Conterrâneo de Maria Bethânia, secretário de cultura da Bahia planeja ajuda a carnaval da Mangueira

Nascido em Santo Amaro da Purificiação, terra natal de Maria Bethânia, o secretário de cultura do governo da Bahia, Jorge Portugal, contou à reportagem do CARNAVALESCO que está em sua agenda de prioridades ajudar a Mangueira no enredo que está sendo desenvolvido em homenagem à cantora para o Carnaval 2016. –  Teremos uma conversa assim que o governador Rui Costa voltar da Europa. Vamos planejar um encontro da Mangueira com ele. A Bahia precisa apoiar de alguma forma essa homenagem à Bethânia. Temos consciencia que é importante para o turismo baiano. Uma escola como a Mangueira cantar uma baiana, é a Bahia que está sendo vendida – garantiu Jorge Portugal.

Ainda de acordo com o secretário além da fomentação de apoio financeiro há ainda a possibilidade de um intercâmbio cultural do carnaval da Bahia com a Estação Primeira de Mangueira. – Há um projeto em curso e já na fase de captção de recursos da criação de um 'Afródromo'. Trata-se de um espaço destinado a desfiles de toda manifestação cultural de matrizes africanas. Teremos não só os blocos afros da Bahia, mas traremos o maracatu, os bois do norte e gostaria muito de abrir esses festejos com a Mangueira – espera Jorge Portugal.

Mangueirense, Jorge acompanhou a final ao lado da cantora

O secretário de cultura da Bahia é também compositor e amigo pessoal de Maria Bethânia. Ele revelou ao CARNAVALESCO que a cantora já gravou 12 canções de sua autoria. – É o sonho de qualquer músico ser gravado pela Bethânia. Durante a final ela me confidenciou sua emoção ao ser ovacionada por aquelas pessoas e o tempo todo dizia olhando pra mim: "Viva Santo Amaro" – lembra Jorge.

Jorge Portugal, apesar de ter nascido há milhares de quilômetros da quadra da verde e rosa, revelou sua paixão incontida pela escola. – Sou mangueirense desde os 5 anos e sempre escutei minha mãe cantarolar os sambas da Mangueira para mim. Coloco entre as 5 maiores emoções de minha vida a presença na final de samba. Foi passando um filme na minha cabeça. O samba foi para o Rio de Janeiro no incio do século XX, através das tias baianas. Uma delas, Tia Terciliana também era de Santo Amaro da Purificação. E a Mangueira é a raiz mais forte do samba e da cultura do Brasil – derrete-se Jorge Portugal.