Desfile estético pobre da Tradição tem casal prodígio como único destaque positivo

 

 

 

A Tradição entrou na Sapucaí para reeditar um samba campeão. No entanto, a performance da escola passou muito longe desse status. Com fantasias aparentemente incompletas, carros com diversas falhas e um desfile, no aspecto geral, pobre esteticamente, a agremiação deixou muito a desejar abrindo os desfiles de sábado com o enredo campeão da Beija-Flor de 1976, "Sonhar Com Rei Dá Leão". No entanto, um ponto positivo deve ser lembrado. O jovem Casal de Mestre-Sala e Porta Bandeira da escola roubou a cena, não se intimidaram com a responsabilidade e encantaram a Passarela do Samba. A passagem da Tradição pelo Sambódromo durou 54 minutos.

* VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DESFILE

O divertido e irreverente Enredo escolhido pela Tradição para ser reedditado poderia render um desfile mais agradável aos olhos do público. No geral, as fantasias tinham fácil leitura pelo fato do tema do desfile ajudar. Porém, visualmente, as fantasias da maior parte do desfile e os carros da Tradição deixaram muito a desejar. Depois de ver as belas fantasias da Comissão de Frente e Casal da escola, o contraste com o resto do desfile desenvolvido pelo carnavalesco Orlando Júnior era gritante.

* CONFIRA A ANÁLISE CABINE A CABINE

Comissão de Frente e Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira

A Comissão de Frente do coreógrafo Breno de Souza abriu relativamente bem o desfile da Tradição. Arcanjos faziam uma coreografia bonita e sincronizada em grande parte de sua execução, com exceção em alguns momentos de giros dos dançarinos. Também foi possível notar uma falta de alinhamento entre os componentes na parte final da apresentação. Depois deles, o ponto alto do desfile. O jovem Casal da Tradição roubou a cena. Thuan Matheus (14) e Joana Falcão (12) não se intimidaram com a responsabilidade de ser o primeiro Casal da escola e fizeram uma coreografia segura, esbanjando simpatia e recebendo aplausos de jurados e público durante toda a passagem deles pela avenida.

Harmonia e Samba-Enredo

Marquinhos Silva fez bem o seu papel de intérprete e ajudou a levantar o astral dos componentes da escola. O Samba-Enredo fácil, no entanto, não foi muito cantado pela maioria dos componentes, que, apesar de animados, se limitavam a cantar apenas os refrãos da obra. O segundo setor da escola, por exemplo, tinha foliões animados nas alas "Borboleta", "Leão", "Tigre" e "Veado", mas o canto deixava muito a desejar. Destaques positivos no canto foram as alas "Coelho", onde as meninas cantavam e dançavam bastante, e "Talão do Bicho", igualmente muito animado.

Evolução e Conjunto

A Tradição não apresentou problemas com relação ao ritmo do desfile. No entanto, muitas falhas puderam ser vistas comprometendo a Evolução e Conjunto da escola. A segunda alegoria, "Jardim Repleto de Animais", teve problemas para ser centralizado na pista e, inclusive, o problema gerou um buraco entre a alegoria e a ala "Cavalo", em frente à segunda cabine de jurados. A mesma alegoria também estava sem os destaques previstos no roteiro e foi "preenchida" com componentes das alas que vinham à frente do carro. A Tradição também teve problemas com o terceiro carro alegórico, "Quem Não Sonha Não Joga, Quem Não Joga Não Ganha", que travou em alguns momentos e dificultou o trabalho na hora de empurrá-lo. Outra falha foi vista na ala de passistas, onde duas crianças estavam sem sapato.

Fantasias

Um dos quesitos mais fracos do desfile da Tradição. O Enredo de fácil leitura acabou não sendo muito bem desenvolvido pela escola e, depois de ver fantasias tão belas vestidas por Comissão de Frente e Casal, o que veio a seguir foram fantasias com acabamento ruim, parecendo inclusive estar incompletas por não ter um peitoral ("Anjos", "Borboleta" e "Veado"). Uma leve melhora foi vista no último setor, onde as alas "Homenagem das Damas da Portela", "Homenagem dos Malandros" e "Tributo à Portela" apresentava fantasias leves, mas de bom gosto e fácil leitura.

Alegorias

Outro ponto que deixou muito a desejar no desfile da escola do Campinho. Além dos problemas já descritos na alegoria "Jardim Repleto de Animais", o Abre-Alas "Reino da Fascinação – Sonhar com Anjo é Borboleta" tinha ferros visíveis e a terceira alegoria, "Quem Não Sonha Não Joga, Quem Não Joga Não Ganha" tinha seu guia bastante visível, sentado na parte da frente do carro.

Comente: