Falhas em evolução comprometem desfile da Curicica

Por Eduardo Fonseca

curicica_desfile_2018_24Última escola a desfilar na Série B, a União do Parque Curicica que estava na Série A no ano passado, trouxe o enredo “O reino está nu”. Com enredo em tom de crítica, bom conjunto de fantasias e bateria, a Curicica faz um desfile regular no encerramento do grupo. A escola de Jacarepaguá finalizou seu desfile com 44 minutos.

Comissão de frente

A Comissão da Curicica representou “Uma cavalaria irreal”. Os personagens eram bobos da corte. Eles carregavam uma corneta para anunciar o início de desfile da escola. Contudo, o desempenho foi apenas regular. Nos módulos 1 e 2 ao fazer a coreografia os componentes se embolaram.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O casal Marcinho Souza e Letícia Malaquias fez uma boa apresentação. Contudo, a saia da porta-bandeira perdeu algumas penas na parte de baixo no durante o desfile.

Alegorias e Fantasias

curicica_desfile_2018_03O abre-alas retratou a sujeira por trás dos reinos medievais decadentes. O carro apresentou uma escultura na parte frontal que representava um monarca com uma coroa. Na parte de trás da alegoria havia um inseto. O carro chamou atenção pelo tamanho. Ele teve muita dificuldade de locomoção no começo de desfile. A lateral esbarrou na grade de proteção e encostou na cabine de jurados do módulo 3. O tripé apresentou uma escultura de um rato articulado na frente e um manequim na parte central do tripé. A escola apresentou um conjunto de fantasias volumosos e bem executados. Exceto pela fantasia da bateria que destoou dos demais figurinos.

Harmonia e Evolução

A escola apresentou um canto apenas regular durante o desfile. Ficou a sensação de que os componentes poderiam ter cantado mais. O quesito Evolução problemático para a Curicica. Nos módulos 2 e 3 a ala de passistas continuou o desfile enquanto a bateria chegava para apresentação. Dois buracos foram abertos.

Samba e Enredo

curicica_desfile_2018_34O samba não teve um bom rendimento no desfile. A obra acabou não ajudando a escola no canto dos seus componentes. O enredo desenvolvido pelo carnavalesco Marcus Ferreira, atual campeão da Série A pelo Império Serrano, foi dividido em quatro setores. O primeiro “O reino está nu” mostrou o cenário de um reino abandonado e infestado de usurpadores. No segundo setor chamado de “Os verdadeiros plebeus” apresentou a transformação de escultura e tecidos antigos em fantasias. O terceiro setor “As aparências enganam” mostrou um cenário de festa após a vitória do reino. O quarto e último setor “E segue o baile” exibiu a tristeza após o bobo da corte ser deposto.

Outros Destaques

A bateria de Mestre Yan teve um bom desempenho no desfile. Destaque para arrancada que logo na primeira passagem do samba já largou uma bossa. As baianas de Curicica apresentaram um belo, volumoso e bem achado figurino. A fantasia assim como a cabeça da escola era rubro-negra. A ala de passistas da Curicica, sem dúvida, foi uma das alas como mais integrantes da noite. A fantasia tinha cores rosa e branco. Os homens usavam uma calça preta por baixo que ajudou a dar um contraste a roupa.