Compositores da Portela falam ao CARNAVALESCO sobre expectativa para final

A Portela define nesta sexta em sua quadra o samba-enredo que será o hino oficial da agremiação para o Carnaval 2016, quando apresenta o enredo, "No voo da águia, uma viagem sem fim", do carnavalesco Paulo Barros. Foram 39 parcerias inscritas no concurso, que teve duração de dois meses. Três parcerias brigam pelo sonhado título.

Os compositores que compõem o time desta final são de peso. O experiente Noca da Portela, do alto de seus 83 anos de idade, os talentosos Luiz Carlos Máximo e Toninho Nascimento e o estreante na Portela Samir Trindade, que se aliou a outro grande campeão na escola, Wanderlei Monteiro. Um duelo de galácticos. O site CARNAVALESCO ouviu as estrelas maiores desta final sobre a expectativa para o grande duelo final.

'Em time que está ganhando não se mexe. Meu samba é nota 40', dispara Noca da Portela

O compositor Noca da Portela, depois de um longo afastamento da escola, voltou a ser campeão no carnaval deste ano com um samba que virou coqueluche e arrematou a quadra inteira em uma final inesquecível. Sonhando com sua oitava vitória na Portela, Noca deixa a modéstia de lado ao explicar o porque seu samba merece a vitória. – Em time que está ganhando não se mexe. Nossa parceria garantiu os 40 pontos em samba-enredo. O verdadeiro portelense está com nosso samba. Quem ama a Portela não deixa de amar. Espero que o júri tenha a frieza necessária para dar a vitória a uma parceria formada por autênticos portelenses – explicou.

Noca enaltece a mescla que deu certo ano passado, misturando na parceria, juventude e experiência. – Cheguei na Portela e demorei dez anos para ganhar um samba. Era um jovem cheio de vontade de vencer, mas tive paciência de esperar o meu momento. Esses garotos que estão junto comigo foram derrotados oito vezes em finais até vencermos juntos ano passado. Eles são o futuro da Portela, os novos Noca, Monarco, Casquinha. Aliamos a minha experiência vencedora na escola com a garra e vontade deles. E mais uma vez deu certo – definiu Noca.

'É o maior samba da minha vida', declara Samir Trindade

O portelense Samir Trindade no início de sua trajetória chegou a participar de disputas na Portela. Sem sucesso, tinha suas obras cortadas na fita. Foi ganhar fama vencendo na Beija-Flor diversas vezes e este ano já foi vencedor na Cubango e Unidos de Padre Miguel. Um dos mais conceituados da atualidade, Samir não tem medo de apontar que este samba é o de maior qualidade que já fez. – Ganhando ou não posso afirmar que é o samba da minha vida. Essa melodia estava guardada em meu coração e foi usada na hora certa. Não tenho como definir o que é pra mim participar de uma disputa na minha escola, ainda mais chegar em uma final como essa. Eu não tinha dimensão que a Portela era tão monumental – derrete-se Samir.

Com um dos sambas mais ouvidos nesta temporada no site CARNAVALESCO, com 35 mil audições, Samir revelou à nossa equipe que seu samba possui lembranças subliminares de carnavais antigos da escola, adequadas ao enredo. – Buscamos construir a obra como se fosse a águia contando sua viagem. E lembrando de maneira sutil antigos desfiles. O trecho "voar nas asas da poesia" remete ao Carnaval de 1976, samba do Noca. "o mundo que Paulo criou", faz referência ao Contos de Areia, em 1984, o último título da Portela. "abram alas, vou me apresentar", lembra 1995, ano do vice-campeonato e  "no meu destino sem fim, cruzar o azul que é tudo pra mim", faz referência ao carnaval de 1981 – confidencia o compositor.

'A Portela deu ao Paulo Barros a melhor safra de sua trajetória', afirma Luiz Carlos Máximo

Engatando sua oitava final consecutiva na Portela, Luiz Carlos Máximo, mais uma vez tem um dos sambas mais elogiados da safra de 2016. O compositor, campeão em 2011, 2012, 2013 e 2014, revela como se dá o processo criativo. – Não seguimos um padrão, um modelo. Música não tem manual. Depende do enredo e da maneira que a melodia se encaixa. Criamos três refrões naquele samba de 2012, mas podemos fazer uma obra sem nenhum. Nós buscamos fazer uma construção artesanal, baseada em nossa verdade – revela.

Sempre com opiniões contundentes sobre samba-enredo, Luiz Carlos Máximo opina que a safra da Portela conferiu a Paulo Barros a melhor de seus enredos. – A ala da escola possui extrema qualidade. Com respeito às alas das demais escolas, mas as safras dos enredos dele não seguiam o padrão de qualidade oferecido pela Portela. Ele nos deixou bem à vontade nos encontros e construiu uma sinopse que não amarrou os compositores. Todos os compositores desta final estão de parabéns – confidencia.