Confira análise do desfile da União do Parque Curicica cabine a cabine

Cabine 1 por João Santoro
A Comissão de Frente fez uma boa apresentação na cabine 1, assim como o casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira que fez um belo bailado em cima do ritmo do samba. As alegorias vinham bem acabadas, mas as fantasias deixaram a desejar. Na segunda ala, "Alquimia", muitos componentes estavam sem parte do figurino. A Harmonia da escola funcionou bem assim como a Evolução. A escola foi a mais rápida a passar da cabine 1 com 27 minutos.
 
Cabine 2 por Raphael Marinho
A Comissão de Frente se apresentou bem, com uma coreografia de movimentos fortes e sincronizados dos dançarinos que representaram negros escravizados. A apresentação recebeu aplausos de todos os jurados. O casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira que estava com uma bela fantasia, fez uma apresentação correta, sem muitos problemas. Em determinado momento a Porta-Bandeira tocou com o pavilhão no chapéu do Mestre-Sala. As fantasias eram de difícil leitura e de pouca qualidade estética. A segunda ala (Alquimia) tinha muitos componentes com fantasias incompletas. O canto da escola foi irregular com a maioria dos componentes cantando apenas o refrão principal. As alegorias desempenharam bem o seu papel, mas o último carro tinha ferro aparecendo na frente. O terceiro, com uma grande escultura de Maria Padilha, chamou atenção pelo recurso sonoro, que simulava uma risada. A evolução da escola foi correta, sem momentos de correria ou de pausa.
 
Cabine 3 por Alberto João
Apesar da coreografia com muitos movimentos e bela indumentária, a apresentação foi prejudicada porque a sombrinha da integrante principal caiu na frente do jurado e um outro integrante perdeu o calçado. A apresentação do casal de Mstre-Sala e Porta-Bandeira não teve erro nenhum. No conjunto de alegorias, o carnavalesco Mauro Quintaes acertou a mão. Os carros estavam com leitura e com bom acabamento. No conjunto de fantasias, outro golaço da escola. Fantasias com leitura do enredo e bem acabadas. O samba funcionou e a harmonia teve destaque positivo. Na evolução, o único problema foi que a escola correu quando a bateria entrou no segundo recuo.
 
Cabine 4 por Vitor Rangel
A Comissão de Frente executou sua coreografia sem falhas e foi muito aplaudida por público e jurados. O casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, executando passos seguros e sincronizados, também foram exaltados. No canto, destaque para as alas "Escravos da Cana", "Glória à Cachaça" e "Paraty ao Som dos Violeiros", que cantavam muito o Samba-Enredo, enquanto a  ala "Anhanguera" passou praticamente muda e com componentes visivelmente cansados. No geral, a escola estava muito animada e o refrão empolgava não só componentes, mas também a arquibancada. Em evolução duas falhas visíveis. A ala que vinha à frente dos ritmistas, "Santo Preto Ronca no Peito", recuou para evitar o surgimento de um buraco quando a bateria entrou no recuo. Além disso, a escola, sem necessidade, se apressou na reta final do desfile e as alas entre a terceira e quarta alegorias passaram muito rápido pelo último módulo de jurados.