Eugênio Leal: ‘O desafio dos ensaios técnicos’

Terminou o primeiro ciclo de ensaios técnicos na Sapucaí. Infelizmente não pude acompanhar todas as escolas em virtude de compromissos profissionais, mas vi quase todas. Espero ansiosamente pelo próximo final de semana quando teremos, sábado e domingo, o som oficial do desfile. Será fundamental para entendermos como será a acústica nos dias de disputa.

As baterias têm sofrido demais em virtude dessa obra. A cada ensaio a gente percebe a dificuldade dos mestres em controlar eventuais “derrapadas” de suas marcações. Foram raras as exceções. Poucas baterias passaram sem cometer erros. Até o ano passado o paredão de camarotes funcionava como uma caixa de som que fazia a bateria reverberar e voltar para a pista. O volume era maior e também a confiança dos ritmistas. Agora o som se espalha. As baterias perdem peso e têm se atrapalhado com isso.

Já conversei com alguns diretores que demonstraram preocupação com o fato e modificaram suas orquestras. Alguns aumentaram o número de surdos, outros alteraram a afinação deles. Mas só o teste com o som oficial vai dizer qual o melhor caminho. Aliás, só os desfiles vão nos mostrar um caminho.

Até semana passada eu dizia que este seria um carnaval de “teste” para todos os envolvidos, agora acho que é um carnaval de sacrifício e desafio. A “nova Sapucaí” ainda vai nos pregar algumas peças.

VILA EMOCIONA
A Vila Isabel foi a escola que mais me agradou nesta primeira rodada. O samba mostrou que consegue contagiar não só componentes como também o público e gerou uma atmosfera mágica. Impossível não imaginar a energia de Kizomba. Pura emoção.

TIJUCA PRÓXIMA À PERFEIÇÃO
É impressionante a capacidade da Unidos da Tijuca de se organizar. Os ensaios da escola foram próximos à perfeição – embora no segundo tenha faltado um pouquinho de evolução. Os componentes não apenas cantam, como também interpretam o samba seguindo exatamente a divisão e o tom dos intérpretes. A bateria tem uma qualidade técnica absurda e foi das poucas que não erraram.

SALGUEIRO É SHOW
O Salgueiro proporcionou ao público um espetáculo com alas fantasiadas, surpresas e coreografias. Mostrou que pensa grande. A escola cantou muito, mas me pareceu um pouco “travada” em sua evolução e deixou a impressão de que pode mais.

O RESGATE DA PORTELA
A Portela mostrou que vive um momento fantástico de recuperação da sua auto-estima. Fez um ensaio bonito em que a bateria se destacou pelo arranjo que produziu para acompanhar o seu lindo samba-enredo. A comoção estava na cara dos componentes que voltaram a sonhar com os lugares mais altos do pódio.

A SÃO CLEMENTE É ALEGRIA
O espírito brincalhão, sacana e ousado está de volta à escola de Botafogo. Isso foi o mais importante na exibição que ela nos proporcionou no ensaio de sábado passado. Uma escola feliz consigo mesma, satisfeita e confiante no momento que vive, um momento de crescimento sem precedentes em sua história. Pequenos erros aconteceram – talvez precise ensaiar mais fora da quadra – mas de fato é uma escola revigorada, forte e muito alegre.

MOCIDADE PODE MELHORAR
O primeiro ensaio da Mocidade mostrou alguns problemas que a escola com certeza já está corrigindo. O canto foi irregular, a bateria não foi aquela que se esperava e o andamento do samba ainda não foi o ideal. De qualquer maneira a parte final da escola mostrou que muita coisa deve melhorar já para este segundo ensaio e, depois, para o grande desfile.

A PARADONA DA IMPERATRIZ
O ensaio da rainha de Ramos foi atrapalhado pela parada no carro de som e na bateria. Isso causou um tumulto gigantesco na escola que vinha fazendo uma boa apresentação. Como não vai se repetir no dia do desfile, não chega a ser um problema. Destaque para o carro de som, com Dominguinhos inspirado. A bateria, renovada em cima da hora, mudou de característica mas cumpriu o papel de sustentar o ritmo da escola.

RENASCER DE UM BAIRRO
Jacarepaguá quer chegar com força ao Grupo Especial. A escola pisou forte nos dois ensaios técnicos que fez, com muita garra dos componentes e uma bela bateria. Se o enredo der conta do recado será uma belíssima estréia no especial.

TIGRE GUERREIRO
A Porto da Pedra é uma escola acostumada com a Sapucaí. Tem bateria excelente e uma comunidade que sabe desfilar. Mostrou isso nos ensaios. Seu grande desafio é sustentar um samba complicado sobre um enredo pouco carnavalesco.

ILHA DE OURO, PRATA E BRONZE
Para chegar ao pódio do carnaval, a Ilha vai precisar apenas de boas alegorias e fantasias. Seus componentes estão afiados e o intérprete Ito Melodia vive o auge da carreira. Como Alex de Souza é um dos grandes talentos da nova geração dá pra acreditar no melhor.

Não vi os ensaios de Beija-Flor, Mangueira e Grande Rio. Fico devendo as análises. Como a grande campeão ainda vai fazer o teste de som e luz no domingo, comento por aqui semana que vem.
 

Comente: