Grupo Especial: Rodrigo Coutinho analisa baterias que desfilaram no domingo

 

 

Império da Tijuca

Primeira a tocar no Grupo Especial em 2014, a bateria Sinfonia Imperial, comandada pelo mestre Capoeira, teve desempenho regular no desfile deste domingo. Mais uma vez exerceu a sua característica com um andamento mais ''pra frente'', porém mais confortável que em apresentações recentes. Afinação de surdos bem definida e com diferenciação clara de tonalidades.

Chocalhos tocando com correção, assim como o naipe de agogôs. A ala de tamborins da Verde e Branco deixou a desejar na execução do carreteiro e também em alguns trechos do desenho rítmico. Caixas também poderiam ter tido um desempenho melhor. Variou bastante entre a coesão em determinados momentos e falha na execução das duas batidas utilizadas no naipe.

Surdos de terceira com desenho ousado, mas a execução deixou a desejar em alguns momentos do desfile. As ''frases'' longas do arranjo criado soavam, por vezes, emboladas, causando certo desconforto musical. As bossas feitas ao longo do desfile foram em sua grande maioria bem executada e funcionaram na interação com o público.

Grande Rio

Ótimo rendimento da bateria Invocada comandada pelo mestre Ciça. Por tudo que representa para o carnaval, Ciça merecia mais uma vez passar com uma bateria do nível visto na noite deste domingo na Marquês de Sapucaí. Um ritmo bem a seu estilo. Andamento ''pra frente'' e afinação mais pesada, porém correta na diferenciação de tonalidades entre os três surdos. Pulsação perfeita dos marcadores.

Terceiras sem desenho rítmico, caixas com batida definida e firmes, formaram um ''miolo'' muito agradável de se ouvir. Tamborins muito bem na execução do desenho rítmico e também no ''carreteiro''. Chocalhos também se destacaram.

Apresentação ousada. Bossas com grau de dificuldade variado, mas todas executadas bem em frente às cabines de julgadores. Uma delas, feita na segunda do samba e tendo como base desenhos rítmicos das caixas, foi o destaque.

São Clemente

A Fiel Bateria clementiana teve desempenho mediano no desfile que ocorreu no início da madrugada desta segunda-feira. Ao contrário dos últimos anos, passou a usar a afinação de surdos utilizada na grande maioria das baterias cariocas: surdo de primeira grave, surdo de segunda médio. A mudança surtiu efeito e o equilíbrio entre os três surdos manteve-se perfeita ao longo do desfile.

Terceiras com desenho rítmico mais conservador e funcionando bem no conjunto rítmico. Tamborins muito bem, tanto em proposta quanto em execução de trabalho. Chocalhos deixaram a desejar em alguns momentos do desfile. Como eram o primeiro instrumento da bateria, algo bem perceptível principalmente em frente ao segundo módulo de julgadores. Caixas também poderiam ter um desempenho melhor. Faltou mais definição rítmica aos que tocam a batida ''em cima''. Os da outra batida, ''carreteira'', foram bem.

Ala de cuícas se destacando também, assim como as bossas levadas para o desfile, todas cumprindo o propósito de não fugir ao desenho melódico do samba. Em frente ao segundo módulo de julgadores, porém, uma parte da fileira de marcação do lado par do Sambódromo ''passou reto'' em uma bossa. Algo bem perceptível naquele momento.

Mangueira

Quem pensou que a ousadia da bateria da Mangueira iria acabar se enganou. Com uma apresentação pra lá de audaciosa, a bateria ''Tem que respeitar meu tamborim'', comandada pelo mestre Ailton, teve ótimo desempenho de ritmo, mas pecou em alguns detalhes durante duas bossas.

Em determinado momento do samba, todos os instrumentos da Verde e Rosa, exceto os surdos de primeira, paravam de tocar. Após alguns compassos com a marcação, todos os outros ritmistas ''sacavam'' tamborins presos às suas respectivas fantasias e executavam um arranjo com o instrumento, mas a precisão neste momento, durante a apresentação para o Módulo 01, não foi o ideal. Alguns ritmistas acabaram realizando o desenho um pouco fora do tempo, o que prejudicou a manobra. O outro deslize ocorreu perto do módulo 02, durante a realização da bossa da segunda do samba, com conversa entre diversos instrumentos, a participação das caixas foi ligeiramente imprecisa na seção final.

Com relação a ritmo, um verdadeiro baile em verde e rosa. Pegada de Mangueira! Caixas uniformes e usando as acentuações da batida da escola com muita correção. Tamborins, colocados no centro da bateria, apresentaram desenho rítmico característico da agremiação e execução perfeita. Afinação de surdos bem definida e ganzás perfeitos. Andamento adotado bem confortável, sem atropelos e correrias.

Salgueiro

Uma pena não poder considerar ótima a apresentação da bateria Furiosa, comandada pelo mestre Marcão, em razão de problemas inerentes a fantasia da ala. O formato em que as plumas estavam colocadas no chapéu e o volume da indumentária foram responsáveis por uma certa defasagem  sonora com alguns instrumentos salgueirenses, como caixas, repiques e surdos de terceira. O problema só não foi maior graças a qualidade dos dois naipes citados.

Falando só de ritmo, mais uma vez foi um grande desempenho da bateria salgueirense. Todos os naipes executaram  de forma perfeita o seu papel, com destaque para as alas de tamborim e chocalho, dando um brilho especial à frente da Furiosa. Afinação de surdos agradabilíssima e andamento maravilhoso adotados.

Bossas com alto grau de dificuldade e explorando toda a qualidade musical da bateria da agremiação. Todas perfeitamente executadas.

Beija-Flor

Apresentação perfeita da bateria da Beija-Flor. Ao lado da Grande Rio a melhor da noite. Manutenção de andamento e qualidade em todos os naipes é mesmo com a ala comandada pelos mestres Rodney e Plínio.

Um primor de afinação de surdos. Proporcionando o suingue característico e a perfeita distribuição musical já vista na bateria da Beija-Flor. Todos naipes – caixas, tamborins, chocalhos, tamborins renderam com perfeição e a grande novidade para 2014 é aumento no número de bossas e convenções. Todas feitas em sequências, são, na verdade, pequenas nuances rítmicas, mas que causaram um bom efeito e impulsionaram o samba enredo.

Perfeito o entendimento também entre as duas batidas de caixa da escola. Muito agradável de se ouvir.

Comente: