Cubango encerra gravações do CD da Série A para 2016 com mudanças na letra e força da comunidade

O Acadêmicos do Cubango gravou a sua participação no CD da Série A para o Carnaval 2016, contando com o apoio e com a perseverança de sua comunidade para acertar os últimos detalhes da faixa. Foi a última gravação da base, da voz guia, da bateria e do coro para o álbum e para o DVD, que ainda segue em produção no Estúdio Visom, em São Conrado, com o processo de gravação da voz oficial dos intérpretes. Para a gravação, a escola promoveu duas alterações na letra do samba escolhido, visando adequá-lo ainda mais o enredo, conforme contou o diretor de carnaval da escola, Jorge Riper, ao CARNAVALESCO:

– Tínhamos três bons sambas finalistas e acredito muito que a comunidade tenha se sentindo realizada com o samba escolhido. Agora, a gente vai trabalhar em prol da escola e procurar fazer o melhor para o desfile 2016. Tivemos duas mudanças na letra para que não faltasse nenhum setor do desfile no samba. Mudamos o verso 'vem mergulhar' para 'vem preservar' e, logo em seguida, trocamos 'preservar e orgulhar futuras gerações' para 'velejar e orgulhar futuras gerações'. Fora isso, o samba está dentro do contexto e é completo dentro do que precisamos para trabalhar com os setores – contou Jorge.

* CONFIRA AS FOTOS DA GRAVAÇÃO

O intérprete Hugo Júnior revelou que o tom em que o samba foi cantado durante a disputa (o 'fá-sustenido'), foi mantido para a gravação do CD e contou que a bateria de Maurão e a equipe do carro de som começarão a ensaiar o entrosamento do samba antes dos ensaios com a comunidade:

– A gente está muito feliz com o samba escolhido. É um samba que sabemos que vai nos auxiliar e muito com a posição de desfile, somos os últimos a desfilar no sábado de carnaval e temos o gancho com o refrão principal com o 'Deixa clarear', um gancho perfeito. Nós do carro de som, junto com o mestre Maurão, estamos fazendo um trabalho musical muito bacana. Tentando buscar um bom entrosamento, na próxima semana a gente já começa a ensaiar só o carro de som e a bateria, para que quando os ensaios da comunidade comecem, nós já tenhamos tudo arrumadinho e pronto pra gente caminhar de vento em polpa pro desfile. Gravamos o samba no tom original da disputa, o 'fá-sustenido', mantivemos o samba nesse tom e alteramos coisas muito simples de interpretação: no refrão do meio a gente está fazendo um desenho um pouco diferente e na segunda parte do samba, a gente mudou duas questões de intepretação. Basicamente, é o samba que estava na disputa – finalizou Hugo.

Ainda recente, a final da disputa de samba do Cubango deixou a comunidade da escola dividida entre os sambas finalistas e, por conta disso, a gravação foi um momento que exigiu união e compenetração dos componentes presentes. O produtor Ivo Meirelles incentivou os integrantes da escola antes da gravação do coro, afirmando que apesar de se tratar do menor grupo durante esse período de gravações, ainda assim se tratava de um dos mais afinados. A gravação do coro, em especial, foi mais delicada por conta das bossas construiídas por Mestre Maurão no decorrer do samba e que os componentes precisavam acompanhar com o canto. Maurão contou ao CARNAVALESCO que a gravação da bateria, por sua vez, foi tranquila e contou com duas das cinco bossas que ele pretende levar para a Sapucaí com a Ritmo Folgado em 2016:

– A gravação foi boa, escolhemos o andamento 144 BPM para a gravação. Acredito que o andamento para a Avenida é uma coisa e para o CD é outra, porque acho que no CD a pessoa ouve para escutar e aprender o samba, enquanto no desfile você pode brincar com o andamento. Devemos desfilar com um andamento de 146 BPM, porque o samba pede pra virmos um pouco mais a frente. Fiz bossas em cima da melodia do samba para o CD, são duas das cinco que nós devemos levar. Uma é no refrão do meio e a outra no fim da segunda levada, chegando no refrão principal. Foi tudo muito tranquilo, as bossas seguem a melodia do samba, fazemos algumas brincadeiras com surdos de primeira, de segunda e terceira com alguns impactos.

Além das bossas, a bateria do Cubango ganhou destaque com seu grito de guerra no final da faixa. A palavra 'Folgado', que dá nome ao grupo de ritmistas, se transformou no grito de guerra que encerra a faixa. Além disso, o refrão principal do samba, em sua última repetição no fim do áudio, terá um final explosivo com o nome da escola: em vez de cantar 'É a Cubango dando um banho de alegria', a comunidade cantou 'É a Cubango!', fechando com chave de ouro a gravação.