Em maratona de samba, Salgueiro escolhe seu hino para 2012

Uma das disputas de samba mais acirradas e aguardadas do Grupo Especial terá desfecho na madrugada desta quarta-feira. O Acadêmicos do Salgueiro começa a definir a obra que levará para a Marquês de Sapucaí, a partir das 19h desta terça-feira, em sua quadra de ensaios. A maratona de samba, só terá fim às 7h da manhã de quarta-feira, quando a presidente Regina Celi, assim como já fez no último carnaval, divulgará cada um dos 16 votos que apontarão o grande campeão de samba-enredo do Salgueiro neste ano.

Parcerias

Na disputa, três parcerias com histórico vencedor dentro da escola, o que deve dar ares ainda mais emocionantes a esta final. Confira abaixo, as entrevistas com Demá Chagas, Fernando Magaça e Marcelo Motta.

Samba 7 – (Demá Chagas, Alessandro Falcão, Jorginho JB, Elcinho Saara, Vania Miranda, Tuninho Fernandes)

Como está a expectativa para a final?
Demá: Vou ser campeão! Se eu não acreditar em mim quem é vai acreditar? (risos) O nível está muito bom e acredito que aquele que sair vencedor representará bem o Salgueiro na Avenida.

Acreditava que estaria na final desde o começo da disputa?
Demá: Sim. Eu tenho um histórico de final no Salgueiro, já cheguei em inúmeras e fui campeão cinco vezes. Carrego comigo a vontade de ser campeão. Não entro para brincar, entro sempre para ganhar.

Onde o samba foi feito e quanto tempo demorou?
Demá: Esse samba nos exigiu um pouco mais de pesquisa do que o normal. É um tema mais elaborado, não que eu não leia, até gosto muito e leio bastante, mas não é algo que está no nosso cotidiano. Acho que tivemos umas oito reuniões até chegar ao produto final.

Alguém da parceria já foi campeão no Salgueiro ou em outra escola?
Demá: Ganhei em 1989, 1990, 1993, 1994 e 1999. O resto da parceria ainda não venceu. Estou trazendo uma garotada nova, são os Filhos do Demá(risos).

Qual é o ponto alto do samba?
Demá: Os dois refrões. Acho que eles tem as impressões digitais do Salgueiro. Cada escola tem a sua característica e procuro valorizar bastante isso quando escrevo. Sabemos que existe o problemas dos escritórios da vida, mas eu me procuro em valorizar a linha melódica da escola. Sou 100% Salgueiro.

Pretendem levar quantas pessoas para torcer pelo samba na final e quanto gastaram na disputa?
Demá: Acredito que vamos empurrar goela abaixo deles umas mil pessoas, já o gasto total da disputa fica entre R$ 80 e R$ 90 mil.

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Demá: Não acho que tenha não. Adversário é adversário. Se eu quero ser campeão, tenho que ganhar de todos eles.

Qual é a sua ligação com o Salgueiro?
Demá: Comecei no Salgueiro como intérprete. Hoje é mole, naquela época eram apenas dois cantando: Rico Medeiros e eu. Depois passei a compor e não parei mais, mas sempre fui salgueirense e amei a escola.

Quem cantará o samba na final?
Demá: O meu palco terá o Ciganerey, Alexandre D´Mendes, Eduardo e Tuninho Junior, que cantam no Salgueiro, e o Feijão, da Grande Rio, além de mim.

Samba 9 – (Xande de Pilares, Betinho de Pilares, Fernando Magaça, Feijão, Sandro Amorim e Jassa)

Como está a expectativa para a final?
Fernando Magaça: A melhor possível. Estamos na vibração total e confiantes numa boa apresentação e, consequentemente, no título. Tomara que sejamos os escolhidos.

Acreditava que estaria na final desde o começo da disputa?
Fernando Magaça: Sim. Compreendemos bem a proposta do enredo e desempenhamos uma leitura correta daquilo que a escola queria. Temos uma boa melodia e refrões que são a cara do Salgueiro. Respeitamos os concorrentes, mas a confiança é que o nosso samba seja o escolhido.
 
