Luciana Yegros é a nova coreógrafa da Unidos do Viradouro

Depois de apostar no trabalho de Fabio de Mello no último Carnaval, a Unidos do Viradouro resolveu trocar o comando de sua comissão de frente. A responsável por coreografar a comissão vencedora do prêmio 'Estrela do Carnaval' em 2012 será Luciana Yegros, que conversou com o CARNAVALESCO sobre o novo desafio na carreira.

Luciana começou no Carnaval como auxiliar de Fábio de Mello na Imperatriz Leopoldinense e assinou seu primeiro trabalho solo na União da Ilha em 2003. Depois passou por Mocidade, Rocinha e voltou para a União da Ilha, onde trabalhou pela última vez em 2010. Ela descreveu a expectativa na chegada à Unidos do Viradouro.

– Estou muito feliz, fui muito bem recepcionada na escola. Ainda não tive contato com a comunidade, isto só acontecerá em um evento oficial em junho (aniversário da escola), mas o primeiro contato foi excelente, a equipe que está sendo formada é maravilhosa. Espero contribuir com o meu trabalho para a a escola voltar ao Grupo Especial, que é o lugar dela. A Viradouro é uma escola de porte. Assim como a União da Ilha, seus desfiles tem o astral muito positivo, uma comunidade forte, atuante. Além disso, sempre sonhei em trabalhar com Alexandre Louzada, era um objetivo profissional – disse Luciana, citando o carnavalesco da Viradouro.

Prestes a iniciar o seu nono ano de trabalho como coreógrafa no Carnaval carioca, Luciana analisa também as transformações que quesito comissão de frente vem sofrendo nos últimos anos. Ela entende o novo conceito de espetáculo no quesito, mas garante que seu trabalho não baseia-se somente nisso.

– Realmente estamos por um momento de transição. Você não pode mais passar na Avenida sem um elemento surpresa ou um algo a mais. Dentro do meu trabalho sempre trago algo que encante o público, que faça a comunicação com o platéia, mas não faço um show a parte. A comissão é parte de um todo, o cartão de visitas da minha escola, tenho que apresentar quem eu represento, faço parte de um enredo. Uma comissão à parte do restante da escola não é o que eu quero. É um momento de transformação dos coreógrafos e carnavalescos, mas temos que ter cuidado para que o segmento não perca o sentido. Não copio, não me inspiro em trabalhos de colegas. Tenho uma linha, uma linguagem. É a minha assinatura. A comissão de frente é uma arte que está inserida dentro do Carnaval, não posso fugir disso. A comissão brilhar sozinha não pode existir. A escola tem que brilhar em todos os segmentos. A cada ano eu sou muito crítica com o meu trabalho, tenho que estar atenta às transformações, mas sigo a minha linha de trabalho.

Para que o julgamento seja justo no próximo Carnaval, Luciana pediu que sejam revistos alguns pontos do regulamento, que prevê apenas 15 integrantes aparentes por comissão de frente. Ela lembra que comissões muito premiadas acabam desfilando com integrantes escondidos dentro dos elementos cenográficos.

– Eu fico preocupada. O julgamento do quesito precisa de mudanças urgentes. Não acho justo que uma comissão que passe com 15 integrantes tenha o mesmo julgamento que uma comissão que venha com 30, 40 pessoas nos tripés. São pesos e medidas diferentes, não podem ser julgadas da mesma forma. O julgador precisa rever o que é uma comissão. É muito mais fácil eu ter 30, 40 pessoas revezando-se dentro da Avenida do que 15 que irão se desgastar de ponta a ponta. Os julgadores tem dado notas dez para comissões que vem com contingente claramente triplicado, acho errado, é a minha opinião. Eu trabalho com o mesmo elenco ao longo de todo o desfile. É preciso que haja uma mudança e isso seja colocado às claras – afirmou Luciana Yegros.

Além de Luciana Yegros, a Unidos do Viradouro contratou Alexandre Louzada para a função de carnavalesco, Marcinho e Alessandra Chagas como primeiro casal e manteve mestre Pablo e os quatro cantores da escola, Leléu, Diego Nicolau, Niu Suza e Gilberto Gomes.