Edson Pereira faz carta se despedindo da Viradouro e agradecendo todo apoio

O carnavalesco campeão da Série A com a Viradouro, Edson Pereira, publicou na tarde deste sábado, uma carta se despedindo da escola de Niterói. Confira abaixo.

“Queridos amigos do G.R.E.S. Unidos do Viradouro,

trio_viradouroQue satisfação é poder dirigir-me, com a sensação de dever cumprido, a cada um dos que fazem a magia da vermelha e branca de Niterói!

Recebi o voto de confiança e a oportunidade de trabalhar sob este pavilhão no momento em que todo seu quadro diretivo não media esforços para reconduzir a escola ao seu lugar por mérito e história. Na trajetória até o desfile de 2018, reencontrei amigos queridos, segmentos comprometidos, estrutura de trabalho e apoio necessário para concretizar um projeto que, como o enredo, foi produto da loucura criativa de toda a comunidade viradourense. Não há como descrever o sentimento de escutar das arquibancadas o coro “a campeã voltou”, assistindo um espetáculo de competência e preparo forjado por muito trabalho. De ponta a ponta, fomos engrenagens que, como as de nosso abre alas, trabalharam pelo resultado final. Em um cenário difícil como o de 2017, sabemos que fazer carnaval é desafiar o possível. Assim também fizeram as coirmãs, que, com desfiles de grande nível, nos honraram em uma disputa acirrada. Contei com a lealdade de todos e a todos correspondi na mesma intensidade e compromisso. Não esquecerei nenhum dos abraços de boa sorte antes do desfile e nenhum dos cumprimentos sorridentes depois da vitória. Fiz desse espaço “meu mundo especial”.
Trabalho concluído, devolvo a Viradouro a seu próprio brilho, conduzida magistralmente por uma presidência que, com sua simples presença, evoca a raiz e o melhor da escola. Profundamente emocionado agradeço o acolhimento, pedindo licença para partir mantendo portas abertas que permitam talvez delírios futuros e a permanência de um apreço recíproco que nunca se desfará.

Na condição de artista, caminhar é preciso mesmo quando as condições são tão favoráveis. “Eu sou um sonhador, um pierrô alucinado”. Operário desta cenografia carioca que se chama carnaval. Novas experiências e espaços são necessários para enriquecer a bagagem e alimentar a alma.

Por isso, Viradouro, até breve! Sigo tranquilo sabendo que há aí, como pude constatar, múltiplos artistas de uma escola de verdade. Estaremos sempre juntos!”