Guilherme Gonçalves analisa a bateria da Vila Isabel no desfile

Por Guilherme Gonçalves

vila-isabel_desfile_2018_078Em seu primeiro ano à frente da “Swingueira de Noel”, mestre Chuvisco, chamado pela escola para implementar mudanças e colocar a bateria tocando num andamento mais “pra frente”, vinha tendo um bom rendimento até executar uma bossa no primeiro módulo de jurados. Ao meu ver, devido ao chapéu muito grande, alguns ritmistas da parte de trás da bateria não enxergaram o sinal e seguiram tocando ritmo. Isto visivelmente abalou alguns integrantes. A partir daí, a bateria oscilou durante o resto do desfile.

Impressionante como alguns carnavalescos ainda insistem em fazer fantasias inapropriadas para a bateria. Voltando à bateria, na parte da frente, ótimas cuícas e chocalhos. Bom o arranjo do naipe de tamborins. A novidade na “Swingueira” foi a inclusão de um naipe da agogô de 4 campanas.

No “peso”, marcações bem afinadas. Repiniques auxiliando as caixas e taróis na sustentação rítmica.