Jurados não visualizaram problemas plásticos da Vila, segundo justificativas

 

 

Se as notas do quesito Alegorias e Adereços da Unidos de Vila Isabel causaram polêmica desde a apuração, ela tende a voltar agora com o anúncio pela Liesa das justificativas das notas do Carnaval 2014. Isso porque simplesmente nenhum dos quatro jurados do quesito viu os sérios problemas de acabamento e composições incompletas facilmente perceptíveis durante a passagem da azul e branco pela Sapucaí.

A Vila Isabel foi penalizada com a perda de apenas três décimos pelos jurados de Alegorias e chegou a receber a nota 10 de Helenise Guimarães. O julgador Emil Ferreira, posicionado no segundo módulo, justificou o 9,9 afirmando que "a concepção alegórica estava bem desenvolvida". Tirou um décimo por conta da "presença de um componente de sunga azul, quando a cor adotada pela indumentária era de tom preta". Para o jurado Walber Ângelo Freitas o único problema foi a "superposição de elementos cenográficos", o que rendeu um 9,8 e para Bruno Chateubriand a "repetição de recursos de carnavais anteriores e o uso de materiais muito simples" justificaram o 9,8. Bem diferente do que se viu cruzar a Sapucaí na segunda-feira de carnaval.

Confira abaixo na íntegra o que cada jurado justificou no quesito Alegorias e Adereços para a Vila Isabel:

– Helenise Guimarães (deu nota 10);

– Emil Ferreira (deu nota 9,9): "Concepção: Bem desenvolvido. Enredo claro e compreensível. Quanto à realização a escola apresentou-se criativa, com belas alegorias. Porém sua apresentação ficou comprometida pelo presença de um componente – lado direito do carro nº 01 – com sunga azul, quando a cor da indumentária era de tom preta. Ainda assim, inexplicável o círculo prata fechando a trazeira da alegoria 04."  

– Walber Ângelo de Freitas (deu nota 9,8): "A concepão de formas fechadas e estáticas geral alegorias de considerável peso visual (-0,1). Apesar da boa cromatização e diversidade de materiais usados nos acabamentos, algumas deficiências foram observadas. Ex: parte posterios das alegorias 04 e 06. A alegoria 02 apresentou uma superposição de elementos cenográficos e na alegoria 05 a escultura central foi totalmente escondida pelo destaque e outros elementos cenográficos (-0.1)."

– Bruno Chateubriand (deu nota 9,8): "Foi observado o uso dos mesmos materiais do início ao fim do desfile. Esse tipo de solução acaba por transformar o espetáculo em monótono. (Alegorias 01, 02 e 03). Levando em conta o critério de análise comparativa, solicitado pela Liesa, os materiais utilizados nos acabamentos eram mais simples. Sem variação de formas (esculturas) nas alegorias. Utilizou recursos repetidos de carnavais anteriores."

Fantasias incompletas não renderam nenhum 10

Se no julgamento plástico da escola os jurados de alegorias viram poucos problemas, os de fantasias se mostraram mais rigorosos, pois a Vila Isabel acabou punida com a perda de 0,5 ponto. Lúcia Simas foi taxativa para justificar o 9,8: "A ala água viva (02) deu a impressão de que não possuía fantasia". Patrícia Nunes deu nota 9,9 pois achou a realização da escola perfeita e só penalizou a concepção. Já Paulo Paradela deu 9,7 pois visualizou várias alas sem chápeus, mesmo problema identificado por Clívia Cohen, que aplicou a nota 9,8.

Confira abaixo na íntegra o que cada jurado justificou no quesito Fantasias para a Vila Isabel:

Lúcia Simas (deu nota 9,8): "Ala 02 (Água Viva) deu a impressão que não tinha fantasia. Ala 24 – fantasia de difícil compreensão. Ala 31 – não estava de acordo com a descrição e não tinha cabeça"

Patrícia Nunes (deu nota 9,9): "Ala 01: Ausência de representação na poroposta original. Alas 02, 13, 24 e 31: difícil leitura, pouco criativas, sem elementos de representação, fugindo da proposta original"

Paulo Paradela (deu nota 9,7): "Concepção – Alas 02 e 24: fantasias não conseguiram transmitir de forma clara sua proposta original. Ala 13: Excesso de elementos poluindo a fantasia, dificultando a sua leitura e entendimento. Realização – Ala 01: vários componentes sem chapéu. Ala 19: alguns componentes segurando a cabeça (peixe) por conta do excesso de peso do acessório. Ala 21: ausência de acabamento. Ala 31: todos componentes da ala sem chapéu".

Clívia Cohen (deu nota 9,8): "Muitos integrantes sem chapéus na ala de nº 01. Não identifiquei a fantasia da ala de nº 02 (Águas Vivas). Na posição em que a ala deveria estar havia apenas alguns componentes usando macacões azuis e maquiagem branca."

As juradas Lúcia Simas e Patrícia Nunes fizeram observações pertinentes a todas as agremiações, reclamando da falta de clareza na explicação das fantasias no livro Abre-Alas, que é o roteiro oficial do desfile de cada escola. Segundo elas um julgamento justo passa obrigatoriamente por uma explicação mais objetiva e clara de cada ala.

Comente: