Final da União da Ilha: parceria de Ginho irá distribuir chapéus de cozinheiro na quadra

samba-1Na grande final da União da Ilha deste sábado a parceria dos compositores Ginho, Marcelão da Ilha, Flavinho Queiroga, Júnior, Thiago Caldas, John Bahiense, André de Souza e Prof. Hugo promete uma grande interação com o público. Eles irão distribiur na hora da apresentação da obra mil chapés de cozinheiro. O compositor Júnior Nova Geração conta os destalhes em entrevista concedida ao site CARNAVALESCO.

– Porque o seu samba merece ser campeão?

Junior Nova Geração: “Porque acho o samba super equilibrado. Uma letra indireta, subjetiva, que complementa o que o carnavalesco vai mostrar na avenida. Além disso, temos uma melodia deliciosa, que não deixa o samba cair em nenhum momento e que vai fazer o componente cantar sem parar na Sapucaí. A comunidade abraçou o samba na quadra, agora é controlar a ansiedade para essa grande final e esperar o resultado.”

– Qual sua parte predileta do samba e porque?

Junior Nova Geração: “O samba tem várias partes que gosto. Refrão do meio, espetacular. A parte da ‘Ilha prepara a mesa que é dia de festa’ também. Ela mexe com o componente. O refrão final é super cantado. Ecoa na quadra. Mas a parte que fala, ‘Eita tempero bom, eu quero provar/ Derrama o caldo de lá, nos frutos de cá/ Eita tempero bom, eu quero provar/ Nas terras tupiniquins, o que se planta dá’, essa pegou. Todos só chamam o samba de tempero bom, virou uma marca. Esse trecho resume bem o enredo. Essa mistura de sabores, provocando uma revolução de sentidos, se transformando num tempero especial, onde todos querem provar.”

– Quanto em média a parceria gastou incluindo a final e o que pretende apresentar na grande decisão?

Junior Nova Geração: “Gastamos entre R$ 70 e 80 mil. Não é fácil. Principalmente com essa crise toda que estamos vivendo. Mas com muito esforço e comprometimento de toda parceria, conseguimos. Pra essa final, vamos fazer o que estamos fazendo o concurso todo. Esbanjar alegria, cantar e se divertir. Iremos ter 1000 chapéus de cozinheiro espalhados na quadra. Virou uma marca nessa disputa, colocamos uma vez pra ver como ficaria e foi um sucesso total.”