Confira análise do desfile da Santa Cruz cabine a cabine de jurados

Cabine 1 por João Santoro

A Comissão de Frente esteve bastante colorida e realizou uma apresentação sem maiores erros. O casal, com experiência de Avenida, mostrou uma coreografia segura e bem entrosada. Alegorias e fantasias que retrataram bem o enredo, mas que tivera  problemas nos acabamentos. A Harmonia não foi plena em todas as alas, deixando a desejar no terceiro e quarto setores. A escola foi a que mais demorou a passar pela cabine 01, com 38 minutos.

Cabine 2 por Guilherme Alves

A Comissão de Frente fez uma apresentação correta e a roupa dos componentes era bonita representando elementos naturais. O casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira fez uma apresentação perfeita, sem erros e com muitas ousadia. A fantasia trazia LED o que foi um toque a mais. Os dois últimos carros trouxeram problemas de iluminação e a última alegoria destoou do capricho apresentado nas finais. No geral a escola passou regular. 

Cabine 3 por Geissa Evaristo

A Comissão de Frente chegou ao módulo aos 18 minutos de desfile. Não foi possível entender a mensagem transmitida. Coreografia abstrata demais. Logo atrás o casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira realizou a sua apresentação. Na parte do samba " braço forte" ambos levantavam o braço. A forma de segurar a bandeira da Ana Paula talvez seja responsável para que a sua bandeira não fique completamente esticada. A porta bandeira segura no polegar pedaço da bandeira junto com o mastro. Após a apresentação a jurada realizou anotações. No Abre-Alas, os refletores da parte de baixo da lateral esquerda estavam apagados. A ala 5 passou praticamente muda e a escola no âmbito geral só cantou com mais empolgação os refrãos. O restante do samba foi cantado, quando cantado, em apenas algumas partes.

A bateria parou para realizar sua apresentação e a escola não segurou, o que acabou gerando um buraco a frente da cabine, porém rapidamente solucionado pela harmonia da agremiação. À frente do terceiro carro, novo buraco, a alegoria precisou de reforço de empurradores para correr para cobrí-lo. Ala 19 teve problemas de acabamento nos resplendores que estavam caindo e a ala 21 estava com o chapéu amassado. O último carro que veio com componentes da cidade homenageada, Jundiaí, passou aos 48 minutos pela cabine. A comissão de Carnaval usou materiais alternativos na confecção das fantasias. 

Cabine 4 por Raphael Marinho

A Comissão de Frente realizou uma coreografia simples, sem muita criatividade e que não conseguiu passar a mensagem que era proposta no roteiro de desfile da escola. O casal fez apresentação correta, mas a porta-bandeira, com sua forma de conduzir o pavilhão, segurando o mastro e o tecido, não conseguia manter a bandeira esticada. 
O canto da escola foi fraco, com poucas alas mostrando empolgação. A evolução foi correta, apesar da bateria precisar passar sem se apresentar para os jurados para que a agremiação não estourasse o tempo. As alegorias tinham alguns problemas de acabamento e as fantasias eram de difícil leitura, com muitas delas tendo letreiros para facilitar a compreensão.