Júri da imprensa especializada analisa disputa de samba da Mocidade e voto vale para final

A tarde de domingo foi especial na Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola, em parceria com o site CARNAVALESCO, realizou a análise dos três sambas finalistas para o Carnaval 2018. O júri composto por integrantes da imprensa especializada dará um voto para um samba finalista. O resultado será divulgado no dia da final pela própria escola.

mocidade_juri– A iniciativa do site é suma importância, porque muitas das vezes estamos fechados no nosso trabalho e não conseguimos ver todos os detalhes. Por mais que a gente se preocupe com eles, busque a qualidade e a perfeição, há sempre um momento que isso foge um pouco. Esse olhar de fora, esse olhar especializado, é bom para balizar a gente sobre o caminho que estamos seguindo, se o que as pessoas estão vendo é o que queremos mostrar. Eu acho que importantíssimo. A parceria do site, os veículos que vieram colaborar, engrandece e avaliza o trabalho. Eu estou muito feliz Tenho certeza que a Mocidade terá o melhor samba – disse Marquinho Marino, diretor de carnaval da Mocidade.

Para o editor executivo do CARNAVALESCO, o pontapé inicial foi dado com a Mocidade.

– A direção da Mocidade reconheceu a importância da imprensa especializada. A ideia é aumentarmos o números de pessoas nos próximos anos e realizarmos em mais escolas que tenham interesse. Foi um dia especial para todos os envolvidos. A gestão da Mocidade caminha para um momento diferente e totalmente apropriado com o que pede a administração de uma escola de samba – comentou o jornalista Alberto João.

Os jurados que participaram comentaram a iniciativa do CARNAVALESCO e da Mocidade.

Rafael Galdo (Jornal O Globo): “O processo democrático para a escola de samba é sempre muito bem vindo. Principalmente ouvir a comunidade. Saber o que ela quer. Mas, também ouvir quem acompanha como a imprensa e a diretoria também é importante. Está iniciativa pode se repetir várias vezes e outras escolas aderirem a este modelo”.

Guilherme Ayupp (site CARNAVALESCO): “Acredito que o pioneirismo dessa iniciativa esteja no fato de tornar a escolha do hino da Mocidade o mais democrática possível. É claro que é fundamental ouvir a comunidade e os segmentos, mas é fundamental na minha opinião conhecer os formadores de opinião do carnaval. São essas pessoas que formam e a opinião pública e conhecer o pensamento delas sobre a melhor opção para a escola. É uma escolha difícil, sabemos. E a Mocidade mostra que olha para o futuro. Não é a toa que é campeã do carnaval. Que sirva de inspiração para outras seguirem o caminho”.

Guilherme Alves (Rádio Globo): “É importante as escolas se abrirem para a imprensa. Nós que acompanhamos carnaval o ano inteiro. Desde a entrega dos sambas, a disputa e a final. É importante ouvir a imprensa e a comunidade na hora da decisão. Está atitude é louvável e torcemos para que outras escolas do Especial, Série A e até mesmo Intendente também se abram para e imprensa especializada”.

Renan Rodrigues (Jornal O Globo): “É uma iniciativa pioneira tanto da Mocidade quanto do site CARNAVALESCO. Na última década ficou mais difícil escolher samba-enredo. As pessoas acompanham todas as obras desde a inscrição do samba. Assim fica mais difícil tomar uma decisão apenas pela preferência. Este ano aqui na Mocidade temos duas obras com caminhos distintos. Mas, Que servem e se adequam ao que a escola propõe. Uma obra mais ousada e outra mais correta para o modelo técnico. Este júri vai ajudar a escola a refletir e decidir qual é a melhor obra”.

Marcus Vinícius (Rádio Tupi): “É uma iniciativa importante, pois valoriza nosso trabalho. Parabéns ao site CARNAVALESCO e a Mocidade por reconhecer nosso trabalho e a importância da nossa opinião”.

Aloísio Villar (colunista de samba): “Excelente a iniciativa. Pois, a imprensa de especializada vive o carnaval o ano inteiro. Vive a disputa desde o começo quando recebe os áudios de cada escola. Nada mais justo que aquele que mais interage com as escolas, a imprensa especializada, possa contribuir na escolha e fazer parte deste processo”.

Daniel Targueta (TV Globo): “Eu estou me sentindo no The Voice Mocidade. Só não posso virar a cadeiras. Mas, podia virar a cadeira para os três sambas. Acompanho os sambas da Mocidade desde o início e fico muito feliz de estar aqui e poder ouvir ao vivo, acompanhar a comunidade e até torcer para o meu favorito. É uma oportunidade incrível. Fico muito honrado de ter recebido o convite da Mocidade. O júri é bem diversificado. Temos um carnavalesco, um músico e eu como jornalista e que também faço enredo. Fico agradecido de estar aqui”.

Kleber Komká (colunista de bateria): “Uma iniciativa muito válida e muito interessante. Isto mostra cada vez mais A importância e a democracia do samba. Não é que este júri irá decidir. Mas, vai ajudar. Quiçá que as outras pensem assim”.

Igor Ricardo (Jornal Extra): “É uma iniciativa importante tem que ser valorizado cada vez mais. Não só aqui mais em outras escolas. Nós somos formadores de opinião. Então, muitas das vezes, trazemos o que a comunidade quer ouvir. Nós acabamos sendo o porta-voz da comunidade”.

Milton Cunha (Comentarista): “Eu acho bacana você tirar do interior da quadra uma opinião. Trazer pessoas que não são da escola e que estão ouvindo pela primeira vez e dão uma opinião. É uma opinião de fora. De quem não está com o ouvido viciado. Daí conseguimos ver problema de métrica e tom e aí alertamos a escola. É importante comparar opinião de fora com a opinião interna”.