Compositores finalistas da Estácio de Sá conversam com equipe do CARNAVALESCO sobre grande final

A Estácio de Sá retorna em 2016 ao Grupo Especial e um importante passo para o desfile será dado nesta sexta na quadra da escola. A grande final de samba-enredo vai definir o hino oficial da agremiação para o enredo "Salve Jorge! O Guerreiro na Fé", dos carnavalescos Chico Spinoza, Amauri Santos e Tarcísio Zanon. A equipe do site CARNAVALESCO conversou com os compositores finalistas sobre a ansiedade e expectativa para a grande noite de escolha.

OUÇA OS SAMBAS FINALISTAS DA ESTÁCIO

LUIS CARLOS MAGALHÃES COMENTA A FINAL

Quatro obras se credenciaram para a última etapa da eliminatória na vermelho e branco do morro de São Carlos. Foram inscritos 16 sambas no concurso e as parcerias de Daniel Gonzaga, Édson Marinho, Xanvan e Jacy Inspiação duelam para ser o samba da Estácio no Carnaval 2016.

'Nosso samba é uma oração a São Jorge', afirma compositor Igor Ferreira

Igor Ferreira é um apaixonado estaciano e participa das disputas na escola desde 2010, ficando de fora apenas em 2014, por questões particulares. Campeão em 2010 e 2013, ano da homenagem a Rildo Hora, Igor afirma que o samba de sua parceria é uma oração ao santo padroeiro da Estácio de Sá. – Foi um pedido do Chico Spinoza nos encontros com os compositores que o samba fosse construído em forma de oração. Acredito que tenhamos conseguido trazer essa ideia para a composição e esperamos que o estaciano abrace nosso samba nessa final – conta Igor à equipe do CARNAVALESCO.

A parceria é formada ainda pelos compositores Rildo Seixas, Carlos Alberto, J do Táxi, Henrique Hoffmann e Daniel Gonzaga, filho do cantor Gonzaguinha, estreante em disputas de samba. – Eu queria trazer alguém diferente para nossa parceria e pensei no Daniel por todo o trabalho que ele desenvolve na comunidade de São Carlos, pela história familiar que tem no morro, o avô dele, Luiz Gonzaga viveu aqui e o pai nasceu. Ele ficou muito feliz com o convite e participou ativamente da confecção de nosso samba – explicou Igor Ferreira.

'Não ter escritório e chegar numa final é uma glória', dispara Xanvan

Dois compositores podem se orgulhar de estar nessa final da Estácio. Em um tempo em que cada parceria tem diversos integrantes, a parceria deles é composta por apenas dois. São eles, Xanvan e Gugu Maravilha. Em contato com a equipe do CARNAVALESCO, o primeiro foi catedrático em exprimir o sentimento de alcançar uma final em uma escola grande, sem o poder financeiro dos escritórios. – É uma grande vitória, uma glória eu diria. Pois é uma disputa quase desleal. Eu já fui finalista no Salgueiro, nos anos 2000, mas me afastei por não conseguir acompanhar as mudanças das disputas. Decidi fazer esse ano para a Estácio pelo enredo – afirmou.

O compositor declara que acredita ter chegado na final única e exclusivamente pelo canto do samba na quadra. – Existem compositores que acham que são carnavalescosa, trazem alegorias, um monte de coisas e se esquecem que nesta etapa o mais importante é o canto na quadra. Vamos para essa final como fizemos ao longo de toda a disputa. Com o gogó afiado – disparou Xanvan.

'Temos a melodia adequada a quem abre o desfile', diz Marcinho Poeta

A Estácio, como campeã da Série A em 2015, vai abrir os desfiles de 2016 do Grupo Especial. Segundo Marcinho Poeta, da parceria de Jacy Inspiração, o diferencial da obra é a melodia, adequada para abrir o desfile, segundo Poeta. – Abrir o carnaval é sempre complicado, pela questão de pegar o público mais frio. Por isso construímos uma melodia valente que propicie o público a cantar junto com a escola e já coloque fogo na avenida – opinou Marcinho Poeta.

Para Marcinho Poeta o samba tem mexido com a quadra no trecho em que exalta a religiosidade, já que o enredo é São Jorge. – Quando citamos na letra "lua cheia em seu clarão" até o refrão principal, vejo muitas pessoas com os braços erguidos, em forma de oração mesmo. É uma parte de grande emoção na nossa quadra – lembra Marcinho.

'Temos a intenção de emocionar a avenida', declara Edson Marinho

Em um enredo que toca na religiosidade do povo brasileiro, ao retratar um dos santos mais populares do Brasil, não pode faltar emoção. E foi baseado nesse sentimento que a parceria de Edson Marinho construiu sua obra. – Tem sido muito emocionante acompanhar a reação das pessoas na quadra, na entrada do cavaleiro e o dragão, as pessoas se benzem, fazem fotos. Esse samba de nossa parceria foi feito para emocionar. Sempre foi nosso objetivo – citou Marinho.

O compositor destaca ainda o trecho do samba que mais gosta. – Curto muito a parte, "rogai seus milagres em devoção", logo depois do refrão do meio. Melodia e letra são muito bem construídas. É um samba póético. Fomos abençoados pelo Santo Guerreiro – brinca Edson Marinho.