De volta à Sapucaí, Unidos de Bangu escolhe hino para 2018 neste domingo

cid_bangu

O quão difícil é retornar à Marquês de Sapucaí e desfilar pela Série A? E o que uma escola deve fazer para se firmar? A resposta para essa pergunta não é óbvia, mas a Unidos de Bangu tem feito seu dever de casa para tentar responde-la. Após se consagrar na Intendente Magalhães em 2017, a escola contratou reforços de peso para o seu próximo desfile. Um deles foi o carnavalesco tetracampeão pela Beija-flor de Nilópolis, onde também assina o desfile do próximo ano, Cid Carvalho, para a comissão de carnaval.

Com o enredo “A travessia da Calunga Grande e a nobreza negra no Brasil”, a  vermelho e branco da Zona Oeste terá a responsabilidade de abrir os trabalhos do Carnaval 2018. Em conversa com a nossa equipe, Cid exaltou a ala de compositores pelas obras apresentadas.

– Todas as vezes que escutei os sambas, junto da equipe, nós comentávamos que é nível de Grupo Especial. Todos são de boa qualidade. Os compositores entenderam perfeitamente o enredo, temos sambas para várias opções. Sejam elas mais dolentes ou mais aguerridos. É uma final digna. Falaremos da realeza africana, isso tem muito a ver com a nossa origem e será fantástico já que a escola estará muito bem servida no quesito.

Ciente das dificuldades, mas com plena convicção da bela execução do trabalho, o carnavalesco explicou o que uma escola tem de fazer para firmar-se no grupo em que está desfilando.

– Para qualquer grande desfile o segredo é ter um grande enredo. Naturalmente isso irá gerar um grande samba. A partir daí ja é meio caminho andado, basta ir cuidando dos quesitos todos. E é claro, torcer para dar tudo certo na hora. A escola tem trabalhado muito, nos estruturamos e estamos bem organizados com um olhar profissional na questão do carnaval.

Quem também está satisfeito com a safra de doze sambas apresentadas pela Bangu é o diretor de Harmonia, Alcides Kenga. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Kenga nega qualquer possibilidade da escola já ter samba escolhido e que tudo vai depender da final.

– Me surpreendi muito com a safra, foi muito boa. Vamos para a final com cinco justamente por isso. Os doze inscritos estavam muito nivelados. Será uma disputa acirrada, o povo de Bangu pode ter certeza disso. Não existe “papo” de que decidimos antes, em todas as reuniões com a diretoria os sambas vão se destacando na opinião de cada um.

Segundo o diretor, o samba que a Bangu precisa para abrir o carnaval tem que ter explosão, e todos os cinco finalistas possuem.

– Vamos escolher o com mais explosão porque seremos os primeiros a pisar na avenida. Queremos um samba com pegada, para dar uma manifestada no povo. Nosso canto será forte e para isso já vamos começar os ensaios da comunidade no próximo dia 26. Nosso carnaval já está na fase de reprodução das fantasias e os carros na etapa de ferragem, o trabalho é intenso para o que o desfile saia como planejado – finalizou.

SERVIÇO:

Final de Samba enredo da Unidos de Bangu
Data: 03/09
Abertura da quadra: 20h
Entrada: Entrada gratuita até 21h. Após R$ 10
Atrações: Grupo de pagode
Show da escola: 21h30
Início das apresentações: 23h
Esquema de apresentação: Uma passagem só com pedal, duas com bateria, uma só no canto, duas com bateria.

Previsão do horário do anúncio: 2h

COMO CHEGAR

A final será no Casino Bangu. Saindo da Candelária, centro do Rio, a melhor opção é o ônibus 393.

TAXI

Centro: cerca de R$ 102,00
Tijuca: cerca de R$ 120,00
Zona Sul: cerca de R$ 123,00

UBER

Centro: cerca de R$ 55,00
Tijuca: cerca de R$ 75,00
Zona Sul: cerca de R$ 109,00