Onde o samba foi feito e quanto tempo demorou?
Fernando Magaça: Eu nem ia compor para o Salgueiro este ano, mas faltando dez dias para as inscrição acabar nós resolvemos fazer. Juntei a parceria e, na minha casa, ele ficou pronto em três dias.

Alguém da parceria já foi campeão no Salgueiro ou em outra escola?
Fernando Magaça: Ganhei quatro vezes no Salgueiro: 2005, 2006 e 2010. Em 2009, no Tambor, fui um dos autores, mas não assinei. Na parceria, o Betinho e o Jassa já foram campeões no Salgueiro também.

Qual é o ponto alto do samba?
Fernando Magaça: Acho que ele é forte no conjunto. Temos dois refrões muito fortes e procuramos valorizar bastante a língua nordestina, algo que o próprio enredo pede, carregamos bem nesse sentido.

Pretendem levar quantas pessoas para torcer pelo samba na final e quanto gastaram na disputa?
Fernando Magaça: Eu não tomo conta das finanças, portanto não sei ao certo, mas pode ter certeza que foi bastante(risos). Vamos levar cerca de mil pessoas para torcer.

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Fernando Magaça: Acho que o samba do Tico do Gato é um forte adversário, gosto desse samba.

Qual é a sua ligação com o Salgueiro?
Fernando Magaça: Trabalhava no mesmo lugar que o falecido Maninho e fui convidado por ele para participar da ala de compositores do Salgueiro e formei parceria com o Moisés Santiago, que é meu amigo há mais de 20 anos. Temos várias músicas juntos, vários artistas já gravaram músicas nossas.

Quem cantará o samba na final?
Fernando Magaça: Nêgo e Anderson Paz.

Samba 21- (Marcelo Motta, Tico do Gato, Ribeirinho, Dilson Marimba, Domingos PS e Diego Tavares)

Como está a expectativa para a final?
Marcelo Motta: A melhor possível. Acho que temos um apoio muito importante dentro da comunidade dentro da quadra, principalmente depois da semifinal. Apesar disso, final no Salgueiro é sempre imprevisível. São muitos sambas bons. Não dá para ter certeza de nada, mas estou otimista. Acho que as pessoas estão mostrando na quadra o que querem. Torço para que tudo dê certo.

Acreditava que estaria na final desde o começo da disputa?
Marcelo Motta: Acreditávamos sim, pela qualidade do samba, mas não tínhamos certeza. Desde o início da disputa foi possível perceber muitos bons sambas. Posso te falar que temos confiança no nosso potencial.

Onde o samba foi feito e quanto tempo demorou?
Marcelo Motta: Para o Salgueiro sempre fazemos samba com mais carinho(risos). Costumo dizer que o samba só fica pronto dentro do estúdio. Fomos lapidando ele ao longo de duas semanas até chegar a versão desejada. Sempre marcamos cada dia na casa de um parceiro. Lá fazemos um lanchinho e discutimos sobre o samba.

Alguém da parceria já foi campeão no Salgueiro ou em outra escola?
Marcelo Motta: Fui campeão em 2007 e 2008. O Tico do Gato já venceu no Salgueiro também, o Diego na Estácio e o Ribeirinho na Beija-Flor.
 
Qual é o ponto alto do samba?
Marcelo Motta: Acho que é mexer com a emoção do componente e animá-lo sem oba-oba, sem apelação. Ele está todo dentro do enredo e a sinopse está totalmente integrada. O refrão principal chama a atenção da comunidade, representa o orgulho de ser salgueirense.

Pretendem levar quantas pessoas para torcer pelo samba na final e quanto gastaram na disputa?
Marcelo Motta: Acho que o valor está próximo dos R$ 90 mil e deveremos levar de 800 a 900 pessoas para torcer.

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Marcelo Motta: Tenho muito respeito pelas outras duas parcerias. O Demá Chagas é meu amigo e autor de grandes sambas do Salgueiro. São duas parcerias fortes.

