Compositores da União da Ilha contam o que esperam para final de samba

O site CARNAVALESCO ouviu os compositores da União da Ilha sobre a final deste sábado, dia 10 de outubro. As parcerias revelaram suas expectativas para a noite, adiantaram alguns de seus preparativos para as apresentações e fizeram um balanço da disputa. Com o enredo 'Olímpico por natureza…Todo mundo se encontra no Rio', a União da Ilha recebeu 15 sambas concorrentes e terá quatro obras na grande final.

* OUÇA AQUI OS SAMBAS FINALISTAS

'Nossa samba tem a leveza típica da Ilha', diz Marquinhos do Banjo

Marquinhos do Banjo, da parceria com Cap. Barreto, Miguel, Roger Linhares, Paulo Guimarães, Dr. Robson, Jamiro Faria e Gugu das Cadongas, acredita que seu samba traduz a “leveza” da União da Ilha e está “bem calcada na proposta dos carnavalescos”. Ele destacou a força da “cabeça do samba” e do também do refrão principal.

– O nosso refrão é bem forte, tem levantado a quadra nas eliminatórias. O verso “Medalha de ouro a nossa união” faz referência tanto à União da Ilha quanto à união dos povos, que é o símbolo olímpico. No verso “A minha alegria encanta você”, falamos da alegria que é característica da Ilha, e no verso “Meu maior desejo é vencer ou vencer” falamos do sonho de todo insulano, que é ser campeão do carnaval. É um samba com a cara da União da Ilha.

Marquinhos afirmou que ele e seus parceiros pretendem investir em torcida na final, mas acreditando que a comunidade da escola irá juntar a esta e “abraçar o samba”. – Vamos trazer muitas bolas, bandeiras, fazer um verdadeiro show. Isso é indispensável nas disputas atuais.

'É o samba mais adequado à posição de desfile da Ilha', afirma Bicudo

Bicudo, compositor da parceria de Beto Mascarenhas, Carlos Caetano, J. A., Leozinho, Myngal e Marcos Moreno, destacou os refrões como os trechos mais marcantes da obra. Ele acredita que o samba é o mais adequado para o enredo e a posição de desfile da escola, segunda de domingo.

– Nós fizemos um samba leve, pequeno, conforme a escola pediu. Um enredo sobre Olimpíadas pede um samba como o nosso. A Ilha vai ser a segunda de domingo, e desfilar cedo é algo muito difícil. Se tivermos um samba grande, corre o risco de arrastar. Por isso o nosso samba é o ideal.

Bicudo ressaltou que seu samba tem tido “ótima aceitação” da comunidade da Ilha, afirmando que “quem realmente entende de samba” torce pela vitória de sua parceria. – Se você for ver, o nosso samba é o preferido da comunidade. Na final nós vamos fazer a mesma festa que fizemos nas eliminatórias, com bandeiras douradas e a nossa torcida, que é composta de amigos.

'É o samba mais competitivo', afirma Cadinho

O compositor Cadinho, da parceria com Lobo Junior, Tuninho, Rony Sena, Felipinho Lopes, Rafael Nogueira, Maneco Alves e Jorginho JB, destacou o rendimento do refrão principal de seu samba durante as eliminatórias. Cadinho diz que a obra “foi crescendo a cada apresentação” e acabou ganhando apoio da comunidade insulana.

– Há muito tempo que a Ilha não tem um samba que consegue os quarenta pontos. Acho que todos os sambas merecem ganhar, mas acho que o nosso é o mais competitivo. É um samba diferente, valente, alegre. A Ilha vai ser a segunda de domingo, então precisa de um samba que tenha alegria.

O compositor prometeu fazer uma “grande festa” na final de samba neste sábado, com bandeiras, pirulitos e balões de gás. Ele destacou que seu samba está “perfeitamente dentro do enredo” e apontou a homenagem ao povo carioca, através dos versos “O carioca é legal, maneiro/ malandro, bacana, sagaz, parceiro”, como um diferencial da obra.

'Nosso samba não cai em momento algum', diz Marinho

Marinho, compositor da parceria com Marinho, Felipe Mussili, Fernando Português, Rogério da Mata e Mosquito, contou que o refrão do meio do samba é seu trecho preferido na obra. No entanto, segundo ele, o trecho que antece o refrão, com os versos “Sou carioca, ninguém tem o meu gingado/ Esse jeito descolado é muita tentação/40 graus de emoção”, é o que mais tem empolgado a torcida durante as eliminatórias.

Marinho acredita que o seu samba merece ser campeão por ser a obra “com mais pegada”, destacando que ele e seus parceiros tiveram a preocupação de fazer um samba “forte e ao, mesmo tempo, poético”. – A disputa foi muita prazerosa, foi aquela loucura de sempre. Fizemos um samba muito empolgante, que não cai em momento algum, não se arrasta. Isso é o ideal pra posição de desfile da Ilha, segunda de domingo. Na final, vamos fazer o mesmo que fizemos na eliminatória, nossa festa com bandeiras e o canto forte da torcida.