‘A esperança guia a parceria de Preguinho’ que vence disputa de samba da Santa Cruz para o Carnaval 2018

Por Dandara Carmo, Luis Felipe Aragão e Eduardo Fonseca

whatsapp-image-2017-09-02-at-04-29-45A Santa Cruz escolheu na noite sexta-feira e madrugada de sábado o samba-enredo para o desfile de 2018. A vitória foi da parceria Preguinho, Tatiane Abrantes e Claudio Mattos.

Com o enredo “No voo mágico da “esperança”, quem acredita, sempre alcança”, assinado pelo carnavalesco Max Lopes, a escola levou três parcerias para final. Foi a quarta vitória de Preguinho na escola. A segunda de Tatiane e a primeira de Claudio Mattos.

Em entrevista ao CARNAVALESCO, Max confessou que não esperava trabalhar em 2017.

– Não pensava em voltar para o carnaval depois de 2016, mas está no sangue – disse o artista, que pretende usar a criatividade para suprir os poucos recursos da Série A.

Max contou que a ideia do enredo de 2018 surgiu da cor da escola, o verde, e que significa esperança.

scruz2018_-2– A fé vem desde o tempo de criança. Quando acreditamos em conto de fadas. A tecnologia é muito boa. Mas, faz falta este sonho. É um tipo de atitude, de sentimento que está faltando não só para o Brasil, mas para a humanidade.

Presidente revela que Série A renovou com a TV Globo

Para o presidente da Santa Cruz é muito cedo para falar sobre orçamento para o próximo carnaval. Para ele, o certo é que houve uma diminuição na subvenção da TV Globo para a Séria A

– Já temos uma redução de 25% da verba da Globo, inclusive, ela já antecipou parte da verba. O contrato para a transmissão da Séria A está renovado por mais 3 anos – revelou Zezo.

A volta do intrépido Quinho

Depois de ficar dois anos longe do carnaval carioca, o intérprete Quinho está de volta e na Santa Cruz. Ele vai cantar ao lado de Roninho, que é do carro de som da Mocidade. Com o seu jeito alegre, Quinho conversou com o CARNAVALESCO e disse que gostou da proposta da direção da escola.

– É realmente um recomeço de tudo. Me sinto envaidecido, o projeto que o presidente Zezo me apresentou para Santa Cruz acabou me seduzindo e eu vim de coração. Vamos fazer um grande trabalho, hoje começa tudo com a escolha do nosso hino – disse Quinho.

scruz2018_-14Roninho garante ser ‘uma honra ter a oportunidade de trabalhar com o Quinho’.

– Eu já tenho a experiência de ter cantado com o Wander Pires, Luizinho Andanças, Serginho do Porto. Com o Quinho é uma honra e trabalhar com ele está sendo maravilhoso.

Casal ainda não conseguiu ensaiar junto

Em 2018, a Santa Cruz terá seu casal formado por Rogerinho e Roberta. A dupla não dançou junta na final, porque o mestre-sala está fora do país. A porta-bandeira teve que dançar com Zé Mauro, segundo mestre-sala. Nada que ajuste a condutora do pavilhão da Santa Cruz.

– Hoje trocamos muitos vídeos e conversamos muito sobre a dança um do outro, mas ainda não ensaiamos juntos, fisicamente falando. Só vamos estar juntos mesmo em outubro quando ele voltar para o Brasil. É uma sensação nova, pois é uma pessoa que eu conheço há muito tempo, mas que hoje ensaiamos por palavras. É um método de ensaio diferente. Como já nos conhecemos, acredito que será só questão de ajustar detalhes. Somos duas pessoas que possuímos em uma dança muito tradicional – afirmou a porta-bandeira.

scruz2018_-6

Bateria quer manter o mesmo ritmo de 2017

scruz2018_-5Mestre Riquinho contou que a bateria deve desfilar com aproximadamente 220 ritmistas em 2018. O comandante está feliz com as mudanças da Santa Cruz para o desfile do ano que vem.

– Já estou aqui no meu quarto ano no comando da bateria e está no planejamento certo que eu queria. Uma nova bateria, um novo respeito, novos olhares para a escola que mudou tudo para 2018. Tudo de bom, tudo de primeira linha. Não adianta eu pensar só em mim, eu tenho que colocar em um andamento que a escola cante, dance e os ritmistas se sintam à vontade para tocar – explicou.

Como foi a final de samba

Todas três parcerias tiveram que fazer duas vezes suas apresentações. Zezo, presidente da Santa Cruz, falou para reportagem do CARNAVALESCO que foi uma decisão difícil. O resultado foi apertado 5 votos a 4.

Para o compositor Cláudio Matos, que foi campeão pela primeira vez na Santa Cruz, a vitória representa demais.

– Fiquei muito feliz. Pela primeira vez aqui e já campeão. Fui convidado pelo Preguinho. É uma honra saber que o Quinho cantará nosso samba na Avenida. A Santa Cruz tem tudo para ir bem no ano que vem, porque se reformou com o Max Lopes e o próprio Quinho.

Desempenho de cada parceria na final:

scruz2018_-1Parceria de Marcus Moniz, Wallace Henrique e Luiz Miranda: A parceria apresentou-se por duas vezes. A obra teve dificuldades para se manter com a mesma força durante todas apresentações, mesmo contando com a ajuda do cantores oficiais Quinho e Roninho. A animação da torcida não se traduziu em canto prejudicando bastante o rendimento do samba.

Parceria de Samir Trindade, Ribeirinho e Jefinho: o samba foi cantado pelo próprio Samir Trindade. A parceria não levou torcida e contou com a ajuda dos segmentos e comunidade. Na primeira passada a obra teve até bom rendimento capitaneada pela bateria de mestre Riquinho. Contudo, não obteve o mesmo rendimento a partir daí. O público presente estava disperso.

scruz2018_-23

Parceria de Preguinho, Tatiane Abrantes e Claudio Mattos: A parceria teve um rendimento muito regular na primeira passagem. Mesmo com uma torcida empolgada e soltando o grito de campeão ao final da apresentação, o rendimento não foi tão superior ao da parceria do Samir Trindade. Na segunda passagem com um Igor Vianna inspirado o samba conseguiu ter uma boa sustentação e chamou mais atenção dos presentes que os sambas anteriores.