Independente com seus ‘monstros’ mostra em ensaio técnico que está preparada para o Grupo Especial

Por Fiel Matola

feijoada_salgueiro_flyer-finalA Independente acabou de chegar no Grupo Especial de São Paulo e pelo que se viu do ensaio técnico, nesta sexta-feira, pode-se dizer que ela quer ficar nesse patamar. Uma apresentação que teve sua comissão de frente com monstros de filmes de terror como ponto alto, a escola mostrou garra e muita determinação.

Sem chuva, a Independente iniciou o seu ensaio às 23h30, com uma facha com os dizeres: ‘A maior família tricolor do Brasil’, pedia passagem para escola adentrar ao Anhembi. O que se viu foi uma escola querendo ter uma boa estreia no Grupo Especial, mas que necessita de uns ajustes, principalmente, em sua harmonia. O presidente Alessandro Santana, em conversa com o site CARNAVALESCO, ressaltou a importância do ensaio e disse que vai lutar para continuar no grupo.

– Nós chegamos para ficar, todas as escolas que já ensaiaram a gente acompanhou. Nós temos o nosso desfile na nossa cabeça e nós não devemos nada para nenhuma escola tradicional e nós chegamos para ficar. Espere o próximo ensaio, pois vocês vão ver que nós viemos para ficar – disse o presidente.

Comissão de Frente

print9_enCom um contingente em que cada um estava vestido de um personagem de um filme de terror, o grupo chamou a atenção do público. Ponto positivo para o coreógrafo Anderson Rodrigues, que saldou o público e apresentou o enredo. Com uma caracterização perfeita, os ‘monstros’ revezavam entre o chão e uma alegoria de apoio. E, olha que não é o oficial, apesar da maquiagem, sangues, serras-elétricas, gritos, etc.

– A única coisa que temos da comissão é a alegoria. Hoje, trouxemos esses personagens para brindar o público, Mas, posso garantir para vocês que o que estamos preparando será um show na avenida – disse o coreógrafo, que também trabalha na turma de carnavalescos da escola.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

independente_ensaio1901_-10Cley Ferreira e Lenita Magrini não ensaiaram com fantasia, somente caracterizados, todos os dois de roxo e com uma maquiagem dentro do enredo. Os dois que são jovens, ele com 21 anos e ela com 23, contaram que sofrem de início um preconceito pela idade, mas que depois das pessoas olharem o trabalho deles esse preconceito cai.

– As pessoas duvidam, no começo era difícil, hoje estamos há cinco anos como casal principal. Na Independente estamos há dois anos. Todo mundo olha e pergunta se nós somos um casal mirim. Chegamos na quadra e na avenida fazemos nossas apresentações e as pessoas acabam elogiando, falando que nós crescemos e somos grandes talentos – comentou a porta-bandeira.

O mestre-sala enaltece a realização dos ensaios técnicos na pista de desfiles. – Temos que nos preparar para isso, pois precisamos aguentar na avenida. O Anhembi é nosso santuário. Temos que ensaiar sempre para chegar na hora e da tudo certo – afirmou.

Harmonia e Samba-Enredo

independente_ensaio1901_-3A harmonia deixou a desejar, em alguns momentos, por causa de não ter a sonorização do Anhembi, a escola atravessou um pouco o samba, mas o problema foi corrigido rapidamente pela equipe responsável pelo canto. A escola veio grande e a saída rápida do carro de som do primeiro recuo, também dificultou a chegada do áudio em algumas alas.

Outra questão que vale um olhar mais cuidadoso são as alas coreografadas, algumas representando monstros, que fazem a sonorização do personagem, ficando o samba de lado.

A obra funcionou na avenida, ponto positivo para o refrão principal que é muito cantado. Porém, a sensação é que pode render ainda mais. O diretor de harmonia Demis Roberto fez seu balanço do ensaio.

– É nosso primeiro ensaio, nós optamos por fazer dois ensaios ao invés de três como outras escolas. Já fizemos vários ensaios de rua, e hoje aqui o ensaio correspondeu positivamente as minhas expectativas. Arriscamos em duas ou três bosas de parada da bateria para ouvir o canto. Infelizmente, sem a caixa de som e com a escola muito grande, em alguns momentos deu uma oscilada no canto, uma atravessada e rapidamente a harmonia corrigiu – explicou.

independente_ensaio1901_-13Evolução

O ensaio durou pouco mais de uma hora. A evolução foi muito boa, não havendo percalços no caminho. A escola estava coesa e com uma evolução tranquila, com os componentes brincando. Até mesmo as alas coreografadas tinham seus momentos para curtir o samba.

Bateria

A bateria, comandada por Klemen, por três vezes parou de tocar para a comunidade cantar o samba-enredo. Apesar de ser um risco, tudo ocorreu bem e ela voltou no momento certo sem provocar outros problemas. O comandante analisou o ensaio.

– Tudo que ensaiamos conseguimos executar. Temos coisas para arrumar, um detalhe aqui e ali. Mas, por ser um ensaio técnico, podemos consertar. O paradão foi uma tática da escola e deu tudo certo – disse Klemen.

independente_ensaio1901_-35Outros Destaques

A ala das crianças e demais alas que vieram caracterizadas, assim como a ala dos zumbis, onde componentes fazia menção aos mortos vivos, trabalho feito com perfeição.

A Independente é a primeira escola a desfilar na sexta-feira 09/02 e vem com o enredo: “Em cartaz: Luz, câmera e….terror. Uma produção Independente!”.