Final do Império Serrano: parceria de Horácio Pessoa celebra final em ano de estreia

imperio-serrano-samba-4Vencer um samba-enredo no Império Serrano é uma glória para raros compositores. Mas mesmo que a honra não chegue, os compositores Horácio Pessoa, Jorge Luiz, Nilton do Supósio e Sérgio Negão já têm motivos para celebrar. No primeiro ano disputando na escola já alcançaram a final. A reportagem do CARNAVALESCO conversou com Jorge Luiz antes da grande decisão.

– Porquê o seu samba merece ser campeão?

Jorge Luiz: “Antes de tudo devemos agradecer muito por estarmos nessa final. Foi a primeira disputa na escola. O samba da gente foi construído todo dentro da setorização. Dissemos que é o encontro dos Impérios. Temos uma obra leve, de qualidade e harmoniosa. Com certeza vamos levantar a avenida, caso recebamos essa graça de vencer.”

– Qual a sua parte predileta do samba e porquê?

Jorge Luiz: “O samba é todo gostoso. Desde o refrão de entrada até o final. É uma composição que vem do fundo da alma. Gosto do trecho “eu sou Madureira, onde nasci me criei”. Fizemos uma homenagem ao Wilson das Neves.”

– Quanto a parceria gastou incluindo a final e o que pretende aprentar para o público?

Jorge Luiz: “Não temos contabilizados quanto foi gasto ainda, seria uma informação incorreta a passar. Preparamos um dragão com asa, soltando fumaça pela boca. Teremos uma chinesa com a coroa da escola e luzes de led. Ela vai apresentar o samba para o público.”