Grupo Especial vive expectativa de maior domingo dos últimos tempo em primeira noite de espetáculo

abre_vilaEsse ano não vai ser igual aquele que passou. Esse é o sentimento que povoa a cabeça de todos os sambistas sobre os desfiles do Grupo Especial, que têm início na noite deste domingo no Sambódromo da Marquês de Sapucaí. Os acidentes que entristeceram o coração de todos ainda possuem as feridas abertas, mas a resiliência permitiram a construção de um novo espetáculo, que se inicia logo mais.

E a expectativa é para um domingo de arrepiar, como há muitos anos não acontece. A primeira noite de apresentações desta vez promete exibições de escolas que pleiteiam o título. A noite será aberta por ninguém menos que o Império Serrano, de volta à elite do carnaval depois de nove anos de afastamento. Em seguida vem a São Clemente e toda a expectativa pela estreia de Jorge Silveira no Grupo Especial carioca. A Vila Isabel de Paulo Barros vem na sequência, que ainda terá o forte enredo do Paraíso do Tuiuti, a estreia de Renato Lage na Grande Rio, a trangressora Mangueira de Leandro Vieira e o encerramento grandioso com a campeã de 2017, Mocidade Independente de Padre Miguel.

Ordem dos desfiles:

1 – Império Serrano
2 – São Clemente
3 – Vila Isabel
4 – Paraíso do Tuiuti
5 – Grande Rio
6 – Mangueira
7 – Mocidade

Carnavalescos revelam trunfos de cada desfile desta noite

jorge_silveiraImpério Serrano: “O enredo foi uma proposta da escola. A presidente Vera já havia alinhado e eu na verdade conduzi de acordo com o desejo do Império Serrano. Tive a liberdade de desenvolver o tema da maneira que a escola pudesse fazer um bom desfile. Adaptei à personalidade imperiana. Tive total autonomia para traçar a linha do enredo. Você pode tirar da China mais de 20 enredos. Eu já havia estudado algumas coisas e me veio a ideia de falar da rota da seda, as grandes invenções, religiões, dinastias. Quem vai fazer essa grande viagem é o próprio Império Serrano.” (Fábio Ricardo – carnavalesco)

São Clemente: “Tenho muita segurança no projeto. Vamos desfilar no horário nobre. Tenho a cobdição de preparar minha escola bem cedo. Eu serei o último a passar, como sempre faço. Eu tenho uma predileção grande por alegorias. Vamos ter carro com leituras interativas, não serão estáticos. A capacidade de se transformar ao longo do desfile, é o que mais gosto nesse projeto.” (Jorge Silveira – carnavalesco)

tuiuti08Vila Isabel: “O enredo da Vila é uma pergunta: como será o futuro. A partir disso olhamos para trás e como nós mesmos imaginamos o futuro. A partir daí a gente vai lembrando tudo que o homem inventou, tudo o que se descobriu e como foi o futuro foi sendo inventado pelo homem. Desenvolvemos o enreddo através das grandes invenções e criações.” (Paulo Menezes – carnavalesco)

Paraíso do Tuiuti: “Temos um trabalho impressionante de pintura de arte com o Filé. O carro 4 são 7 murais de representações de Debret pintados à mão, não são plotters. A Lei Áurea do tripé também será pintada à mão. O assoalho do navio negreiro também, na própria alegoria.” (Jack Vasconcelos – carnavalesco)

Grande Rio: “Fizemos uma sequência do sucesso para o início da carreira. Não é uma biografia que mostra a vida pessoal. Teremos passagens interessantes. Damos um tratamento tropicalista, com o abacaxi, passamos por um setor inteiro preto e branco como na TV antes de ser colorida. Uma de nossas alegorias terá um octógono com anões, simbolizando a luta pela audiência. É um desfile bem-humorado como era o programa. O segundo carro será o Cassino, como um cenário do programa. Finalizamos com o carnaval do Recife, pois ele é pernambucano. Colocamos signos recifenses, como o frevo. O Chacrinha gostava bastante de festa. Teremos bonecos de Olinda que representarão os jurados famosos do programa, Pedro de Lara, Jesse Valadão.” (Renato Lage – carnavalesco)

renato_grande_rioMangueira: “A escola sempre foi tida como tradicionalista e ultra conservadora. Recentemente passou por uma transformação que rejuvenesceu sua aparência plástica e conceitual. O enredo que ela apresenta ao completar 90 anos mostra o quanto a escola é, atualmente, contemporânea. Acho emblemático para a própria Mangueira essa questão. A escola nunca se viu tão jovem, tão subversiva, tão contestadora. E isso, para a própria escola é importante uma vez que, de fora, pode-se observar o quanto a Mangueira está viva e o quanto manifestações culturais – como as agremiações são – vivem de ciclos.” (Leandro Vieira – carnavalesco)

Mocidade: “Tem muita pedraria. Vou colocar uma escola bastante colorida na avenida. O meu estilo está um pouco mais clean que o normal. Podemos esperar uma escola luxuosa. Mas eu esse ano tenho até cesta de pão de plástico. Essas coisas facilitam nossa vida, para ter algo que ninguém tem. Na bateria da Mocidade por exemplo terei broches que são lembrancinhas de casamento, que farão a função de uma flor de lótus. Estou buscando coisas que não são comuns, só eu tenho. Podem copiar depois, mas aí já estou em outra.” (Alexandre Louzada – carnavalesco)

Regulamento sem alterações

Depois de sofrer mudanças de 2016 para 2017 o regulamento dos desfiles do Grupo Especial pouco mudou para este ano. As principais mudanças foram o horário do início do espetáculo, que passou para 21h15 e da apuração na quarta-feira de cinzas, que será 15h30. Além disso a criticada cabine dupla de julgamento foi desfeita e as escolas passarão a ser julgadas através dos tradicionais quatro módulos, nos setores 3, 6, 8 e 10 da avenida.

Serão 36 jurados atribuindo notas entre 9 e 10. Seis jurados foram modificados em relação ao ano passado. Assim como ocorreu em 2017 um sorteio na tarde deste domingo definirá, dentre os 54 julgadores, quais irão para o julgamento e quem ficará com as cabines reservas, que só valerão em caso de problemas com algum julgador titular.

– Horário e tempo de desfile: a festa terá às 21h15, e as escolas tem 75 minutos no máximo para se apresentar. O tempo mínimo para desfilar é de 65 minutos.

– Comissão de frente: cada comissão poderá contar com o mínimo de 10 (dez) e o máximo de 15 (quinze) integrantes aparentes no quesito.

– Alegorias: todas as agremiações deverão apresentar de 05 (cinco) a 06 (seis) alegorias em seus desfiles. Será permitido um carro acoplado e três tripés (motorizados ou não) com até dois componentes.

– Ritmistas: deve ser respeitada a obrigatoriedade mínima de 200 integrantes.

– Notas e quesitos: As notas serão atribuídas de 9,0 a 10,0, fracionadas de forma decimal (9,0 – 9,1 – 9,2 – … – 9,8 – 9,9 – 10,0). São 09 (nove) quesitos: Comissão de frente, Mestre-sala e Porta-bandeira, Evolução, Harmonia, Bateria, Enredo, Samba-enredo, Fantasias e Alegorias e Adereços. São quatro cabines com um de cada quesito em cada uma e mais duas reservas.

Lembrando que as duas últimas colocadas no Grupo Especial serão rebaixada para a Série A em 2019 e substituída pela campeã da Série A de 2018.