Da feijoada ao brigadeiro, União da Ilha serve um verdadeiro banquete na Sapucaí

Por Marina Magalhães

uniao-da-ilha_desfile_2018_66A culinária brasileira, com seus quitutes próprios e singulares, encanta gente dos cinco continentes do mundo. Valorizando a importância da cozinha do Brasil, a União da Ilha do Governador participou da segunda noite de desfile do Grupo Especial com o enredo “Brasil bom de boca” e conquistou as arquibancadas.

O desfile da terceira escola da noite começou desvendando o início do desenvolvimento da culinária brasileira, com as especiarias tão sonhadas pelos portugueses que aqui chegaram. O carro abre-alas “Caravelas a bailar”, com predominância do vermelho e do dourado, lembrando as cores de Portugal e a riqueza do Iimpério, representou as inúmeras viagens para as terras brasileiras que trouxeram os portugueses com fome e ideias.

Entre as comidas brasileiras apresentadas na Avenida, os pratos baianos foram os de destaque. A 11ª ala a passar pelo Sambódromo, “Acarajés e azeite de dendê”, exibiu o gosto da comida de Xongô e Iansã, que vem da ancestralidade nagô e das regiões iorubas. A ala, que se apresentou como uma feira ao ar livre onde eram vendidos dendê e acarajés, abriu caminho para o terceiro carro alegórico, “Fogo aceso no terreiro das Yabás”.

– Venho representando os vendedores de dendê de Salvador, e achei o enredo bem interessante, porque traz de volta o lado brincalhão e descontraído da União da Ilha – disse Ramo Azevedo, que já desfila pela escola há três anos.

O componente ainda garantiu que sabe cozinhar, e lamentou o fato de não poder apreciar a comida baiana.

– Eu sou alérgico a dendê, justamente o tipo de alimento que venho representando – disse, rindo.

Mas não são apenas os pratos baianos que encantam a todos. Para Carolina Alvarenga, que veio do Uruguai só para desfilar pela União da Ilha, a feijoada é o destaque da culinária brasileira. Já a sobremesa predileta da uruguaia é o brigadeiro, doce que, por coincidência, ela veio representando na Avenida, na ala “O Cacau em festa”.

– Eu amo brigadeiro, tenho na minha casa, e estou levando mais – confessou.

A ala “Cacau em festa”, 23ª a desfilar, abriu o caminho para o carro “Doce cacau”, o antepenúltimo da União da Ilha.