Final da Mangueira: parceria de Rodrigo Pinho aposta que segmentos da escola conduzam samba

mangueira-samba-3A parceria dos compositores Rodrigo Pinho, Poeta, Pixulé, Bruno B1, Tia Marlene, Bruno Souza e Pedro Terra na final da Mangueira pretende brincar sem dinheiro. Segundo o intérprete Pixulé, o samba pode vencer apenas por ter conseguido afinidade com segmentos e ter se encaixado com a bateria Tem que respeitar meu tamborim. Confira a entrevista com Pixulé.

– Porque o seu samba merece ser campeão?

Pixulé: “Por um simples motivo. O samba da nossa parceria se encaixou com a bateria, o andamento, o desfile que a escola pretende fazer e também com a proposta de enredo que o carnavalesco Leandro Vieira pretende desenvolver na Marquês de Saúcaí. Nosso samba traduz a alegria do sambista, que mesmo sem dinheiro e sem fantasia brinca o carnaval.”

– Qual sua parte predileta do samba e porque?

Pixulé: “Gosto do samba por completo, sabe como éw compositor. Mas gostaria de destacar o trecho final da segunda parte do samba, a partir do verso ‘Vê irmão, o momento é de reagir’ culminando até o nosso refrão principal.”

– Quanto em média a parceria gastou incluindo a final e o que pretende apresentar na grande decisão?

Pixulé: “Eu não tenho como passar o valor exato, até porquê nosso poder aquisitivo é inferior aos concorrentes. Vamos levar o cabto, o abraço do mangueirense ao nosso samba. Importante são os segmentos cantando o nosso samba em alto e bom som. Viemos totalmente sem dinheiro, incorporamos o espírito do enredo, unimos esforços e contribuições para fazer nosso sonho acontecer e mostrar que é possível disputar em bom nível sem gastos exorbitantes. Nossa surpresa será o povo aceitando nosso convite, para juntos fazermos a festa e resgatar a essência do carnaval. Por isso fica o nosso convite à todos: Pode chegar. Tragam bastante alegria. Com a ajuda de todos o samba e o carnaval irão prevalecer.”