um comentário no mundo do samba de que a opinião da internet não valia nada. Vale sim e acho que esse samba serviu para mostrar isso também. A internet está ocupando o espaço que as rádios deixaram. Hoje, quase não se tem programas de samba nas emissoras, mas todo mundo vai no CARNAVALESCO ouvir os sambas. Vocês tem um papel fundamental. As pessoas comentam quando acontece alguma novidade no samba: ‘Vi no CARNAVALESCO’ – disse o compositor Luis Carlos Máximo.

Para ele, o fator samba pode mudar a história atual do carnaval: – Acho que a grande vitória é ver o samba ser novamente protagonista no carnaval da Sapucaí. Há muito tempo as pessoas se lembram de um desfile pelas alegorias, pelo carnavalesco, as top models, os jogadores de futebol, as comissões de frente e o samba fica sempre em segundo plano. Sou de um tempo que quando saiam o disco das escolas de samba as pessoas já apontavam a campeã baseadas no samba que a escola tinha. Hoje se aponta uma escola favorita quando veem o barracão dela. O samba é a razão de ser de uma escola. A nossa grande vitória é essa: fazer do samba novamente o protagonista de um desfile.

Luis Carlos Máximo também aproveita para lembrar a importância de mudar o padrão das disputas de samba. – Quando fomos fazer o samba tínhamos convicção que deveríamos fazer algo diferente daquilo que se tem como padrão de samba-enredo atualmente. Acho que ele caiu no gosto popular pela própria qualidade e pela necessidade das pessoas que amam o carnaval. Pude acompanhar alguns seminários e isso era tema recorrente nas mesas de debate. As pessoas cansaram do estilo pasteurizado. Inventaram um manual de samba-enredo… Pode isso, não pode aquilo e os sambas ficaram iguais. Optamos por sair da mesmice. É um samba alegre, bonito e não é preso a ter que falar de determinado carro. Música é arte e arte é emoção. O samba-enredo precisa passar emoção, mas você também precisa se preocupar com o lado pragmático da coisa. E isso pode ser feito até na melodia. O nosso samba tem características do ritmo baiano na melodia. Não fizemos um samba para funcionar, mas sim para emocionar. Achávamos que metade das pessoas iam elogiar e outra metade ia criticar. Quando fui ver na internet aquela repercussão toda fui ter noção do que as pessoas estavam falando. Me surpreendeu principalmente pelo fato de os ouvidos das pessoas estarem acostumados a ouvir um padrão de samba-enredo. Quando você chega com uma coisa muito diferente, pode chocá-las, mas isso não aconteceu. Fiquei satisfeito.

O compositor portelense aproveitou para elogiar o carnavalesco da Portela, Paulo Menezes. – O Paulo Menezes foi fundamental, muitos carnavalescos prendem o compositor fazendo algumas exigências e, na nossa primeira reunião com ele, eu já perguntei sobre os setores. Ele até reclamou que nós sempre ficamos presos a isso. Aí, eu disse pra ele que já perdi samba na Portela por causa disso. Quando ele falou que gostaria que fossemos livres para compor foi uma felicidade grande.

Comente: