Entrosamento do carro de som com a bateria é o destaque do último ensaio técnico da Mancha Verde antes do carnaval

A Mancha Verde pisou no Anhembi, na noite deste domingo, para o seu ensaio técnico, o último antes do carnaval. A escola teve o carro de som bem entrosado com a bateria, ambos se destacando, mostrando que mestre Maradona, mesmo sendo novo na escola, se entendeu bem com o carro de som de Fredy Vianna, na escola há mais tempo. O presidente da escola, Paulo Serdan, destacou a importância de se fazer bonito por ser o último ensaio.

banner_holiday

mancha-verde-16– Hoje já é o nosso segundo e último ensaio geral, e a partir de amanhã (segunda) a noite a gente já começa a trazer as esculturas para o Anhembi. A gente sempre pede ao componente manchista alma e coração, e nada mais – disse.

Evolução e Harmonia

A escola passou bem na avenida, sem problemas em evolução, mas ainda deixando a desejar no canto de certas alas, especialmente, algumas do início e do meio. As alas finais estavam mais empolgadas. A escola teve um bom rendimento no geral.

Samba-enredo

mancha-verde-6Sem dúvida, um ponto alto da Mancha. Um samba bem executado pelo carro de som, sob o comando de Fredy Vianna, que mostrou porque é um dos melhores da folia paulistana. Ele e seus companheiros cantaram forte e o público respondeu, especialmente, no refrão principal. Fredy conversou com o CARNAVALESCO e fez um balanço positivo da atuação do carro de som.

– Os ensaios de quadra foram bem complexos e nós trabalhamos, principalmente, harmonia, evolução e canto. O que foi ajustado na quadra foi visto aqui hoje. E a Mancha vem forte, não só nesses quesitos, mas também nas alegorias e fantasias. E o nosso carro hoje foi completamente satisfatório, cumprimos nosso objetivo, e fizemos tudo o que a gente queria. Tenho grandes profissionais, trocamos cantores e as que entraram são magníficas, e a escola vem pontuando bem em samba-enredo desde 2012, quando entrei, e, se Deus quiser, esse ano não vai ser diferente – disse Fredy.

Bateria

mancha-verde-86A bateria, de mestre Maradona, passou muito bem e bastante integrada com o carro de som. Maradona está no cargo há pouquíssimo tempo, após a saída do mestre Thiago Costa, mas foi tão bem acolhido que se sente em casa. Ao final do desfile, o mestre, que aguarda a chegada da filha Helena, recebeu um presente da bateria: uma roupinha de bebê estilizado com o nome da escola. Ele falou sobre essa emoção com o CARNAVALESCO.

– Eu não esperava. Fui pego de surpresa. Essa rapaziada é família e eu não vou abandonar eles nunca. Meu primeiro ano, tendo a experiência de mestre ela primeira vez, e eles confiaram em mim. A responsabilidade é muito grande, e a escola toda confiou, acolheu, e essa confiança que permitiu que meu trabalho fluísse. A gente está em busca da nossa nota, e hoje deu pra ver que estamos no caminho certo. O principal aspecto em que evoluímos foi a confiança, porque fizemos ensaios ruins em outros momentos, mas a confiança cresceu e hoje foi incrível. Analisando o que os jurados pedem, nós alcançamos o que a gente queria aqui nesse ensaio de hoje – afirmou o mestre.

mancha-verde-81Reinando a frente da bateria, Viviane Araújo marcou presença no último ensaio, arrancando aplausos e gritos eufóricos das arquibancadas. Há mais de uma década no posto de majestade da bateria, a rainha sambou muito e confessou ao CARNAVALESCO que gostaria de estar ainda mais presente, mas a rotina a impede.

– A Mancha Verde é um amor eterno. Me lançou para o carnaval de São Paulo, e a gente hoje é família. Criamos uma união, um vínculo, um respeito. Eu nem sempre posso estar presente porque moro no Rio, trabalho lá, queria poder vir mais, mas é lindo sentir o amor da escola por mim quando venho. Sou muito bem recebida quando venho, muito acolhida. Meu coração é do carnaval, e tem lugar para Mancha sempre e, claro, para o Salgueiro também – comentou.

Comissão de Frente

mancha-verde-61A escola abre o desfile homenageando os “Josés”, com direito a elemento alegórico e surpresas guardadas apenas para o grande dia. Mas o que já foi mostrado no ensaio foi suficiente para arrancar aplausos do público do Anhembi. Coreografados por Jonathan Bento, Marcos Aurélio e Wender Luciano, a comissão fez uma bela apresentação nesse último ensaio.

Mestre-sala e porta-bandeira

Mantendo o alto nível de desempenho do ensaios anteriores, Marcelo e Adriana Gomes mostraram leveza, sincronia e, principalmente, dança. Com um bonito bailado, foram bastante aplaudidos e corresponderam com a simpatia que é marca dos dois.

A Mancha Verde vem em 2017 falando do “Zé do Brasil – um nome e muitas histórias…”, enredo que está a cargo do carnavalesco Pedro Alexandre. A escola passa pelo Anhembi no sábado de carnaval.