Luis Carlos Magalhães escreve sobre mestre Delegado

NENHUMA LÁGRIMA

Não serão minhas as lágrimas que verterão por Delegado, o da Mangueira.

Deixo-as para seus entes queridos. Mas de mim, não,

A lamentar somente se sua morte decorreu de alguma negligência, se pudesse ter sido evitada como a de tantos outros sambistas. Se não foi, outros que chorem, tenho outra coisa a fazer.

Cada um escolhe o mundo, o universo em que quer viver sua vida, suas alegrias e tristezas. Delegado escolheu o mundo do samba. Que pode haver de melhor, de mais realizador que o convívio com os maiorais de seu próprio e escolhido mundo, com seus reis?

Com Delegado foi assim. Conviveu com Paulo, com Cartola, de Nelson Cavaquinho, de Zé Ramos, com Saturnino…

Dançou com as maiorais Mocinha e Neide, mediu forças com Vilma.

Desse mundo fez mais que conviver com maiorais; desse mundo foi rei um dia, sem nunca ter tirado 9.9.

Que vida mais gloriosa alguém terá tido: Luis XIV, Napoleão, Churchill? Cada um seja rei de seu mundo, e Delegado fez isto. Cada um que desfrute suas glórias segundo suas maluquices. Terá sido alguém mais realizado que Delegado?

Que Mangueira era aquela e seu tempo. Campeã, supercampeã, multicampeã; a mais querida de todas, a que ecoava por toda parte deste país desde o Crato, Uruçumiranga do Norte, Cravinhos, Vitória de Santo Antão, tudo pelas ondas da rádio Nacional fazendo todo o país imaginar que cenário era aquele, o das favelas cariocas, mas que era “uma beleza que a natureza criou”.

Mangueira dos barracões de zinco, dos malandros e mulatas, do surdo sem resposta, e também dos bandidos de navalha e garrucha, no máximo um “32”.

Que Mangueira era aquela?

Pois aquela Mangueira era essa, um mundo encantado cujo rei era o Delegado, o seu bailarino…o maior de todos.

De minha parte, fica o orgulho de ter um dia produzido um show, no Centro Cultural Carioca, com memoráveis mestres-salas e porta-bandeiras. E foi ali que pude ver, que vi dançar, para encantamento dos que ali estavam, por uma única vez em toda a história dos carnavais, Delegado e Vilma Nascimento.

Rei e rainha de um mundo que não existe mais.

E AGORA Delegado foi embora.

De minha parte não vou lamentar nada. Vou ficar daqui do meu canto imaginando seus dias de glórias, encantando a quem o assistia, encantando-se a si próprio ao ouvir suas notas nas apurações de seu tempo.

De minha parte, nenhuma dor, nenhum lamento…nem uma lágrima sequer…

Comente: