Estamos começando a nos entender

Saíram as justificativas do carnaval 2010. Não sei porque demoram tanto, mas o que importa é que elas estão disponíveis. Esta transparência tem sido muito benéfica para o carnaval. Ela permite um diálogo maior entre a opinião pública e os julgadores. A cobrança por explicações mais coerentes e o questionamento da imprensa e dos sambistas fizeram com que o júri melhorasse consideravelmente. Ainda há um longo caminho até o julgamento perfeito (se é que ele existe), mas pelo menos esta distância já começou a diminuir.

Estou produzindo mais uma edição da coluna "O dia da caça", onde analiso o trabalho de cada
um dos julgadores. A experiência de julgar o carnaval de Uruguaiana me faz compreender melhor muito do que eles escrevem. Antes de escrever sobre o grupo como um todo, me atenho ao
quesito samba-enredo. Escolhi este item porque é o que mais comento aqui durante o ano. Traço abaixo um comparativo entre minha análise (publicada aqui no site em 1/12/09) e as justificativas
do quesito. As coincidências que não aconteciam em anos anteriores mostram uma maior
compreensão de ambas as partes quanto ao que o quesito deve apre sentar. UNIÃO DA ILHA
Eugênio Leal

Samba simples, mas melodioso, de letra direta e envolvente. O único pecado é o encaixe da primeira parte para o refrão central. É
claramente "trepado". Fora isso é muito bom. Eri Galvão
"a melodia quando muda da primeira estrofe para o primeiro refrão parece não pertencer à mesma música". Marta Macedo
"O refrão central entra de modo abrupto, forçado, sem preparação na melodia. Não há continuidade…compromete o desenho melódico e a
estética do samba". TIJUCA
Eugênio Leal

"…a letra sofre pela falta de assunto já que não se pode revelar o que acontecerá no desfile… Pode vir a ser funcional…" Alexandre Wanderley:
"A letra está adequada ao enredo, mas carece de conteúdos e argumentos, possivelmente em virtude do desafio de se fazer um samba sobre o tema do segredo. Talvez seja essa a razão da repetição de algumas palavras".

VIRADOURO Eugênio Leal
Peca por algumas passagens que não ajudam o componente em desfile, com excesso de letra em tons difíceis de melodia.

Alexandre Wanderley:

"Melodia: de maneira geral, faltou riqueza melódica ao samba, que pouco contribuiu para entusiasmar o canto e a dança dos componentes
da agremiação". Alice Serrano
"O samba não contagiou o público, não causou emoção".

Marcelo Rodrigues

"desenhos musicais de média inspiração não resultou em um grande desfile, ou seja, não funcionou" SALGUEIRO

Eugênio Leal

"Faltou inspiração tanto na letra quanto na melodia. Destaque apenas para o refrão final". Marta Macedo
"A melodia, apesar de ser animada e de ter um refrão forte, apresenta poucos desenhos melódicos e pouca originalidade. Letra sem grande riqueza poética não apresentando coesão…"

MOCIDADE Eugênio Leal
"Não consegue explicar o enredo, por mais que a letra tenha sido mexida. Vira uma simples exaltação à escola. Tem como méritos a força
do refrão e a melodia animada da segunda parte". Alexandre Wanderley:
"O refrão principal…revelou-se bastante funcional, contagiando os desfilantes… há pouca coesão entre os versos do refrão do meio…alguns trechos da letra são um pouco confusos…"

Alice Serrano

"…a letra não explicita alguns aspectos levantados no enredo, deixando em aberto algumas idéias, apresentando versos soltos. A letra trata
o enredo de modo superficial". Marta Macedo
"Letra sem grande riqueza poética, lançando mão de várias expressões muito comuns…esse uso excessivo empobrece a letra
esteticamente". "o samba tem força melódica diferente no refrão (mais forte) e nas estrofes (mais fraca).Essa diferença quebra a beleza da melodia como um todo".

PORTO DA PEDRA Eugênio Leal
"Letra ruim, recorrendo a expressões pobres poeticamente. Melodia alegre, mas sem grande inovação". Alexandre Wanderley:
Porto da Pedra: "A letra deixou um pouco a desejar do ponto de vista estético…faltou riqueza melódica…"

Alice Serrano

Porto da Pedra: "a letra carece de riqueza poética…melodia pouco criativa, fraca em desenhos melódicos…" Marcelo Rodrigues
Porto da Pedra: "clichês indesejáveis, o que prejudicou a riqueza poética". PORTELA
Eugênio Leal

"Excesso de uso da palavra Portela". Alexandre Wanderley:
"…cabe registrar ainda a repetição excessiva do nome da agremiação durante a letra"

Alice Serrano

"a letra é redundante…repetidamente exalta a Portela…" Marta Macedo
"Nota-se alguns versos soltos… não acrescentam nada e prejudicam a beleza poética…" GRANDE RIO
Eugênio Leal

"O encaixe da junção na cabeça do samba não ficou bom. Há uma quebra melódica e poética muito nítida. Letra confusa em algumas passagens".

Alexandre Wanderley:

Grande Rio: "Faltou… um sentido de unidade…" Alice Serrano
Grande Rio: "a letra não traz riqueza poética"