Qual é a sua ligação com o Salgueiro?
Marcelo Motta: Sou salgueirense doente desde pequeno. Nasci na Conde Bonfim e, aos dois anos de idade, já assistia no ombro do meu pai aos ensaios da escola no local. Com 18 anos, resolvi virar compositor e levei um amigo para buscar a sinopse do Salgueiro. Não nos levaram muito a sério, mas estou há 11 anos ininterruptos fazendo samba para o Salgueiro.

Quem cantará o samba na final?
Marcelo Motta: O nosso palco é de peso. Vão cantar Luizinho Andanças, Zé Paulo, Igor Sorriso, Tinga, Diego Nicolau e Leléu.

Expectativa da diretoria

Depois de passar dez anos participando da harmonia da Grande Rio, Dudu Azevedo foi contratado pela presidente Regina Celi para integrar a direção de carnaval juntamente com Paulinho Barros e Anderson Abreu. Ele conversou com o site CARNAVALESCO sobre a final de samba-enredo do Acadêmicos do Salgueiro.

Desde que nós chegamos aos cinco, seis últimos sambas a diretoria está dividida. O Salgueiro atualmente vive um sistema de democracia implementado e isso é altamente positivo. Percebo uma divisão muito grande entre as 16 pastas votantes(bateria, baianas e etc). A disputa está muito acirrada e não há unanimidade. Apesar disso, temos a certeza que os três sambas concorrentes têm o que o Salgueiro quer. O público se agita, tem preferência, mas as pastas irão decidir.

Dudu também fez uma breve análise de cada obra finalista, ressaltando as diferenças entre elas.

Todos os três são muito bons para se trabalhar o canto da escola. Temos a comunidade na mão. Graças ao trabalho desempenhado pela direção de harmonia, com a liderança do Jô, acredito que não teremos problemas para trabalhar, seja qual for o samba escolhido. Um deles oferece um refrão bastante explosivo. O outro é bem melodioso, tem o refrão suave e retrata bem o enredo. E o seguinte tem várias nuances interessantes, não só para canto, mas também para a bateria.

Apresentações

Já foram definidas as regras de apresentação dos sambas e ordem que eles subirão no palco. Serão duas passadas sem bateria e 30 minutos de apresentação, sendo que, durante a meia hora, haverão ainda mais duas passagens sem bateria, só com o canto da quadra. A ordem de apresentação seguirá a numeração de inscrição de cada samba em ordem crescente. O primeiro a subir ao palco será o samba 7, de autoria de  Demá Chagas, Alessandro Falcão, Jorginho JB, Elcinho Saara, Vania Miranda, Tuninho Fernandes. Depois é a vez do samba 9 (Xande de Pilares, Betinho de Pilares, Fernando Magaça, Feijão, Sandro Amorim e Jassa). Por último, o samba 21, de Marcelo Motta, Tico do Gato, Ribeirinho, Dilson Marimba, Domingos PS e Diego Tavares se apresenta.

Como chegar

Para chegar à quadra do Salgueiro de ônibus, o folião tem várias opções. Na rua da quadra não passa ônibus, mas as duas ruas que cercam a Silva Telles, número 104, endereço salgueirense, rua Barão de Mesquita e avenida Maxwel, são bem próximas da quadra e contam com algumas opções de coletivos.

Linhas que passam na avenida Maxwell:
422 – Grajaú – Cosme Velho
238 – Praça XV – Água Santa

Linhas que passam na rua Barão de Mesquita:
217 – Andaraí – Carioca
226 – Grajaú – Carioca
601 – Saens Peña – Taquara
606 – Rodoviária – Engenho de Dentro
607 – Cascadura – Rio Comprido


Táxi
Quem preferir ir de táxi fica a dica: em bandeira 2, forma de pagamento após às 21h, uma corrida do Centro da cidade até a quadra do Salgueiro não sai por mais que R$25,00.


Preços
R$ 40,00 até a meia-noite
R$ 50,00 depois da meia-noite
Entre todos os pagantes serão sorteadas fantasias e uma moto 0km
.