Extra lança campanha e recria apresentações de 1932 nos 80 anos dos desfiles das escolas de samba

Algumas teorias dizem que o carnaval teve seu início antes de Cristo na Grécia e na Roma, que comemoravam o fim do inverno e o começo da época do plantio. No Brasil, os portugueses, na metade século XIX, trouxeram a festa com o nome de Entrudo, no qual as pessoas sujavam umas as outras. Depois, o evento começou a se modernizar com fantasias trazidas de países europeus. Já no século XX, blocos começaram a ser criados. Até os dias atuais existe a dúvida de qual é a primeira escola de samba. Dúvidas para lá, o primeiro desfile oficial das escolas de samba foi realizado em fevereiro de 1932. Agora em 2012, os desfiles completam 80 anos e, em comemoracao a esta data, o Jornal Extra, em parceria com a prefeitura do Rio de Janeiro, vão fazer uma grande festa na reinauguração do Terreirão do Samba exatamente no dia em que aconteceu o primeiro desfile: 7 de fevereiro, às 19 horas.
 
Idealizador e curador desse projeto, Leonardo Bruno, jornalista do Jornal Extra/Expresso e responsável pela coluna Roda de Samba, contou ao CARNAVALESCO sobre esse projeto de reeditar o carnaval de 32.
 
– É um projeto grande do Extra com a prefeitura do Rio. O primeiro desfile ocorreu em 1932 na Praça Onze, onde vamos fazer uma grande festa no Terreirão do Samba. O curioso é que o dia do desfile também foi 7 de fevereiro. A nossa ideia é homenagear os sambistas que fizeram essa historia. Eles são os grandes artistas. O projeto tem varias ações: vamos pegar as quatro escolas (Mangueira, Portela, Unidos da Tijuca e Estacio de Sá) e recriar os desfiles com os figurinos da época, a forma com que as baterias tocavam, ordem da escola, com pede passagem, linha de frente, mestre-sala e porta-bandeira, o puxador com a bateria, as pastoras (que cantavam o samba no gogo, já que não existia carro de som) e depois uma ala de homens. Vamos ter entre 100 e 150 pessoas. As escolas vão escolher três sambas históricos. Antigamente, os sambas só tinham a primeira parte, e depois era improvisado. Existia a figura do chamado versador, que fazia os versos na hora.
 
De acordo com o organizador, tudo está sendo preparado para transmitir a realidade da época: – Vamos colocar uma corda separando o público, como acontecia. Não existia a cronometragem. Ainda não sabemos o tempo e o percurso não foi fechado.
 
A festa não se restringirá apenas ao Terreirão: ela se estenderá também para as quadras das agremiações. Em cada uma das quatro escolas está sendo preparada uma festa com temas de grandes enredos de cada agremiação. – Na Estácio será a festa da Paulicéia Desvairada; na Ttijuca a festa do Segredo; na Mangueira será a do Xinxim e Acarajé e na quadra da Portela a festa das Lendas e mistérios da Amazonia.
 
Ainda segundo Leonardo Bruno, a ideia principal desse projeto é homenagear os sambistas, porque sem eles o carnaval não teria essa dimensão. Até 5 de fevereiro, o Extra disponibiliza uma série especial contando sobre a história dos 80 anos de desfile. Clique aqui para ver o especial no site e votar na personalidade do carnaval
 
– Na festa, além do desfile, vamos ter o show do Arlindo Cruz e uma grande homenagem aos sambistas. O público está votando através do site do Extra e escolhendo a personalidade desses 80 anos. Além disso, formamos um juri com 20 especialistas para eleger os maiores nomes dos 80 anos do desfile em nove categorias: mestre-sala e porta-bandeira, puxador, carnavalesco, passista, personalidade da velha guarda, musa, ritmista ou mestre de bateria e compositor. O júri é formado por Martinho da Vila, Monarco, Sérgio Cabral, Beth Carvalho, Leci Brandão, Carlinhos de Jesus, Tereza Cristina, Leonardo Bruno, Ana Paula Araújo, entre outros.
 
Para participar do evento, 5000 pessoas vão ser sorteados pelo Extra e também através do site www.extraonline.com.br.

Comente: